Crianças que protegem os manguezais amazônicos

Ações socioambientais educativas se aliam ao reflorestamento de áreas degradadas na costa do Pará e conscientizam os mais novos a serem defensores do meio ambiente

A maior faixa contínua de manguezais do planeta, com cerca de 8 mil quilômetros, está localizada na zona costeira do Amapá, Pará e Maranhão e as novas gerações representam um fator estratégico para a conservação e o uso sustentável desse patrimônio. “Elas serão os futuros guardiões do meio ambiente e constituem o melhor caminho para as mensagens chegarem aos pais, provocando reflexões e mudanças de comportamento”, afirma Aila Freitas, educadora ambiental do Projeto Mangues da Amazônia, iniciativa que desenvolve ações pedagógicas de reforço e complementares ao currículo escolar em comunidades de reservas extrativistas que utilizam os manguezais como meio de sustento, incluindo a extração de caranguejo e a pesca.

Leia: Cultura oceânica precisa entrar nas escolas

O projeto é realizado pelo Instituto Peabiru e Associação Sarambuí, com apoio do Laboratório de Ecologia de Manguezal (LAMA), da Universidade Federal do Pará (UFPA) e patrocínio da Petrobras. As atividades abrangem diferentes faixas de idade desde o início da vida escolar.

Conviver com harmonia

Na Escola Municipal Brasiliano Felício da Silva, na comunidade de Tamatateua, em Bragança, PA, o Clube do Recreio, voltado a crianças de três a seis anos, realiza atividades lúdicas na lógica de “aprender brincando”. Cartilhas sobre os manguezais foram especialmente produzidas para as atividades, com linguagem simples, cores e desenhos, abrangendo inicialmente 163 crianças de duas comunidades.

Leia: Educação indígena: escola viva ainda está longe de ser alcançada

“Ser criança nos manguezais é conviver com a natureza, enxergando detalhes que só eles conseguem pela paixão de pisar na lama”, enfatiza Aila, que conclui: “É um laboratório vivo de aprendizados, de forma que o principal desafio é preservar o meio ambiente fazendo parte dele, e não só para utilizá-lo depois”.

Do aluno para a família

Já no Clube de Ciências, meninos e meninas a partir dos sete anos participam de encontros teóricos e práticos com cientistas sobre temas dos manguezais, inclusive expedições de campo para conhecer melhor a fauna e a flora típicas desse ecossistema. O objetivo é despertar um olhar mais científico, para além do conhecimento empírico que eles já possuem pela convivência com a natureza, semean­do a vocação de futuros biólogos ou agentes ambientais.

“Já temos consciência de é errado desmatar; falta só convencer os pais”, revela o aluno Pedro Henrique Ribeiro, que junto a outros jovens do projeto contribui com o reflorestamento do manguezal na comunidade Tamatateua.

Leia também

Crianças refugiadas: longe da pátria e longe da escola

Envie um comentário

Your email address will not be published.