NOTÍCIA

Bett Brasil

Caminhos para combater a violência escolar

Educação midiática e a valorização da diversidade são algumas possibilidades de combate

Publicado em 23/04/2024

por Maria Eugênia

Em meio ao aumento da violência dentro das escolas, o papel da instituição de ensino e dos professores passa a ser indispensável na prevenção e combate a este cenário. De acordo dados do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC) sobre violência nas escolas, em 2023, as denúncias envolvendo crianças e adolescentes representavam 74% do total.

A pesquisa considerou os chamados feitos por meio do Disque 100 (canal sob responsabilidade da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos do Ministério, e que analisa e recebe relatos sobre as denúncias de violações de direitos), e destacou que as principais violências no ambiente educacional envolvem constrangimento, ameaça, bullying, injúria e constrangimento. No levantamento foram consideradas denúncias envolvendo berçário, creche e instituições de ensino.

======

======

O tema de combate à violência será tratado nesta terça-feira, 23, na Bett Brasil 2024, durante o painel Escola Livre de ódio: saiba como combater o extremismo na sala de aula, que conta com a presença dos professores Ronney Marcos Santos e Margareth de Brito Alves. Será às 15h30, no auditório Educação Pública.

======

======

Prevenção à violência escolar

Como forma de prevenir e combater a violência nas escolas, Ronney Marcos Santos, professor de língua portuguesa no Centro de Excelência Atheneu Sergipense, escola da rede pública estadual de Sergipe, destaca que ensinar os alunos sobre respeito mútuo, empatia, resolução de conflitos e comunicação não violenta são medidas essenciais. 

Ronney

Para Ronney Marcos Santos, “cabe ainda oferecer suporte psicológico tanto para alunos como para professores” (Foto: Arquivo pessoal)

“Vejo como importante também a criação de programas de conscientização sobre bullying e cyberbullying e outros tipos de violência, com rodas de conversas, depoimentos, discussões com toda a comunidade escolar com a mediação de profissionais especializados no tema”, complementa o professor de língua portuguesa. 

—–

Leia também

Cris Takuá: escola viva e os saberes indígenas invisíveis

No mundo das palavras, nem todos têm acesso à alfabetização

—–

Margareth de Brito Alves, é professora de português readaptada e atua na biblioteca do Centro Educacional (CED) 310, em Santa Maria, da rede pública de Brasília. A também colaboradora no projeto Escola Livre de Ódio, completa que a solução ou minimização do problema não é feita por um único profissional. “Algo importante é ouvir os estudantes e possibilitar o atendimento dos mesmos com profissionais de saúde a fim de fortalecer a saúde mental deles/as.”

 

Margareth

“Diversidade, contribui para que os jovens se sintam pertencentes aos diversos espaços escolares”, defende a professora Margareth Alves (Foto: Vinicius Bispo)

Outros caminhos

A educação midiática e a valorização da diversidade também são caminhos que podem ser escolhidos para o combate à violência escolar.

O professor de língua portuguesa aponta que com a forte desinformação e os discursos de ódio nas redes, a educação midiática tem um papel crucial nesse combate. 

“Quando ensinamos nossos alunos a analisarem de maneira crítica as informações que recebem e a identificar e combater a desinformação, estamos capacitando e tornando cada um deles multiplicadores nos espaços por onde eles circulam”, indica Ronney. 

Já ao fortalecer a diversidade, é possível criar um ambiente mais inclusivo e respeitoso, construindo uma cultura de tolerância e aceitação, “onde todos se sintam aceitos e valorizados independentemente de sua origem, raça, gênero, orientação sexual ou qualquer outra característica”, oriena Ronney. 

Saúde mental dos professores

Para combater a violência, os professores também precisam estar preparados psicologicamente. Margareth destaca que a saúde mental do professor fica fragilizada, considerando os casos de violência nas escolas, e isso acaba comprometendo o trabalho na escola.

“O profissional da educação tem uma ligação emocional com os estudantes e isso faz com que o trabalho seja comprometido quando ocorre algum tipo de violência”, destaca a professora. 

—–

Leia também

Combate à violência escolar: conheça o projeto da OAB de São José com escolas

Educação inclusiva: estratégias pedagógicas para promover a equidade

—–

A criação de um ambiente seguro e acolhedor para que o professor se sinta apoiado e tenha recursos para lidar com as situações de violência também é um ponto destacado por Ronney. 

“Vejo como necessário promover um ambiente seguro e acolhedor, onde todos nós possamos nos sentir apoiados e tenhamos recursos para lidar com situações de violência”, finaliza Ronney Marcos Santos. 

—–

Bett Brasil

*A Bett Brasil é o maior evento de educação e tecnologia na América Latina. Em 2024, acontece de 23 a 26 de abril, no Expo Center Norte, SP. E nós, da Educação, estamos fazendo uma cobertura especial. Clique aqui para ficar por dentro de tudo.

Nossa cobertura jornalística tem o apoio das seguintes empresas: Epson, International School, FTD Educação, Cricut e NR.

Acompanhe a programação completa da Bett Brasil: https://brasil.bettshow.com/agenda-online. 

—–

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

—-

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Maria Eugênia


Leia Bett Brasil

propósito

Propósito e missão para uma educação sustentável

+ Mais Informações
projetor-interativo-epson

Como tornar a tecnologia digital uma aliada do professor

+ Mais Informações
inteligência artificial

Ao contrário do Metaverso, inteligência artificial veio para ficar,...

+ Mais Informações
augusto-cury-intoxicacao-digital-

Intoxicação digital e o papel da escola, segundo Augusto Cury

+ Mais Informações

Mapa do Site