Um olhar sobre a inovação por meio das gerações

Regina Madureira discorre sobre os desafios de falar em inovar para um público moderno e disruptivo, como é a geração Z. O assunto é um esquenta para seu painel no GEE, em 10 de agosto, às 18h25, oferecido pela International School

Recentemente, um meme que nasceu, oriundo das redes sociais, tomou proporções gigantescas e passou a povoar os mais diversos cenários – de campanhas publicitárias, a esquetes de humor e roteiros de programas de TV. O conteúdo “viral” fazia uma série de comparações de costumes que a geração millennial fazia e que, aos olhos da geração Z, eram consideradas “cringe” (gíria adaptada do inglês e que significa ‘algo vergonhoso’).

Para falar sobre gerações, inovação e, é claro, processos educativos, o Grande Encontro da Educação 2021 receberá a gerente de publishing e qualidade na International School, Regina Madureira.

“Vamos trazer uma visão geral sobre as gerações, uma vertente sobre a educação e a inovação e uma reflexão sobre como trazer inovação nesse tema para a geração Z, que é tão única com suas características, desejos e anseios”, explica a palestrante.

Definições

De forma bem resumida, os millennials ou, então, geração Y, recebem esse nome por um viés da sociologia – e representam os nascidos após o início da década de 1980 até, aproximadamente, o final do século 20.

Naturalmente, são chamados de geração Z aqueles que nasceram entre o final da década de 1990, até 2010. Um grupo de pessoas com uma característica que faz toda a diferença: nasceram em uma sociedade que já era digital.

Esse tipo de conceituação norteará a fala de Madureira, cujo tema será, justamente, a provocação: Como ser inovador para quem nasceu na inovação? A educação e a geração Z.

“Espero ajudar a trazer luz a um assunto que precisamos discutir continuamente, que é a inovação em nossas práticas pedagógicas para engajar nosso público-alvo e fazer do processo de ensino e aprendizagem um sucesso para todos os envolvidos”, detalha.

As ferramentas digitais

Na visão da gerente, a pandemia do novo coronavírus acelerou processos em relação ao uso das ferramentas digitais. “A sociedade já as utilizava com algumas finalidades e o isolamento social enfatizou e, até mesmo, ampliou o uso das ferramentas para viabilizar ações que antes eram, primordialmente, presenciais”, observa.

Para Madureira, o conhecimento das mesmas foi ampliado de maneira exponencial e, até onde ainda não eram enfaticamente usadas, como na educação, as ferramentas digitais viabilizaram o acontecimento. “Agora vemos um movimento de aperfeiçoamento de uso, conhecimento de possibilidades e aplicação de novos recursos, diferentemente do que víamos no cotidiano”, detalha.

Será sob esse viés o painel da especialista, que deve jogar os holofotes sobre a necessidade do incentivo à inovação no contexto educacional e, por isso, entender as características geracionais passam a ser ponto fundamental no processo.

inovação gerações

Regina Madureira atua na área educacional há mais de 23 anos

Serviço

Como ser inovador para quem nasceu na inovação? A educação e a geração Z – oferecimento International School

Com Regina Madureira

Data e horário: 10 de agosto, às 18h25

Gratuito

Inscrições para garantir certificado:  www.grandeencontrodaeducacao.com.br

Link de acesso: https://www.youtube.com/watch?v=tOJMQV4ICfQ

Leia também

Boa formação docente inclui teoria e prática, mas também humanização e constância

Envie um comentário

Your email address will not be published.