NOTÍCIA

Formação docente

MEC determina que licenciaturas e pedagogia EAD deixarão de ser 100% online

Documento elaborado pelo Conselho Nacional de Educação acaba de ser homologado. Cursos terão que ofertar metade do horário na modalidade presencial

Publicado em 28/05/2024

por Redação revista Educação

Os cursos para formar professores na modalidade a distância não poderão ser mais 100% online. O Ministério da Educação (MEC) oficializou ontem, 27, pelo Diário Oficial da União, as novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) para a Formação Inicial de Profissionais do Magistério, determinando que os cursos EAD para essas áreas sejam 50% presenciais. A regra passa a valer para as licenciaturas, formação pedagógica para graduados não licenciados e de segunda licenciatura.

Brasileiros formados em licenciaturas/pedagogia a distância já chegam a 65%, enquanto a média dos outros cursos é de 31%, apontam dados do Inep. O documento elaborado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) e homologado agora pelo MEC (Resolução CNE/CP nº 4/2024) busca ser uma resposta a esse crescimento acelerado de professores concluintes na modalidade EAD — entre especialistas no setor, a visão de ‘barrar’ o EAD como a solução dos problemas não é aceita de forma unânime.

Leia mais sobre as novas diretrizes e as defasagens nas formações docentes clicando aqui (reportagem de nossa edição 303).

—–

Leia também

Licenciaturas a um passo de uma nova atualização curricular

Como criar o hábito de estar bem informado

—–

O que muda com a homologação

-Para formações com no mínimo quatro anos, das 3.200 horas, 1.800 horas deverão ser presenciais;

-Estrutura geral dos cursos terá que ser dividida em formação básica, formação específica da área de formação, estágio supervisionado e extensão;

-A carga horária mínima para a formação pedagógica de graduados não licenciados aumentou para 1.600 horas;

-A segunda licenciatura terá que ter carga horária mínima de 1.200 horas a 1.800 horas.

Os primeiros passos

O setor educacional aguardava desde o ano passado por uma resposta aos ‘rumos’ do EAD no país (leia aqui). Para alguns especialistas, a atitude do governo foi corajosa e demonstra comprometimento com a qualidade da educação brasileira. É o que analisa Amábile Pacios, presidente da comissão que elaborou o relatório das novas diretrizes homologado pelo MEC e presidente da Câmara de Educação Básica do CNE.

amabile e camilo

Membra do CNE, Amábile Pacios é coautora do documento que elimina cursos 100% online. Na imagem, com o ministro Camilo Santana (Foto: reprodução Fenep)

“O ministro da Educação foi assertivo em homologar o parecer do CNE. Com isso, traz mais objetividade na implantação desses cursos para nossos futuros professores”, comemora Amábile — o documento, cujos relatores foram Luiz Cury e Márcia Teixeira Sebastiani,, também membros do Conselho Nacional de Educação, foi aprovado sem alteração.

Fato é que qualquer decisão do ministro Camilo Santana implica em uma atitude política. “Tem que mexer nas feridas. Não dá para contorná-las. Algumas instituições de ensino superior não gostaram do limite de 50% para a presencialidade, mas uma hora é necessário tomar uma decisão que envolve ônus e bônus”, analisa Amábile Pacios.

Licenciaturas

A regra passa a valer para as licenciaturas, formação pedagógica para graduados não licenciados e de segunda licenciatura (Foto: Shutterstock)

Estudantes impactados

O Mapa do Ensino Superior no Brasil deste ano, elaborado pelo Semesp, entidade que representa as faculdades particulares, destaca que 48% dos licenciandos em EAD têm mais de 29 anos e que 42,2% são pretos e pardos (porcentagem maior que a de outros cursos).

—–

Leia também

Licenciaturas a distância estão em xeque. Governo deve mudar regras

Combater a desinformação passa por plataformas digitais transparentes, alerta líder da Unesco

—–

Questionada pela reportagem sobre o impacto na vida de estudantes EAD que tendem a adotar essa modalidade por ser a única opção, Amábile Pacios afirma: “temos que tomar uma decisão. Nesse caso, a decisão é pela qualidade da formação docente. Ao favorecer um grupo, podemos formar mal um professor que vai atuar na rede pública e privada. Formação de professor é o assunto mais sério e delicado do nosso país, e tem que ter parâmetro de qualidade”, conclui.

—–

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

—–

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Redação revista Educação


Leia Formação docente

formação EAD

Proibição de cursos EAD ignora estudantes cuja modalidade é a única...

+ Mais Informações
formação de professores

Novas Diretrizes para formação de professores e seus impactos na...

+ Mais Informações
TEA

Características do TEA que todo professor precisa conhecer

+ Mais Informações
combate ao racismo

Quais os caminhos para enfrentar o racismo nas escolas?

+ Mais Informações

Mapa do Site