Crianças informadas: o papel do impresso

A trajetória do jornal Joca, que completa 10 anos em novembro, e o desafio da revista Qualé, que ensaia os primeiros passos, lançada em 2020. Ambos voltados ao público infantil

Por que ler jornais ou revistas impressas é tão importante na formação das crianças? Segundo a educadora Cláudia Lima Gabionetta, elas já nascem no mundo digital. “É necessário algo concreto. O impresso pode rabiscar, ver de novo. O processo pedagógico precisa de crítica social. Então, nada melhor do que usar a notícia para criar uma visão crítica, quando se analisa o que foi noticiado.” Gabionetta, com experiência de 24 anos no Colégio Vera Cruz, de São Paulo, agora atua com notícias para as crianças. Hoje é consultora da revista Qualé, que circula em dezenas de escolas.

Leia: Como formar novos leitores

A psicóloga e socióloga Mônica S. Gouvêa, diretora educacional do jornal Joca, concorda inteiramente e diz que a divisão das notícias agrupadas em seções passa o sentido de organização. “A criança descobre seções preferidas, entende a função do jornal, ajuda a formar o hábito da leitura e da leitura de jornal. Dos seis aos 16 anos o concreto é necessário e o jornal possibilita um maior envolvimento com o portador.” Segundo Mônica Gouvêa, que atua na área da educação há 28 anos, o projeto pedagógico precisa ser crítico e social. “Ouvir a opinião de cada um é importante para formar a própria narrativa.”

Em comum, Joca e Qualé têm o fato de não se considerarem uma proposta pedagógica, mas cada matéria pode ser explorada pelos professores de áreas diversas. Ambos precisam de uma receita de circulação, e o Joca, depois de se consolidar em escolas privadas, busca agora a área pública, onde sua presença ainda é pequena. Qualé vai seguir o mesmo caminho.

revista Qualé impresso criança

Sócias da Qualé. Da esq. para a dir. Maria Clara Cabral, Cinthia Behr e Fabrícia Peixoto (foto: divulgação)

Informação ainda é solução

Numa família com pai e mãe jornalistas é normal que os filhos fiquem mais ligados àquilo que se fala a todo momento em casa: notícias. Fabrícia Peixoto, mãe de duas crianças, de seis e 10 anos, aos poucos foi percebendo que elas apareciam com informações truncadas. “Mãe, o Neymar vai ser preso”, e muitas outras.

Entendendo que se isso acontecia em sua casa, achava que todas as famílias sofriam essa história de notícias distorcidas. Não demorou para nascer a ideia de uma revista para crianças.

Leia: As inspirações de quem brinca com o imaginário das crianças

Qualé foi lançada em janeiro de 2020, depois de Peixoto ter procurado a amiga e também jornalista Maria Clara Cabral, que por sua vez trouxe outra amiga, a designer Cinthia Behr, que fez toda a programação visual, inclusive o belo site. Essas conversas duraram quatro meses, mas talvez devessem ter durado um ano e quatro meses, assim teriam pulado o ano da pandemia. Lançada em janeiro, em fevereiro “parecia que tinham tirado nosso chão”, diz Fabrícia Peixoto.

Firmeza nos desafios

Fazer uma revista impressa é um desafio, que o diga esta Educação com seus 24 anos.  No mundo, as revistas continuam impressas e com versões digitais, tendo sofrido uma transformação em publicidade, mas tem um público que financia a operação com assinatura.

O desafio da Qualé é aguentar esse 2021 com ensino híbrido, na melhor das hipóteses, e se o MEC não atrapalhar. Peixoto e suas sócias fizeram muitas pesquisas para saber o que há no mundo nesse gênero. É pouco, mas tem. Elas se basearam na revista Time for Kids, da organização Time nos Estados Unidos.

Fabrícia Peixoto acha que essa fase será um teste. Estão usando o site e a plataforma de livros e revistas Árvore de Livros. O conteúdo é bem cuidado pelas jornalistas sócias que se valem na reunião de pauta da colaboração da consultora pedagógica Cláudia Gabionetta, em temas mais delicados. A revista terá 19 edições no ano com o custo do exemplar de R$ 9,90. Já a assinatura digital terá um preço diferenciado.

jornal Joca impresso para crianças

30 mil exemplares do Joca são distribuídos quinzenalmente para os pequenos (foto: divulgação)

Com propósito

A alemã Stéphanie Habrich tem uma obsessão: colocar o jornal infantil Joca, no qual é diretora executiva, na mão de toda criança. Antes de completar 10 anos, já chegou a 30 mil exemplares, toda quinzena. “A maioria das pessoas não entende que criança tem que ler jornal. Uma pessoa bem informada muda o mundo, e para isso acontecer tem que começar desde cedo”, diz.

Assista: Contadora de histórias mirim entrevista escritor Ilan Brenman

Num jornal de 12 páginas e um encarte de quatro páginas em inglês, Habrich já sensibilizou 300 escolas, número invejável. Segundo ela, na França existem mais de 300 publicações periódicas para crianças.

Stéphanie Habrich nasceu na Alemanha e com seis anos veio ao Brasil. Cursou administração na Fundação Getulio Vargas – FGV e morou ainda, por dez anos, em Nova York, onde fez mestrado em relações internacionais na Columbia University.

Diferenciais

Cerca de 80% dos leitores do Joca são alunos cujos pais recebem na lista de compra o jornal. Os demais, segundo ela, são “pais inteligentes, que assinam para seus filhos, independentemente de a escola indicar ou não”. A missão de Stéphanie Habrich é buscar as escolas públicas, onde já tem secretarias de educação como clientes. “Não dá para pensar o Brasil se a escola pública não estiver contemplada”, defende.

No prefácio do livro Uma jornada com propósito, lançado em dezembro, e que conta a história e o dia a dia do Joca, o jornalista Sérgio Dávila, diretor de redação do jornal Folha de S.Paulo,  diz que três aspectos o atraíram: “o didatismo; o fato de ser um produto impresso, como são os cadernos, os livros, os diários com que as crianças convivem na escola, o que torna o consumo do Joca natural para elas; e a falta de viés do noticiário apresentado para os pequenos leitores”.

Para saber mais acesse www.jornaljoca.com.br e www.revista.quale.com.br.

Leia também:

Um dos criadores do Pisa analisa o investimento público em educação no Brasil

Por uma pedagogia das mídias

 

Envie um comentário

Your email address will not be published.