NOTÍCIA

Gestão

Já que vamos reabrir escolas, os professores estão bem?

Enquanto as autoridades pressionam para reabrir os ambientes educacionais, especialistas pedem aos estados que considerem a saúde mental dos educadores

Publicado em 30/09/2020

por The Hechinger Report

Depressed woman standing by the window and looking outside Foto: Envato Elements

Por Jackie Mader, EUA*: Em Jefferson e Rapides, na Louisiana, Estados Unidos, mais da metade dos professores de ensino fundamental que foram pesquisados recentemente estão ganhando menos do que antes da pandemia do coronavírus. Mais de 40% sofrem de insegurança alimentar. 85% dos professores temem que as crianças venham para a escola doentes e mais da metade teme que tenham de ir trabalhar enquanto estiverem doentes. E quase um em cada cinco gastou seu próprio dinheiro em suprimentos como máscaras faciais e materiais de limpeza. Todo esse estresse está afetando os professores: quase 40% dos que responderam relataram sinais clinicamente relevantes de depressão.

Leia: Projeto oferece atendimento gratuito com psicólogos e psicoterapeutas a educadores

Essas descobertas, publicadas em um novo relatório da EdPolicyWorks da Universidade da Virgínia e da Escola de Pós-Graduação em Educação e Estudos da Informação da UCLA, estão focadas na Louisiana, mas refletem preocupações de todo o país. Como as creches foram reabertas, os educadores estão enfrentando o estresse de novas regulamentações estaduais de saúde e segurança, surtos contínuos da covid-19 e preocupações financeiras sobre a viabilidade dos negócios onde trabalham. No entanto, muitos educadores da primeira infância não têm escolha a não ser retornar aos seus empregos. “Eu provavelmente poderia morrer se voltasse a trabalhar”, disse um professor de Louisiana.

professores saúde mental

Foto: Envato Elements

Olhar para os educadores também é essencial

À medida que a administração Trump pressiona os estados a abrirem escolas, os educadores do ensino fundamental e médio em breve enfrentarão muitas das mesmas preocupações de seus colegas da primeira infância. E muitos já estavam lidando com desafios de saúde mental: apenas um mês depois do fechamento das escolas, os professores já relatavam que se sentiam exaustos e estressados.

Especialistas dizem que é por isso que é fundamental que a conversa para reabrir as escolas considere a saúde mental dos professores e reconheça o que eles enfrentarão ao entrar na sala de aula.

“É urgente agora que não estamos apenas rastreando a carga de trauma dos professores, mas também reconhecendo que eles passarão por uma grande quantidade de trauma vicário”, disse Michelle Kinder, uma conselheira profissional licenciada que recentemente escreveu um livro sobre como diminuir o estresse crônico para professores. Além de experimentar o próprio trauma da pandemia do coronavírus, Kinder diz que os professores também sofrerão estresse adicional ao apoiarem seus alunos. “Vamos ver isso acontecer enquanto [os professores] controlam a tensão, o estresse, a tristeza e a ansiedade de seus alunos.”

A pesquisa mostra que o estresse do professor pode contribuir para as baixas taxas de retenção de professores e afetar as relações professor-aluno. Cerca de 20% dos educadores em todo o país entrevistados no final de maio disseram que dificilmente retornariam a lecionar se as escolas fossem reabertas no outono.

Leia: Pandemia reforça importância da escola

Suportes

Para apoiar melhor os professores que retornam, os especialistas dizem que as escolas precisam incluir a saúde mental e o bem-estar dos professores em seus planos de reabertura, independentemente de serem presenciais ou online. “As escolas precisam olhar para seus planos estratégicos para o outono e depois fazer uma reformulação”, disse Kevin Baird, presidente do Global Center for College & Career Readiness e um dos coautores de Kinder. Os professores devem se sentir seguros e ter as ferramentas de que precisam para atender às necessidades sociais e emocionais de seus alunos.

Novos suportes para professores devem ir muito além das máscaras e escudos, disse Jamie Candee, CEO da Edmentum, uma plataforma de aprendizagem online. Alguns distritos já deram alguns passos, como incentivar os professores a tirar dias de folga para cuidar de si mesmos e estabelecer limites entre o trabalho e a vida pessoal.

Aliás, outros distritos forneceram grupos de apoio virtual a professores que são acompanhados por conselheiros de saúde mental. E as plataformas online podem ajudar a apoiar esses esforços, disse Candee. A Edmentum treina consultores que trabalham com professores que usam sua plataforma em “suportes holísticos”, o que significa reservar um tempo durante as sessões de desenvolvimento profissional para reflexão pessoal, incentivando os professores a reservar um tempo para si próprios e pedindo aos professores para discutirem seus pensamentos e medos sobre suas salas de aula.

Leia: Disciplina Positiva: conheça os princípios dessa abordagem socioemocional

Esforços

Candee disse que esses tipos de etapas são importantes para ajudar os professores que trabalham com alunos de todas as idades a se sentirem seguros e mais capazes de se conectar com seus alunos. “Não se trata apenas do tamanho da classe, não se trata apenas do nível de remuneração, não é o número de horas de desenvolvimento profissional”, disse ela. “Será que realmente nos importamos com eles como uma pessoa inteira?”

Para os educadores da primeira infância, muitos dos quais já voltaram às suas salas de aula trabalhando com os alunos por várias semanas após o fechamento, a necessidade de iniciativas semelhantes, e até mesmo serviços básicos de saúde, é terrível, concluiu o relatório da Louisiana. 20% dos professores de creche entrevistados não têm seguro saúde e quase 75 % dos professores não têm licença médica.

E igualmente importantes são os esforços para abordar os desafios de saúde mental e sintomas depressivos que os professores estão relatando, escreveram os autores do relatório. “Esses desafios, se não enfrentados, terão implicações de longo prazo para esses professores, para as crianças que cuidam e educam, e para a sociedade.”

Esta matéria foi produzida pelo The Hechinger Report, uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos nos EUA, focada na desigualdade e inovação na educação.

Leia também:

Indígena Ailton Krenak reflete sobre o coronavírus em ebook gratuito

Educação especial inclusiva ainda é um desafio

Autor

The Hechinger Report


Leia Gestão

cultura organizacional

Propósito como eixo para a cultura organizacional escolar

+ Mais Informações
inclusão escolar

Inclusão escolar: como identificar e quebrar barreiras

+ Mais Informações
reeducação ambiental

Educar e reeducar o planeta para viabilizar o futuro

+ Mais Informações
educação ambiental

Caminhos para gestores e professores implantarem a educação ambiental em...

+ Mais Informações

Mapa do Site