Creches da periferia de SP recebem formação virtual de combate ao racismo

Iniciativa engloba cinco instituições infantis. Entre os objetivos está o reconhecimento da cultura negra como parte da história e identidade do Brasil

Equipes de cinco creches periféricas da capital paulista, localizadas em Santa Bárbara, Vera Cruz, Riviera, Eldorado e Paraisópolis, começaram hoje um curso a distância sobre combate ao racismo. Com o tema Educação para igualdade: por uma infância sem racismo, a historiadora do Centro de Memória Bunge, Viviane Lima de Morais, é a responsável pelo treinamento junto à intermediadora Daiana Alves, coordenadora institucional do Instituto Pro Rei — entidade que coordena, em parceria com a prefeitura, as cinco creches e que, juntas, atendem aproximadamente mil crianças. Após o término da formação, os cerca de 80 participantes receberão certificado da Fundação Bunge.

Leia: Três romances de autores africanos recentemente publicados no Brasil

creche racismo

Foto: Shutterstock

A historiadora Viviane ressalta que abordar esse tema com educadores é fundamental para a descoberta de caminhos que visem uma educação antirracista e de qualidade, com uma metodologia baseada no conhecimento e na valorização da história e da cultura negra como formadora do Brasil. “Só assim poderemos formar crianças e, futuramente, jovens que serão agentes da mudança em direção a um futuro equânime, no qual todos os grupos raciais, em especial o de maior número no Brasil, não serão alvo de práticas racistas e segregadoras em nenhum espaço social. Precisamos, por fim, instrumentalizar as crianças negras (pretas e pardas) com o reconhecimento de sua identidade de forma que valorizem sua ancestralidade, seus corpos e seus direitos”, defende.

Leia também:

Obra da primeira mulher brasileira a publicar romance é destaque entre editoras

Brasil, um país que não reconhece sua riqueza: a pluralidade dos povos indígenas

Envie um comentário

Your email address will not be published.