/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Gestão

MEC e Unesco discutem caminhos para a educação infantil

Simpósio da Fundação Bracell ressalta a importância do fortalecimento das políticas públicas, do desenvolvimento de lideranças e de investir na formação integral das crianças

Publicado em 28/06/2024

por Redação revista Educação

A 1ª edição do Simpósio de Educação Infantil da Fundação Bracell, entidade filantrópica com propósito de alavancar o poder transformador da educação no Brasil, aconteceu nesta quinta-feira, 27. Com a participação de grandes nomes que atuam com pesquisa e políticas públicas de educação infantil, como J-Pal, Unesco, MEC, Undime, Consec, Consed, USP, UFPR, FGV, Instituto Singularidades, Fundação Carlos Chagas, movimento Todos Pela Educação entre outros, a iniciativa abordou as evidências sobre os impactos da educação infantil de qualidade no desenvolvimento e aprendizagem das crianças e a urgência dos investimentos em educação infantil e pré-escola.

“Queremos que todos saiam desse Simpósio com um senso da importância de avançarmos na educação infantil. É preciso olhar para acesso e qualidade com foco no hoje. Se oferecermos uma educação infantil de qualidade atendendo, principalmente, as nossas crianças em situação de maior vulnerabilidade, esses indivíduos poderão atingir seu pleno potencial”, defendeu o diretor-presidente da Fundação Bracell, Eduardo Queiroz.

—–

Leia também

Investimento na educação infantil impacta toda a trajetória de vida, argumenta Nobel de Economia

Bernardete Gatti: Não podemos confundir educação com ensino

“Sem os professores não teremos futuro”, alerta Angela Davis em passagem ao Brasil

—–

Em sua palestra, a ganhadora do Nobel de Economia e cofundadora do Centro de Pesquisas J-PAL (Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab), Esther Duflo, ressaltou que o desenvolvimento de um país depende da qualidade da educação dada as suas crianças e jovens. O centro J-Pal em parceria com a Fundação Bracell iniciou o mapeamento iniciativas que melhorem a aprendizagem de crianças na pré-escola (quatro e cinco anos idade) no Brasil para, em uma segunda etapa do projeto, replicar aquelas que tiveram sucesso em São Paulo, Bahia e Mato Grosso do Sul.

Ainda durante o evento, foi apresentada por Carolina Belalcazar Canal, especialista em educação no Escritório Regional da Unesco no Uruguai, a Declaração de Tashkent, que visa reafirmar o direito de todas as crianças à educação infantil e aos cuidados na primeira infância de qualidade, além de “renovar e reforçar o compromisso e a ação política, e mobilizar ainda mais os Estados-membros e a comunidade internacional para desenvolver políticas e programas de educação infantil inclusivos e com base em direitos; implementar sistemas e parcerias multissetoriais para a educação infantil eficazes e responsáveis; e aumentar o investimento equitativo e eficaz na educação infantil, incluindo a ajuda oficial ao desenvolvimento (AOD), como parte essencial e integrada das estratégias para promover a aprendizagem ao longo da vida, o desenvolvimento sustentável e a igualdade de gênero”.

—–

Leia também

“Sem os professores não teremos futuro”, alerta Angela Davis em passagem ao Brasil

Agora é lei: toda escola pública deverá ter uma biblioteca

—–

O Simpósio contou com a presença de autoridades do Ministério de Educação (MEC), como Alexsandro Santos, diretor de políticas e diretrizes da educação integral básica, que destacou a importância de avançar na avaliação na educação infantil para enfrentar a desigualdade, qualificar os serviços e investir nas melhores alternativas. Por sua parte, Rita Coelho, coordenadora-geral de educação infantil na pasta, apresentou o recente processo, coletivo e democrático, de definição de parâmetros de qualidade que aguarda regulamentação do Conselho Nacional de Educação.

Voltada a pesquisadores, gestores públicos e de organizações do terceiro setor, a programação também promoveu discussões sobre os desafios da implementação das políticas públicas de educação infantil. “Estamos muito satisfeitos com a integração promovida pelo 1º Simpósio da Fundação Bracell, que reuniu importantes atores interessados em ampliar a qualidade da educação infantil no Brasil. Junto com instituições de relevância, como a Unesco, buscaremos explorar caminhos para o alcance das metas da Agenda 2030, especialmente do ODS 4”, afirma Eduardo de Campos Queiroz, diretor presidente da entidade.

O Simpósio contou ainda com a participação de Rebeca Otero (Unesco Brasil),  Gabriel Corrêa (Todos Pela Educação), Aléssio Costa Lima (Undime), Eliana Bhering (Fundação Carlos Chagas), Lucimar Dias (UFPR), Bárbara Born (Instituto Singularidades), Bernadete Gatti (IEA/USP), Claudia Lagos (Ministério da Educação do Chile), Mozart Ramos (IEA/USP), Frederico Amâncio (SME Recife/ Consec), Helio Queiroz Daher (SEE Mato Grosso do Sul/Consed), Henrique Paim (Fundação Getulio Vargas) e Marcia Campos (Associação Bem Comum). 

O evento marca a estreia da Fundação Bracell, que terá como principal pilar de atuação a educação infantil, além de apoiar parceiros que estão no campo da primeira infância e do desenvolvimento de lideranças. A instituição já tem parcerias com instituições renomadas, como Todos Pela Educação, J-Pal, Insper e Unicef, e busca atuar em colaboração com governos, outras entidades do terceiro setor e universidades.

“Há um conjunto robusto de evidências comprovando que uma educação infantil de qualidade pode transformar positivamente a vida de uma pessoa, por isso trabalhamos para o fortalecimento das políticas públicas para esta etapa, especialmente a pré-escola. Um de nossos objetivos, por meio de pesquisas e avaliação, é identificar soluções promissoras para melhorar a aprendizagem de nossas crianças”, destaca Eduardo de Campos Queiroz, diretor presidente da Fundação Bracell.

Queiroz completa: “A partir disso, o nosso desafio será, em conjunto com governos municipais e estaduais, buscar dar escala a estas soluções sempre buscando que as crianças brasileiras alcancem o seu pleno potencial”. Os pilares de atuação da Fundação Bracell estão alinhados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). 

fundação bracell

Da esq. para a dir. representantes do J-Pal, Fundação Tanato; Unesco Brasil, Unesco Uruguai, Fundação Bracell e Cátedra da USP (Foto: Fundação Bracell)

*Nomes das pessoas que estão na foto:

– Priscila Costa, gerente de políticas e pesquisa no J-Pal

– Benny Lee, CEO Fundação Tanoto

– Rebeca Otero, coordenadora de educação da Unesco no Brasil

– Carolina Belalcazar Carnal, especialista em educação do escritório regional da Unesco Uruguai

– Eduardo Queiroz, CEO Fundação Bracell

– Mozart Ramos, Titular da Cátedra Sérgio Henrique Ferreira do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de SP (USP)

—–

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

—–

Escute nosso podcast:

Autor

Redação revista Educação


Leia Gestão

5 Emergência Botos (02-10) - Miguel Monteiro (3)

Mudanças climáticas: agir na comunidade, entrando pela escola

+ Mais Informações
cyberbullying

Como as escolas podem lidar com o cyberbullying

+ Mais Informações
democracia

Democracia se aprende na escola

+ Mais Informações
fundação bracell

MEC e Unesco discutem caminhos para a educação infantil

+ Mais Informações

Mapa do Site