/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Políticas Públicas

Investimento na educação infantil impacta toda a trajetória de vida, argumenta Nobel de Economia

Em diálogo com outros pesquisadores, Esther Duflo defende que educação infantil de qualidade deve ser meta de políticos, famílias e escolas

Publicado em 28/06/2024

por Maria Eugênia

A qualidade da educação infantil traz impactos na taxa de escolaridade, socialização, desenvolvimento e empregabilidade dos futuros adolescentes e adultos. É o que argumenta a francesa-estadunidense Esther Duflo, vencedora do Prêmio Nobel de Economia em 2019 e cofundadora do centro de pesquisas do Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab (J-Pal). 

Esther que é professora no Departamento de Economia do Massachusetts Institut of Technology (MIT), nos EUA, participou virtualmente da palestra Intervenções de alto impacto na educação infantil, durante o 1° Simpósio Internacional de Educação Infantil da Fundação Bracell, que aconteceu nesta quinta-feira, 27, no Insper, em São Paulo. O evento contou com o apoio do J-PAL, Insper e Cátedra Sérgio Henrique Ferreira da USP de Ribeirão Preto, e a cooperação da Unesco. 

—–

Leia também

Bernardete Gatti: Não podemos confundir educação com ensino

“Sem os professores não teremos futuro”, alerta Angela Davis em passagem ao Brasil

—–

Impactos da educação infantil  

De acordo com suas pesquisas feitas ao redor do mundo — às quais dialogam com estudos de outros pesquisadores, inclusive brasileiros —, Esther aponta que os primeiros anos de vida das crianças possuem impactos durante a sua vida toda. Nos Estados Unidos, por exemplo, o acesso à educação infantil diminui dados de crime e impacta positivamente na socialização. 

Esther Duflo foi a pessoa mais jovem a ganhar um Nobel, na época com 46 anos, e a segunda mulher a ser premiada. Para ela, o trabalho feito na educação infantil só gera impactos positivos no futuro se ele é desenvolvido não só dentro da escola, mas também nas casas, nos relacionamentos das crianças com os adultos. “Esse trabalho precisa ser feito em vários níveis de educação”, aponta Duflo.

Esther Duflo

A solução sustentável para o problema existente na educação deve ser feita em parceria com as famílias, políticos e professores, de acordo com Ester Duflo (Foto: revista Educação)

Educação infantil no Brasil

Com mediação de Cristine Pinto, professora titular do Insper, o painel com Esther contou com a participação presencial de Alexsandro dos Santos, diretor de políticas e diretrizes da educação integral básica do Ministério da Educação (MEC).

Alexsandro dos Santos alerta que hoje é comum ter pesquisas sobre educação olhando para a frente, porém, há impactos na vida de um bebê no agora. “O tempo da criança é hoje, amanhã é muito tarde”. Ele completa: “Não basta termos creches e pré-escolas, isso é fundamental, mas se a gente não tiver outras garantias que fazem parte do desenvolvimento da criança e dos bebês, o impacto será menor”.

Outro ponto alertado por Alexsandro dos Santos é o de que, por mais que o atendimento à creche esteja estabelecido, esse pode estar modelado para algumas crianças, mas não todas, como as surdas, indígenas e imigrantes, que necessitam de outro tipo de linguagem e acolhimento. 

“Se a criança não chegou à creche, quais outros serviços estão sendo negados e quais outros direitos estão sendo violados?”, questiona Alexsandro. 

—–

Leia também

António Nóvoa: aprendizagem precisa considerar o sentir

Fazer docente: é preciso liberdade para o educador explorar e criar

—–

Romper barreiras

De acordo com o representante do MEC, é preciso fazer mais pesquisas com crianças e bebês, e avaliar o serviço que está sendo ofertado na educação infantil, fazer isso pode trazer recomendações para dilemas da educação pública. 

O problema da educação infantil é tratado, mas ele não é solucionável. Toda vez que superamos desafios e evoluirmos, surgirão outros problemas, aponta Alexsandro. 

Alexsandro

“Se a criança não está nem na creche, quais outros serviços estão sendo negados e quais outros direitos estão sendo violados?”, questiona Alexsandro (Foto: revista Educação)

Como ampliar recursos à disposição da educação infantil? Como a gente avalia a qualidade do gasto feito pelas redes de ensino? Onde é mais importante alocar esses recursos?, são questionamentos trazidos pelo diretor do MEC. 

Sobre o impacto do racismo estrutural na formação dos bebês e crianças, Alexsandro dos Santos adianta que o MEC está fazendo um mapeamento para construir políticas e interagindo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira  (Inep) para que o elemento raça seja considerado nas avaliações.

—–

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

—–

Escute nosso podcast:

Autor

Maria Eugênia


Leia Políticas Públicas

inteligência artificial na educação

Ética e privacidade dos dados da inteligência artificial na educação

+ Mais Informações
Novo Ensino Médio

Deputados aprovam mudanças no Novo Ensino Médio. Agora vai?

+ Mais Informações
Esther

Investimento na educação infantil impacta toda a trajetória de vida,...

+ Mais Informações
Novo Ensino Médio

Novo Ensino Médio aprovado no Senado: Enem não terá itinerários...

+ Mais Informações

Mapa do Site