ARTIGO

Olhar pedagógico

Nos EUA, desempenho dos alunos está aquém do esperado

Por Jill Barshay*: O que sabemos sobre como as crianças estão se atualizando na escola à medida que a pandemia se arrasta? A boa notícia é que, de acordo com os últimos dados, o aprendizado foi retomado em um ritmo mais típico durante o ano […]

Publicado em 23/09/2022

por The Hechinger Report

Destaque

Por Jill Barshay*: O que sabemos sobre como as crianças estão se atualizando na escola à medida que a pandemia se arrasta? A boa notícia é que, de acordo com os últimos dados, o aprendizado foi retomado em um ritmo mais típico durante o ano letivo de 2021-22 que acabou de terminar. Apesar das ondas Delta e Ômicron que colocaram muitos alunos e professores em quarentena e interromperam a escola, as habilidades de matemática e leitura das crianças melhoraram tanto quanto nos anos anteriores à pandemia.

“A grande conclusão é que o aprendizado reflete as tendências pré-pandemia”, disse Karyn Lewis, pesquisadora da NWEA (Northwest Evaluation Association, traduzida como Associação de Avaliação do Noroeste), que vende avaliações para escolas acompanharem o progresso dos alunos.

Lewis analisou como o desempenho dos alunos melhorou entre as avaliações do outono e da primavera, chamadas Measures of Academic Progress (medidas de processo acadêmico) ou MAP, feitas por oito milhões de crianças do ensino fundamental e médio em todo o país. “Em alguns casos, o crescimento é um pouco mais do que um ano típico, talvez um aumento de 6%. É muito pequeno.”

———

Leia: 20% das crianças estão em níveis de risco e atenção

———

Por causa desses pequenos aumentos na taxa de aprendizado, alguns alunos conseguiram compensar até um quarto ou um terço da chamada perda de aprendizado, que sofreram durante o fechamento das escolas e com o ensino remoto de 2020 e 2021. Mas mesmo com esses ganhos, o desempenho dos alunos ainda fica muito atrás do que as crianças de cada série costumavam demonstrar antes da pandemia.

Recuperação lenta: as pontuações de leitura e matemática se estabilizam e começam a se recuperar para muitos alunos. As notas de matemática continuam caindo para os alunos do ensino médio

“Se as melhorias continuarem na taxa que vimos este ano, o cronograma para uma recuperação completa está a anos de distância e provavelmente se estenderá além da disponibilidade de fundos federais de recuperação”, escreveu a NWEA em um comunicado à imprensa que acompanha um relatório de perda de aprendizado divulgado em 19 de julho de 2022. Dependendo da nota e da disciplina do aluno, a NWEA estimou a recuperação em um ou dois anos, mas ultrapassando cinco anos em alguns casos.

Crescimento na aprendizagem muito pequeno, pontua Karyn Lewis, pesquisadora da NWEA
Foto: reprodução

Uma boa analogia é uma viagem pelo país. Imagine que os alunos estivessem viajando a 55 milhas por hora, ficassem sem gasolina e começassem a andar. Agora eles estão de volta em seus carros e cantarolando a 55 milhas por hora novamente. Alguns estão viajando a 100 quilômetros por hora, mas ainda estão longe do destino ao qual teriam chegado se não tivessem ficado sem gasolina. É essa distância do destino que os educadores estão descrevendo quando falam sobre a perda de aprendizagem. 

———

Leia: Salada pedagógica

———

Um grupo de economistas estudou os dados de desempenho da NWEA no pico da perda de aprendizado na primavera de 2021 e estimou que os alunos da 4ª e 5ª séries ficaram de oito a 10 semanas atrasados ​​em leitura e matemática, respectivamente. Com base na recuperação subsequente que a NWEA documentou na primavera de 2022, os alunos do ensino fundamental podem estar de seis a sete semanas atrasados. 

No entanto, alguns grupos de alunos, especialmente os do ensino médio, não tiveram um progresso tão bom. Os alunos que concluíram a 8ª série na primavera de 2022 ficaram 18% mais atrasados ​​em matemática em comparação com 2021. Isso sugere que suas perdas de aprendizado de matemática podem ter aumentado de 19 semanas para 23 semanas – quase seis meses atrás – quando iniciam o ensino médio no outono. Os alunos da 7ª série também não fizeram nenhum progresso em matemática.

“Os alunos do ensino médio estão onde vemos mais estagnação”, disse Lewis. “É certamente preocupante. Essas são as crianças com o roteiro mais longo para acompanhar.”

Com base na taxa de recuperação atual, a recuperação total para os níveis de conquista pré-pandemia variam de acordo com a série e as disciplinas

desempenho dos alunos

Colocar as crianças de volta nos trilhos academicamente é sem dúvida um dos desafios mais importantes que a nossa nação enfrenta agora. Os custos econômicos e sociais de longo prazo são enormes se falharmos. Um grupo estimou que a economia dos EUA poderia perder mais de US$ 128 bilhões por ano, outro temia que a geração atual de estudantes corresse o risco de perder US$ 2 trilhões em ganhos ao longo da vida.

Esse relatório não aborda o porquê ou como alguns alunos se recuperaram enquanto outros caíram ainda mais. Os alunos da 8ª série estavam na 6ª série quando a pandemia atingiu pela primeira vez a primavera de 2020 e sua saúde mental pode ter sido mais afetada pelo isolamento pandêmico. Ao mesmo tempo, o material que os alunos precisam aprender no ensino médio é mais complexo e a taxa de aprendizado diminui.

———

Leia: Depressão e ansiedade presentes em 70% dos jovens paulistas

———

Os alunos da 3ª série apresentaram um progresso mais lento na leitura do que os alunos da 4ª e 5ª séries. Esses alunos da 3ª série estavam na 1ª série quando a pandemia surgiu em 2020 e estavam apenas aprendendo a ler. Com base em sua taxa de progresso, a NWEA estima que levará mais de cinco anos para recuperar o atraso. Os alunos da 3ª série foram os mais jovens analisados ​​nesse relatório, que rastreou apenas crianças que já estavam matriculadas na escola antes da pandemia para medir as perdas de aprendizado. Não sabemos a partir do relatório se crianças ainda mais novas estão sofrendo mais.

desempenho dos alunos
Desempenho dos alunos/
Foto: envato elements

Estudantes de baixa renda pareciam fazer tanto progresso no desempenho quanto estudantes de renda mais alta. Por exemplo, alunos da 5ª série em escolas de alta pobreza e escolas de baixa pobreza melhoraram em nove pontos nos testes de matemática. Mas as crianças de baixa renda, que já estavam atrasadas antes da pandemia, perderam mais terreno e suas diferenças de desempenho com crianças de renda mais alta ainda são gigantescas. 

Também não se pode dizer a partir desse relatório quais intervenções de recuperação, como tutoria e escola de verão, levaram a um melhor progresso de aprendizagem. A NWEA está trabalhando com pesquisadores externos e deve publicar seu primeiro relatório ainda este ano. Talvez esses relatórios possam ajudar a esclarecer as melhores maneiras de ajudar as crianças que estão atrasadas a recuperar o atraso – haja uma pandemia ou não.

*Esta história sobre perda de aprendizado foi escrita por Jill Barshay e produzida pelo The Hechinger Report, uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos focada em desigualdade e inovação na educação nos Estados Unidos

Leia também:

Líderes escolares que olham para o futuro devem enxergar a covid como uma constante

Autor

The Hechinger Report


Leia Olhar pedagógico

neurociências

Neurociências: o perigo das receitas prontas na aprendizagem

+ Mais Informações
saberes indígenas

Cris Takuá: escola viva e os saberes indígenas invisíveis

+ Mais Informações
Sustentabilidade

Mais que aprender, vivenciar

+ Mais Informações
Aluna matemática

Aprende mais quem aprende matemática de forma cooperativa

+ Mais Informações

Mapa do Site