Líderes escolares que olham para o futuro devem enxergar a covid como uma constante

Se preparar para o imprevisto é uma norma

Por Javeria Salman do The Hechinger Report nos EUA* | Quando essa pandemia vai acabar? É a pergunta na mente de todos. Mas e se não acabar? Muitos especialistas preveem que o vírus circulará de alguma forma no futuro próximo. Seja uma pandemia ou uma mudança climática, o futuro da educação parece uma disrupção. Como, então, as escolas planejam esse futuro sombrio?

Na Carolina do Norte, Estados Unidos, Andrew Smith, diretor administrativo e de planejamento estratégico do Distrito Escolar de Rowan-Salisbury, vem pensando nessa questão há algum tempo. Seu cargo pode existir em muitos distritos, mas poucos funcionários da escola com esse título passam seus dias como ele: focado em como ajudar seu distrito a inovar e se preparar para uma infinidade de incógnitas, incluindo desastres.

Líderes escolares
Dewayne J.McClary: “líderes devem compartilhar o trabalho de pensar no futuro”
Foto: Reprodução

“Isso pode ser ousado e um tanto controverso, então vou apenas dizer: apenas reconheça a covid como uma constante”, diz Andrew. “E que talvez não vá embora. ”Seu trabalho é ser a pessoa “que meio que obtém inovação e disrupção. Ter alguém exclusivamente dedicado a esse espaço é importante”, afirma. “Quem em sua equipe está acordando pensando no futuro da educação todos os dias e como chegaremos lá?”

Andrew conta que, uma vez que os líderes escolares possam aceitar que o vírus será uma constante, eles podem se preparar para interrupções contínuas. “É normalmente quando a mente humana assume o controle. Restrições… é quando os humanos começam a resolver. Reconheça e comece a resolvê-lo, como se você tivesse que resolvê-lo para sempre”, completa. 

———

Leia: Desafios da educação e como superá-los no pós-pandemia

———

Os preparativos de Andrew Smith começaram antes mesmo de a variante ômicron ter um nome. No ano passado, o Distrito Escolar Rowan-Salisbury lançou as bases para a metamorfose da pandemia, tirando a poeira de alguns de seus planos anteriores e revisando o que funcionou melhor para os alunos nos últimos 18 meses. Enquanto outros distritos se esforçam para realizar testes de covid em casa e lidar com a escassez de pessoal, Smith disse que seu distrito já construiu sistemas, caso seus alunos tenham que ficar remotos novamente. 

O distrito está continuando a instrução presencial, por enquanto. Mas, se o conselho escolar pedir o fechamento, o distrito está pronto para relançar seu modelo de ensino híbrido, com Dias A/B, em que metade da população estudantil frequenta a escola presencialmente às segundas e terças-feiras. “Tivemos um dia de bem-estar de limpeza na quarta-feira. E então quinta e sexta foram o dia B”, explica Andrew.

“A pandemia nos ensinou muito sobre modalidades de aprendizagem”, acrescentou. A equipe do distrito aprendeu que a escola totalmente remota não funcionava para crianças ou educadores. “E sabemos, neste momento, como podemos voltar ao [aprendizado misto] se for necessário. Nossa equipe é… felizmente ou infelizmente, treinada para poder voltar a eles rapidamente.”“A pandemia nos ensinou muito sobre modalidades de aprendizagem”, acrescentou. A equipe do distrito aprendeu que a escola totalmente remota não funcionar no futuro”

Líderes escolares
Estudantes do Henderson Independent High School criando pinturas e monólogos em aquarela
Foto: Reprodução/Rowan-Salisbury

Os especialistas preveem que, à medida que os distritos planejam uma infinidade de desafios no futuro, eles precisarão investir em funcionários – em funções como a de Smith – que ajudarão a antecipar esse futuro. Alguns distritos já fizeram o investimento, incluindo aqueles que são membros da Digital Promise’s League of Innovative Schools [Liga de Escolas Inovadoras da Digital Promise].

——–

Leia: Com a pandemia, alfabetização vive urgência na recuperação – prejuízo é de todos

——–

Dewayne J. McClary, diretor sênior de redes e parcerias da Digital Promise – também conhecida como Centro Nacional de Pesquisa em Informações Avançadas e Tecnologias Digitais -, disse que a maioria das escolas da Liga tem algum tipo de líder de inovação, ou alguém que faz o trabalho de análise de risco. Dewayne, que anteriormente atuou como diretor da Liga de Escolas Inovadoras, disse que a Liga reúne esses líderes escolares para compartilhar as melhores práticas e colaborar. Em agosto de 2020, Andrew Smith fez uma apresentação sobre planejamento de contingência durante um painel sobre como centrar a equidade nos planos de reabertura das escolas organizado pelo grupo.

Dewayne destaca que, em qualquer distrito, os líderes devem compartilhar o trabalho de pensar no futuro. “Acho que está além de apenas uma pessoa”, afirma. “Isso tem que ser um esforço colaborativo do distrito. Tem que ser do superintendente à liderança, ao conselho escolar, até os professores e diretores.”

É assim que funciona em Rowan-Salisbury. Em abril de 2020, Andrew Smith incentivou os líderes distritais a construir um diagrama com a probabilidade de diferentes cenários e atribuir a cada um “índice de risco”. Os líderes perguntaram: Qual é a pior coisa que pode acontecer? Qual é o risco para escolas, professores e alunos? Em seguida, indagaram se o distrito estava preparado para lidar com cada cenário. Smith disse que eles consideraram perguntas como: O que acontece se as crianças nunca voltarem? Ou se os funcionários não puderem entrar nos prédios? Eles até pediram ideias para os veteranos no planejamento de cerimônias de formatura socialmente distantes. 

Esse tipo de planejamento ajudou imensamente o distrito de Rowan-Salisbury, acredita o diretor administrativo. “O que isso nos permitiu fazer, no que parecia ser o dia do juízo final todos os dias, foi nos antecipar e dizer que não vamos ser tão reativos”, conta Andrew. “Ele fornece esse processo proativo muito estruturado para resolver qualquer coisa.”

——–

Leia: Cultura ágil na criação da “escola do futuro”

——–

Na primavera de 2020, o distrito previu que os alunos talvez não pudessem retornar à escola após as férias de primavera por causa de um surto de covid na Carolina do Norte. Foi exatamente o que aconteceu: em meados  de abril, o governador Roy Cooper anunciou que as escolas do estado não poderiam reabrir para instrução presencial pelo restante do ano letivo. Naquela primavera, quando os líderes distritais de Rowan-Salisbury perceberam que o aprendizado remoto pode não ser temporário, Smith disse que o distrito desenvolveu planos para todo o sistema para ajudá-lo a passar do modelo temporário de aprendizado remoto que começou em março para um modelo mais robusto de instrução online. Os líderes do distrito aplicaram as lições aprendidas na primavera aos planos para a escola de verão. Eles pesquisaram o que as escolas na Alemanha e na Finlândia estavam fazendo. Em seguida, usaram o que aprenderam sobre mascaramento, distanciamento social e quarentena da escola de verão para planejar uma reentrada no semestre de outono.

“A escola de verão realmente nos ajudou a desenvolver o modelo de como trazer de volta todas as 20.000 crianças no outono”, relata Andrew Smith. “Foi um pouco de planejamento de contingência e, em seguida, a construção de novos modelos com base no que estávamos vendo nas escolas [naquele verão].”

Smith aprendeu sobre planejamento de contingência e análise de risco quando fez algumas aulas na escola de negócios enquanto fazia pós-graduação em educação na Wake Forest University. “Lembro-me de sentar na sala de aula [e] não haver pessoas da educação, mas todas as pessoas de negócios, e pensar: ‘Não tenho certeza se vou usar isso, mas é muito legal. Eu gosto do conceito’.” 

Para o diretor, tomar emprestado do modelo de negócios a inclusão de análise de risco e planejamento de contingência nas operações diárias do distrito escolar permite que os líderes escolares tomem decisões mais lógicas e cuidadosas – “com bastante antecedência”. Quando um vírus, um desastre natural, um déficit orçamentário ou mesmo uma eleição para o conselho escolar interrompe um sistema escolar, já existe um plano na prateleira para ser retirado e promulgado, pontua Smith.

Líderes escolares
“Pandemia nos ensinou muito sobre modalidades de aprendizagem”, reconhece Andrew Smith
Foto: Reprodução

Para o futuro da educação pública, os distritos escolares “realmente precisam tomar emprestadas algumas das ideias de negócios”, defende Andrew Smith. “Se queremos inovar no K-12 temos que tirar isso de outro setor para ver o que eles estão fazendo”, disse ele.

“Vamos voltar, vamos fazer as coisas diferentes porque essa pandemia vai acabar e, quando terminar, voltaremos diferentes”, Smith lembra de ouvir de educadores de todo o país. O problema era que “a pandemia não acabou”. Algumas escolas e distritos usaram a pandemia como uma oportunidade para repensar seus sistemas, mas, na pressa de resolver os problemas do dia a dia relacionados à pandemia, muitos educadores e líderes escolares não tiveram tempo para inovar. Mas McClary lembra aos líderes escolares que os distritos sempre tiveram que fazer esse trabalho em circunstâncias difíceis.

——–

Leia: Efeitos da pandemia: atraso no desenvolvimento da fala nos bebês ao aumento de doenças mentais nos jovens

——–

“Tivemos outras pandemias de desigualdade. Tivemos outras pandemias em que crianças estavam tendo problemas de comportamento. Essa pandemia apenas incluiu uma camada extra e colocou as desigualdades que existiam antes na rua da frente”, disse McClary. “Agora estamos em uma situação em que o problema da covid é de escolas com falta de pessoal, onde os distritos estão tendo que fazer coisas inovadoras para descobrir como manter as portas abertas.” 

McClary acredita que, em geral, “os distritos sempre farão o que é melhor para seus alunos, sempre encontrarão uma maneira de oferecer oportunidades para as crianças”. O trabalho agora é “como nós ajudamos a manter rigorosas, equitativas e poderosas oportunidades de aprendizagem para as crianças nos vários modos para os quais elas podem ter de ‘pular ou girar”’. 

Andrew Smith completa que, se as escolas não arranjarem tempo para “sair da covid”, seja contratando alguém para um novo cargo ou dando aos líderes existentes recursos e tempo para planejar, o ciclo de caos e experimentação cega continuará. “A disrupção nunca terá, na minha opinião, um resultado realmente positivo … [e] realmente transformará a educação, a menos que sejamos proativos na maneira como a abordamos.”

A ômicron e os recentes desastres relacionados ao clima enfatizaram a necessidade desse tipo de planejamento avançado. “É imperativo que os distritos não esperem que a pandemia avance”, afirma McClary. Em sua experiência, a natureza dos distritos escolares é sempre girar e ser inovadora, “essa pandemia apenas tornou um pouco mais difícil”.

As escolas não podem ficar esperando o fim da pandemia para que os problemas desapareçam, a solução “tem que ser agora, não depois”, coloca Smith. “Porque toda vez que você fica esperando o fim… quantas horas as crianças estão esperando por você?”

*Esta história sobre planejamento de contingência nas escolas foi produzida pelo The Hechinger Report , uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos nos Estados Unidos focada em desigualdade e inovação na educação.

Leia também:

Mudanças climáticas: ensinar para as crianças sem despertar medo

Envie um comentário

Your email address will not be published.