Como anda a educação midiática em outros países

Maja Zaric, coordenadora do Ministério da Cultura da Sérvia, e Samy Tayie, professor da Universidade do Cairo, Egito, comentaram sobre o tema durante evento voltado à educação

Governos da Sérvia e Egito estão desenvolvendo projetos para preparar seus cidadãos para um mundo cibernético mais ético e consciente, papel esse que tem como base a educação midiática. Essas afirmações foram feitas durante o painel Como outros países enfrentam os desafios da aprendizagem pós-pandemia com auxílio das mídias?, realizado durante o IV Congresso Internacional de Educação e Inovação e que contou com a participação virtual de Maja Zaric, coordenadora de unidade no departamento de mídia do Ministério da Cultura da Sérvia, e Samy Tayie, professor na Faculdade de Comunicação da Universidade do Cairo, Egito, e presidente da Mentor (Associação Internacional de Educação Midiática).

Confira, a seguir, alguns trechos dessa conversa que teve mediação de Alexandre Sayad, diretor da ZeitGeist Educação e co-chairman internacional da UNESCO MIL Alliance, a aliança internacional da Unesco em educação midiática.

Leia: David Buckingham: por uma pedagogia das mídias

Egito

O Egito possui pouco mais de 100 milhões de habitantes, e desse total, segundo Samy Tayie, 18 milhões são estudantes de ensino básico e 2 milhões de nível superior. Assim como no Brasil, no país egípcio a tecnologia digital foi fundamental para levar as aulas para dentro da casa da maioria dos alunos durante a pandemia.

 “Durante esses dois anos, conseguimos organizar workshops online para os professores de todos os estados árabes, cada um com dois dias de duração, em uma tentativa de qualificar esses professores, treiná-los em como utilizar esses recursos e como orientar seus alunos quanto ao bom uso da mídia”, disse Samy Tayie.

O professor universitário também contou que em dezembro de 2020 o Ministério da Educação do Egito patrocinou uma série de webinares com a participação de cerca de 160 jovens para desenvolverem habilidades frente à educação midiática.

Leia: Sabotagem, bullying e indisciplina também aparecem em aulas online

Sérvia

Introduzido no ensino básico desde 2013, a educação midiática vem ganhando cada vez mais força na Sérvia. Maja Zaric contou que seu país realizada há três anos consecutivos um congresso sobre o tema para desenvolver o projeto de aprendizagem midiática. “Em 2018 iniciamos a coordenação entre ministérios e instituições relevantes e também organizações internacionais para verificar onde esse projeto da educação midiática estava inserido e tivemos mais informações discutidas com vários representantes de mídias, jornalistas, todos os órgãos regulamentares”, disse. “O que começamos a fazer foi misturar campus distintos e especializações distintas, expertises distintas na alfabetização midiática como os formuladores de políticas e organizações diferentes. Setores diferentes como a própria mídia, educação, jogos, habilidades digitais e comércios eletrônicos”, complementou.

No início da pandemia, webinares e campanhas sobre mídia para orientar famílias e alunos, que já eram comuns, passaram a ser frequentes no país da Península Balcânica.

Maja também contou que em 2018 foi lançado um manual de auxílio sobre educação midiática e em abril de 2021 lançada a 2ª edição do Currículo para a educação midiática e em novembro deste ano recomendações globais sobre padrões para o desenvolvimento curricular da educação midiática, divulgado durante um evento global da Unesco sobre o tema.

“Tudo isso é importante porque precisamos ter informações midiáticas dentro do sistema formal e também tocando a educação informal. Educação midiática constrói a nossa imunidade digital”, defendeu Maja Zaric.

Leia entrevista que fizemos com os dois especialistas antes do congresso:

Coordenadora do governo sérvio e professor egípcio falam sobre educação midiática

Envie um comentário

Your email address will not be published.