A luta das bibliotecas rurais nos EUA

Elas buscam melhorar os níveis de leitura antes que as crianças concluam o terceiro ano

Por Jackie Mader*: Três anos atrás, Darlene Thomas-Burroughs, gerente da filial da Biblioteca Hardeeville, na cidade rural de Hardeeville, Carolina do Sul, ouviu falar sobre uma nova maneira de os funcionários da biblioteca ajudarem as crianças a aumentar suas notas de leitura. Intrigada, ela se inscreveu no programa de sete meses, oferecido pelo Partners for Education no Berea College e o programa federal Promise Zone. A série apresentava webinars mensais e oportunidades de networking para ajudar os bibliotecários a aprender a trabalhar com o sistema educacional e construir relacionamentos com os membros da comunidade — tudo com o objetivo final de melhorar os níveis de leitura do terceiro ano.

Assista: Contadora de histórias mirim entrevista escritor Ilan Brenman

bibliotecas rurais

Biblioteca Hardeeville, na Carolina do Sul (foto: reprodução)

Thomas-Burroughs apresentou diversas ideias. Começou a planejar eventos programados em sua biblioteca para creches locais, recomendando livros adaptados ao que as crianças estavam aprendendo na escola e estabeleceu uma parceria com um centro de saúde local para criar um programa de mentoria. Igualmente útil, descobriu, era o acesso que ela agora tinha a uma comunidade de funcionários de bibliotecas em todo o país para fornecer camaradagem no que pode ser um campo isolado. “Recebemos muitos comentários positivos, muitas sugestões boas sobre como enfrentar os desafios em certas situações”, disse Burroughs.

Valorização

O mesmo programa que tanto beneficiou Thomas-Burroughs foi lançado novamente de uma forma mais longa e intensiva pelo Berea College, que é uma faculdade particular só que com acesso também gratuito. A Bolsa de Biblioteca Rural de dois anos, financiada por uma bolsa do Instituto de Museus e Serviços de Biblioteca e Save the Children, está tentando aumentar a capacidade das bibliotecas e “ativar bibliotecas em torno da leitura do terceiro ano”, de acordo com Dreama Gentry, diretora executiva da Partners for Education no Berea College.

“Em áreas rurais, a biblioteca e a escola são os centros”, disse Gentry. “Nosso foco é realmente como as bibliotecas podem acelerar os resultados para as crianças.”

Em todo o país, pelo menos dezesseis estados e Washington DC exigem que as escolas retenham a maioria dos alunos que não leem com proficiência no final do terceiro ano. A pesquisa mostra que se os alunos não estiverem lendo no nível da série no terceiro ano, eles têm menos probabilidade de se formar no ensino médio. O Rural Library Fellowship chega em um momento em que os resultados dos testes mostram que muitos alunos perderam terreno na leitura e mais, estão lendo abaixo do nível da série do que no ano passado devido à pandemia. Educadores dizem que muitas crianças não tiveram acesso a livros na escola devido a protocolos relacionados à pandemia.

Leia: Educação e arte: mulheres contemporâneas para a sala de aula

Sonhos e dedicações

Algumas bibliotecas rurais em todo o país tentaram inovar durante a pandemia, oferecendo bibliotecas móveis, horários de histórias ao ar livre e envio de livros para crianças em casa. Com o lançamento do novo programa de bolsas, vinte e dois funcionários de bibliotecas rurais em todo o país receberão desenvolvimento profissional em tópicos como ciência do cérebro e alfabetização precoce, bem como treinamento sobre como podem ajudar a aumentar a alfabetização. Os bolsistas receberão um pequeno estipêndio e fundos de projeto para criar um programa de alfabetização em sua biblioteca. Alguns exemplos: atualização das bibliotecas com livros culturalmente apropriados ou atividades interativas como uma “caminhada pela história” que incorpora elementos literários por meio de uma trilha para caminhada.

Darlene Thomas-Burroughs disse que o desenvolvimento profissional é único em seu foco nos níveis de leitura do terceiro ano. Embora sua biblioteca esteja aberta a uma capacidade limitada, ela está planejando o fim da pandemia, quando poderá lançar mais planos e se tornar “a melhor pequena biblioteca rural da Carolina do Sul”.

*Esta matéria sobre bibliotecas rurais foi produzida pelo The Hechinger Report , uma organização de notícias independente sem fins lucrativos estadunidense com foco na desigualdade e inovação na educação. 

Leia também:

Como o cérebro aprende e a importância de lidar com as emoções

Escolas Waldorf trocam mensalidade por contribuição “livre”

Envie um comentário

Your email address will not be published.