/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Ensino Superior

A questão é…

Como a instituição pratica a internacionalização do ensino? Itamar Miranda Machado / Ibmec Praticamos a internacionalização por meio dos convênios para intercâmbio de alunos e do programa Ciência sem Fronteiras. Atualmente são 48 convênios internacionais distribuídos em 28 países. Na maioria, o aluno continua pagando […]

Publicado em 23/07/2014

por Ensino Superior

Como a instituição pratica a internacionalização do ensino?
1Itamar Miranda Machado / Ibmec
Praticamos a internacionalização por meio dos convênios para intercâmbio de alunos e do programa Ciência sem Fronteiras. Atualmente são 48 convênios internacionais distribuídos em 28 países.
Na maioria, o aluno continua pagando a mensalidade do Ibmec e não a da instituição conveniada, isso viabiliza muito a ida dos nossos estudantes. As disciplinas cursadas, desde que acertado previamente com a coordenação do curso, serão aproveitadas. Portanto, o aluno pode passar um semestre fora sem atrasar sua conclusão de curso. Também estamos preparados para receber alunos das instituições conveniadas. Recebemos em torno de 80 estrangeiros anualmente.
2Rivana Basso Fabbri Marino / FEI
O Centro Universitário da FEI mantém parcerias com instituições de ensino superior estrangeiras para pesquisas e programas internacionais de mobilidade acadêmica, que permitem o intercâmbio de professores, pesquisadores e alunos de graduação e pós-graduação. A colaboração com essas instituições universitárias promove o multiculturalismo crítico, dimensão fundamental na busca da excelência educacional por meio da diversidade, complementaridade e diálogo, propiciando a sintonia entre o ensino e as dinâmicas multifacetadas globais.
 
3Sidney Latorre / Senac
Destacamos o programa de mobilidade acadêmica, que contempla a participação dos alunos no programa Ciência sem Fronteiras e os intercâmbios de curta duração em cursos de idiomas e de aperfeiçoamento nas escolas parceiras. Também ressaltamos o crescente interesse de estudantes de vários países pelo nosso curso de Português como segunda língua. Eventos realizados com parceiros que trazem especialistas geram oportunidades de interação dos nossos professores e alunos com a comunidade internacional. Além disso, há incentivo da instituição para que pesquisadores apresentem os resultados de seus projetos em congressos científicos internacionais.

4Wagner Sanchez / Fiap
A instituição possui em seu DNA acadêmico a premissa de sempre estar conectada com todos os grandes avanços nas áreas tecnológicas e acadêmicas. Para tanto, investe em parcerias internacionais com os grandes players de tecnologia, como Apple, Microsoft, Oracle, Cisco, entre outras.
Na área acadêmica, a troca de conteúdo e experiências é constante com grandes instituições de diversos países, tais como Singularity University, Babson College e Epitech – European Institute of Technology. No caso da Epitech, o aluno Fiap de Sistemas de Informação pode optar por fazer o 3º ano em língua inglesa, na França.

Autor

Ensino Superior


Leia Ensino Superior

indígenas

Povos indígenas e as reivindicações de espaço nas universidades

+ Mais Informações
Foto 1 - V Balanzá_3

Saúde mental dos universitários de diferentes países em alerta

+ Mais Informações
shutterstock_1528360379

Com poucos professores negros, faculdades não possuem programas...

+ Mais Informações
Revista Ensino Superior destaque

Cai ingressantes de até 24 anos

+ Mais Informações

Mapa do Site