NOTÍCIA

Bett Brasil

Educar e reeducar o planeta para viabilizar o futuro

É na sala de aula, nos espaços de convivência, na experiência do contato com o entorno escolar que crianças e adolescentes aprendem a habitar o mundo real, destaca Luciano Monteiro

Publicado em 23/04/2024

por Redação revista Educação

Por Luciano Monteiro*: Se até alguns anos atrás a sustentabilidade parecia ser um problema dos outros, não há mais como negar: sentimos hoje os efeitos na própria pele, suando sob um calor que bate seguidos recordes. O ano de 2023 foi o mais quente já registrado, mas precisamos lembrar que esta é apenas a ponta do iceberg. Desertificação, crise hídrica, poluição dos oceanos, esgotamento de recursos naturais, a lista de desafios ambientais é imensa e a conta está chegando. 

Em igual urgência está a agenda social e junto dela os grandes desafios contemporâneos, especialmente a falta de oportunidades e a desigualdade que avançam em nossas sociedades. 

==========

Bett Brasil 2024*: Luciano Monteiro participará do painel Educar para um futuro sustentável, hoje, 23, às 10h30, no auditório Educação Pública

==========

Não é preciso procurar muito para encontrar a saída de emergência: de um lado, está na política e na economia, que precisa migrar para uma revolução verde e mais justa socialmente. De outro… sim, a escola. É preciso educar — e reeducar — todo um planeta para viabilizar o futuro. 

Mais uma tarefa para essa instituição tão pressionada? Mais um conteúdo para encaixar entre tantos outros? Mais uma preocupação para o gestor? Nada disso, desta vez é diferente. Educar para a sustentabilidade é, cada vez mais, mudar nossa própria cultura para nos tornarmos também sustentáveis. É um compromisso de todos, indivíduos e organizações de todos os tipos, e por isso é agora também um compromisso da escola e de suas comunidades.

Escola junto à reeducação ambiental

Em primeiro lugar, há uma dimensão em que o papel da educação é insubstituível: trata-se do campo pedagógico, da difusão do conhecimento, da construção de atitudes e valores sustentáveis. 

É na sala de aula, nos espaços de convivência, na experiência do contato com o entorno escolar que crianças e adolescentes aprendem a habitar o mundo real. Suas prioridades, seus sonhos, suas possibilidades, seus compromissos com os coletivos e com o planeta são desenhados nos anos de escolaridade. Este é o domínio da instituição criada para formar cidadãos: a escola.

—–

Leia também

Neurociências: o perigo das receitas prontas na aprendizagem

Cris Takuá: escola viva e os saberes indígenas invisíveis

—–

Ao mesmo tempo, escolas também são consumidoras de energia, água, alimentos e insumos diversos, como papel, copos plásticos, tinta. A gestão sustentável precisa ter em conta a missão de garantir o consumo responsável desses recursos porque assim todos precisamos fazê-lo, sem dúvida. Mas, especialmente, porque escolas representam uma referência social da maior importância e de máxima credibilidade. Crianças e adultos aprendem pelo exemplo de suas escolas e seus educadores.

Por mais desafiador que seja, este cenário deve produzir mais a esperança realizadora que ceticismo paralisante. Precisamos lembrar que já há um movimento forte e profundo nascendo na educação, em todo o planeta. As escolas começam a se transformar para se tornar sustentáveis e é preciso reconhecer esse esforço — inclusive para apoiá-lo.

Reconhecer e premiar

Por isso, para enfatizar esse princípio, mobilizar os educadores, estimular mudanças de postura, reconhecer bons projetos na área e induzir transformações, a Santillana, a Organização de Estados Ibero-Americanos (OEI) e a Fundação Santillana lançaram no ano passado o primeiro Prêmio Escolas Sustentáveis, aberto a escolas públicas e privadas do Brasil, México e Colômbia.

A primeira edição mostrou o acerto da iniciativa, com mais de 1.100 projetos inscritos das escolas públicas e privadas do Brasil, México e Colômbia e um banco de boas práticas aberto à consulta pública. Agora, a expectativa é que a segunda edição chegue ainda mais longe. É preciso que seja assim. Para que se incorporem ao movimento global pelo desenvolvimento sustentável, as escolas devem se sentir protagonistas no processo, incorporando os princípios em todas as suas dimensões.

—–

Leia também

Perigo. Uma granada foi colocada no bolso do Novo Ensino Médio

Educação inclusiva: estratégias pedagógicas para promover a equidade

—–

A segunda edição do Prêmio valoriza ainda mais os projetos que nascem no âmbito da escola, extrapolam os seus muros e beneficiam as populações do entorno. Ao contemplar todo ciclo da educação básica, convida crianças, jovens e profissionais do ensino para uma iniciativa cidadã e colaborativa em benefício da comunidade.

As escolas podem inscrever quantos trabalhos desejarem, da educação infantil ao ensino médio, relatando ações de conscientização ambiental, desenvolvimento de programas com impacto no entorno, parcerias, inclusão social, educação antirracista, educação para cidadania, defesa dos direitos humanos, liderança ética, participação da comunidade na gestão, entre outros.

O regulamento está em https://premioescolassustentaveis.com/.

Retorno no coletivo

Nos diferentes países onde atua, a Santillana, a Fundação Santillana e a OEI aprofundam seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e a os princípios do ESG (governança ambiental, social e corporativa). Identificar e reconhecer as iniciativas em favor da sustentabilidade é uma das formas de ajudar nossos sistemas educativos a avançar na Agenda 2030 e nos compromissos estabelecidos pelos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. 

Assim também é importante que alunos, professores e escolas sintam que não estão sozinhos, e fazem parte de um esforço mundial nunca antes feito coletivamente pelos seres humanos para salvar nossa casa comum, o planeta azul, a Terra.

*Luciano Monteiro é diretor global de comunicação e sustentabilidade da Santillana

==========

Bett Brasil

*A Bett Brasil é o maior evento de educação e tecnologia na América Latina. Em 2024, acontece de 23 a 26 de abril, no Expo Center Norte, SP. E nós, da Educação, estamos fazendo uma cobertura especial. Clique aqui para ficar por dentro de tudo.

Nossa cobertura jornalística tem o apoio das seguintes empresas: Epson, International School, FTD Educação, Cricut e NR.

Autor

Redação revista Educação


Leia Bett Brasil

propósito

Propósito e missão para uma educação sustentável

+ Mais Informações
projetor-interativo-epson

Como tornar a tecnologia digital uma aliada do professor

+ Mais Informações
inteligência artificial

Ao contrário do Metaverso, inteligência artificial veio para ficar,...

+ Mais Informações
augusto-cury-intoxicacao-digital-

Intoxicação digital e o papel da escola, segundo Augusto Cury

+ Mais Informações

Mapa do Site