/* Altera a margem superior apenas nessa página */

COLUNISTAS

Colunista

José Pacheco

Educador e escritor, ex-diretor da Escola da Ponte, em Vila das Aves (Portugal)

Publicado em 20/03/2024

Continuará a saga humana no embate entre humanidade e crueldade?

Valdo sabia e sabe da importância da relação humana na educação e que o fim último da educação é o bem da humanidade

Matinhos, 28 de novembro de 2043 

Reagindo ao ‘puxão de orelha’ que destes ao vosso avô, e tentando redimir-me de velhos pecados, fui remexer no baú das velharias. De lá saíram registros de prodígios. O primeiro provindo de uma mensagem recebida do amigo Valdo:  

“No segundo semestre de 2014, dois avós se encontraram para falar da vida, de desafios e de vivências educacionais. Sentados no chão do Museu do Brinquedo do Instituto Libertad, passaram horas brincando, feito crianças, falando dos netos, contando histórias e tecendo utopias.  

_________________________________________________________________________________________________

Leia também

Novamente os índices de insucesso escolar

As recentes propostas do Congresso para a educação

_________________________________________________________________________________________________

O tempo que contava era só o tempo de brincar e de sentir as identidades, para além das idades. Após o longo tempo não controlado, decidiram que aquela alegria ali sentida, de avós e sonhadores de outros mundos educacionais, deveria ser compartilhada com mais amigos, que também se identificavam com o viver amoroso, fraternal e desafiador dos campos educacionais emancipatórios. Ali nascia a UniProsa: a universidade que versa a prosa. A prosa que humaniza e dá sentido ao viver, numa sociedade complexa e contraditória. Uma entidade educacional comunitária, informal, intergeracional, interexperiencial, intercultural. 

Em 21 de março de 2015, acontecia o Primeiro Encontro da UniProsa. Assim rezava a ata da reunião:   

Após muitos afetuosos prolegômenos e rodadas de prosa, foi empossado o avô El Rei Thor Celsius Primeiro e único magnífico reitor da UniProsa. Nessa ocasião, fui designado pelo magnífico rei Thor, secretário de El Rei”. 

O amigo Valdo sofria e reagia perante desmandos de políticos, que cediam a imperativos de uma economia predadora:  

O que mudou em 2 mil anos? Continuará assim a saga dos humanos, no embate entre humanidade e crueldade? Entre solidariedade e ambição? De minha parte, não. Eu sigo na trilha, acreditando que o único caminho para a humanidade é um caminho que contemple a todos! 

_________________________________________________________________________________________________

Leia também 

Entre a barbaridade e a fraternidade

A infância tem caráter histórico e social

_________________________________________________________________________________________________

Brevemente completarei 66 giros ao redor do sol. Atuo há mais de 40 deles numa universidade pública brasileira. Nunca vivenciei antes na minha história, nem encontrei nos meus estudos de história, das outras épocas históricas da caminhada humana, um único e microscópico organismo vivo que tenha desafiado tão profundamente, no limite, todos os conhecimentos, ideologias e saberes acumulados pela humanidade.  

Estamos todos, com todos os recursos disponíveis mundialmente, enfrentando essa microscópica espécie viva: o coronavírus. Estaremos nós, humanos, ancorados em todos os diferentes conhecimentos e saberes acumulados até hoje, à altura desse desafio? Eu estou vivendo isso intensamente. Nós todos estamos vivendo isso. O sentido, a identidade, a responsabilidade e a solidariedade da espécie humana trarão a resposta e determinarão o nosso futuro!”  

Conheci o Valdo, quando ele tentava fazer da UFPR litoral um instrumento de humanização. Ele sabia e sabe da importância da relação humana na educação e que o fim último da educação é o bem da humanidade.  

Como me fazia bem ir até Matinhos, para com ele conversar. Como foram gostosos e fagueiros os encontros na casa do amigo Celso. Os primeiros almoços bem regados, completados com música e amena cavaqueira reuniram meia dúzia de uniproseanos. Outros foram chegando e ‘a prosa humanizadora’ se expandiu. 

Quase uma década decorrida sobre a fundação da UniProsa, a reflexão sobre a ‘educação democrática e humanizadora’ permanecia central nas mensagens de WhatsApp. E o que tínhamos feito, que contribuísse para a prática de uma educação humanizadora? Para humanizar, necessário seria prosear. Mas, prosear seria condição suficiente? 

_________________________________________________________________________________________________

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

_________________________________________________________________________________________________

Escute nosso episódio de podcast:


Leia mais

emocional

O estado emocional da sociedade

+ Mais Informações
inteligência artificial na educação

Ética e privacidade dos dados da inteligência artificial na educação

+ Mais Informações
cultura da paz

Língua inglesa e técnica japonesa como meio para a cultura de paz

+ Mais Informações
orientador educacional

A ressignificação do orientador educacional

+ Mais Informações

Mapa do Site