NOTÍCIA

Bett Brasil

Educação midiática: formação no uso das redes sociais deve contar com participação das famílias

Para mediar a relação dos jovens com as redes sociais, as famílias devem fazer parte do processo de aprendizagem

Publicado em 12/05/2023

por Leticia Scudeiro

redes sociais_3 Esq. para a dir.: Januária Alves, Alexandre Sayad e Alessandra Borelli Foto: Leticia Scudeiro/revista Educação

Mediar o uso das redes sociais por parte dos alunos ainda é um desafio presente na educação. Como o gestor pode gerenciar essa interação? Que atividades ou ações a escola precisa praticar para tentar minimizar os danos causados pelo uso abusivo das redes? De que forma elas influenciam a aprendizagem do aluno? Esses pontos foram levantados durante o painel Redes sociais e escolas: gestão adequada de crises, ontem, 11, na Bett Brasil*, evento que ocorre entre os dias 9 e 12 de maio em SP.


Leia também

As diferenças entre fake news, pós-verdade, deepfakes e o papel da escola

Por uma pedagogia das mídias


O dinamismo presente nas redes sociais faz com os alunos encontrem respostas em uma só ‘clicada’, o que dificulta a formação do cidadão curioso — característica que precisa voltar, acredita a educomunicadora Januária Cristina Alves, que participou do painel. 

“É papel da escola começar a ensinar os alunos que é bom ficar com a pergunta [não buscar na internet], porque há muitas coisas que não têm resposta. E a gente seguir perguntando faz parte do nosso papel como cientista [que busca conhecimento]. Precisamos voltar a pesquisar na escola, abraçar o caminho, a criar hipóteses. Isso precisa ser recuperado urgentemente. Pesquisar não é digitar no Google. Investigar não é pegar a primeira resposta que aparece”, alertou Januária. 

Segurança nas redes e o papel da escola

Januária é membra da Mil Alliance, aliança global para parcerias em alfabetização midiática e informacional da Unesco, o qual tem como co-chairman o Alexandre Sayad, que mediou o painel e é colunista na revista Educação

Quem participou juntamente com Januária da conversa para debater a ligação entre as redes sociais e a escola foi a advogada, sócia e CEO da Opice Blum Academy, Alessandra Borelli. 

As redes sociais já fazem parte do dia a dia do aluno, evitar o seu uso em sala de aula não parece ser mais uma saída, os jovens conversam e estão dependentes dessa mídia, que muitas vezes acaba provocando ações prejudiciais, e discussões, acredita Alessandra. 

Ela citou um caso em que uma professora tirou o celular de um aluno em sala de aula, ação que posteriormente resultou em uma discussão entre os familiares por meio do WhatsApp. Atualmente é muito comum as famílias criarem grupos nesta rede social para se inteirar dos acontecimentos da escola. Os grupos por vezes contam com a participação do corpo docente. 

“[Se tratando das redes sociais] não se pode divulgar informações confidenciais, atribuir culpa sem prova e deletar evidências. Se bater o desespero, o que deve ser feito é uma ata detalhada para preservar as evidências e responsabilizar aquelas pessoas que participaram da discussão”, orientou Alessandra sobre como prosseguir caso ocorra conflitos por conta das redes.


Leia também

Educação midiática desde a educação infantil


Formação da família 

As redes sociais também podem ser vistas com um retrato da pessoa, porque aquilo que ela publica, comenta e opina ficam naquele espaço e faz parte de sua identidade. Entender o que essa exposição pode provocar ao aluno faz parte da responsabilidade da escola, mas ela não é a única que deve se atentar e receber orientação. Os pais também fazem uso das redes e muitas vezes as ações que os educadores estão orientando o aluno a não cometer, os pais cometem. Então uma saída para que a educação midiática seja efetiva é trabalhar em parceria com as famílias e as comunidades, conforme aconselha Alessandra. 

“A minha sugestão é fazer uma campanha solidária, com identidade visual, com uma hashtag que começa em janeiro e não tem fim. Pode ser uma campanha [com o slogan] ‘educa’, ‘somos todos digitais, porém responsáveis’, não importa, mas fazer alguma coisa que envolva [o aluno e a família]. Colocar esse tema de forma transversal em uma semana cultural, criar com os jovens uma dinâmica em que os maiores ensinam os menores, e por aí vai. Eu já participei de iniciativas como essas e elas são muito assertivas, porque as pessoas que furam esse sistema, os pais que extrapolam — ao ter um trabalho efetivo e contínuo dentro da escola —, mostram para as crianças que se sentem envergonhados de agir de tal forma”, contou Alessandra. 

Januária, por sua vez, também ressaltou a importância de as escolas criarem um lugar de escuta e abertura de diálogo para os alunos. “Mais do que nunca os jovens e suas famílias precisam discutir sobre isso. Que histórias queremos contar? Quais são os valores que queremos passar? A gente fala muito, tem muito acesso a esse mar de rosas [que são as redes], mas, no fim ninguém é ouvido e necessariamente não falamos tudo que precisa ser falado”, enfatizou Januária.



Bett Brasil

*A Bett Brasil é o maior evento de educação e tecnologia na América Latina. Acontece de 9 a 12 de maio, no Transamerica Expo Center, São Paulo. E nós, da Educação, estamos fazendo uma cobertura especial. Clique aqui para ficar por dentro de tudo.

Nossa cobertura jornalística tem o apoio das seguintes empresas: Epson, FTD Educação, Santillana Educação, Skies Learning by Red Balloon e Somos Educação.



Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Leticia Scudeiro


Leia Bett Brasil

E-learning,Icon,On,A,Virtual,Screen,In,A,Laptop.,Concept

Qual o futuro da EAD na educação brasileira?

+ Mais Informações
cultura organizacional

Propósito como eixo para a cultura organizacional escolar

+ Mais Informações
violência escolar

Caminhos para combater a violência escolar

+ Mais Informações
inclusão escolar

Inclusão escolar: como identificar e quebrar barreiras

+ Mais Informações

Mapa do Site