/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Edição 293

Tratamento surpreendente para adolescentes em crise de saúde mental

Jovens podem ter o poder de ajudar uns aos outros, é o que apontam experiências nos Estados Unidos

Publicado em 18/04/2023

por The Hechinger Report

Por Anaya Kamenetz*: Na primavera passada, Jamie Gorman teve um ataque de pânico no shopping. A então estudante do segundo ano do ensino médio estava com um grupo de amigos no Garden State Plaza, em Paramus, Nova Jersey, quando começou a se sentir sobrecarregada. Seus dedos estavam formigando. Ela não conseguia recuperar o fôlego. Se sentia trêmula e tonta. Seus amigos adolescentes entraram em ação. “Eles diziam: ‘Jamie, sente-se’. ‘Jamie, me dê seu telefone – desbloqueie-o’”, lembrou Jamie em uma entrevista recente em sua escola. 


Leia também

Depressão e ansiedade presentes em 70% dos jovens paulistas

Saúde mental dos universitários de diferentes países em alerta



“Eles imediatamente ligaram para meu pai para que ele pudesse falar comigo. Encontraram uma garrafa de água para mim. Se sentaram comigo; estavam lá apenas para mim. Ela disse que seus amigos foram “muito reconfortantes porque eram calmos e diziam ok, sabemos o que fazer.”

Não foi apenas sorte que deu a Jamie Gorman amigos tão capazes. Eles, como todos os alunos do segundo ano da Ramsey High School, em Ramsey, Nova Jersey, tinham acabado de terminar um programa de treinamento chamado Teen Mental Health First Aid, projetado para fornecer aos alunos as ferramentas práticas necessárias para reconhecer sinais de alerta e ajudar um amigo em uma crise de saúde mental.

Teen Mental Health First Aid é uma adaptação do Youth Mental Health First Aid, um treinamento desenvolvido para adultos que trabalham ou cuidam de adolescentes. O último programa ocorreu há cerca de duas décadas na Austrália e é ministrado nos Estados Unidos desde 2008. Ambos os programas são apoiados por estudos científicos revisados ​​por pares. Em adolescentes, o treinamento demonstrou aumentar a alfabetização em saúde mental e reduzir o sofrimento psicológico relatado. Em um estudo controlado randomizado, os jovens relataram um nível significativamente mais alto de confiança em ajudar um amigo ansioso ou suicida, menor estigma em torno da doença mental e eram mais propensos a escolher o curso de ação correto e útil. 

Desde 2020, o número de pessoas treinadas em primeiros socorros em saúde mental nos EUA mais do que dobrou, para mais de 1,1 milhão, diz Tramaine EL-Amin, vice-presidente assistente de parcerias estratégicas e oficial de experiência do cliente no National Council for Mental Wellbeing. As razões para o crescente interesse são claras. De acordo com a Academia Americana de Pediatria, o estado de saúde mental de crianças e adolescentes desde a covid se classifica como uma emergência nacional. Os números nacionais mais recentes do CDC mostram que “a saúde mental entre os alunos em geral continua piorando”, com mais de 40% dos estudantes do ensino médio em 2021 mostrando sinais de depressão.

Assim como o treinamento em primeiros socorros não faz de alguém um médico, os participantes de Primeiros Socorros em Saúde Mental não são certificados para fornecer terapia. O curso foi desenvolvido para ajudá-los a agir como socorristas – para avaliar uma situação, fazer o que puderem no momento e informar um adulto de confiança. O currículo abrange transtornos de ansiedade e pânico, depressão, tendências suicidas, transtornos alimentares, vícios e outros problemas de saúde mental comuns para essa faixa etária. Ele treina os adolescentes nas ações apropriadas a serem tomadas se um amigo mostrar sinais de alerta de um problema em desenvolvimento, mergulhar em uma crise aguda ou se recuperar.


Leia também

A íntima relação entre saúde mental e aprendizagem


Kayla O’Rourke, uma colega de classe de Gorman na Ramsey High School, disse que as áreas do treinamento que realmente estão grudadas nela são aquelas que resistem aos equívocos populares. “Você tem que dizer o que é certo para eles, como: ‘Você está pensando em se machucar ou está pensando em suicídio?’ Algo sobre o qual eu nunca seria tão direto.”

Tanto ela quanto Gorman disseram que o treinamento os fez sentir menos sozinhos em seus momentos de estresse. E eles usam regularmente as técnicas de autocuidado que aprenderam.

adolescentes saúde mental

Durante o treinamento de Primeiros Socorros em Saúde Mental para Adolescentes, Kayla O’Rourke disse que aprendeu a não usar frases como “Amanhã será melhor” ou “Vai ficar tudo bem”. Uma escolha melhor, diz, é “O que posso fazer para ajudar?”
Foto: Yunuen Bonaparte /The Hechinger Report

Mais de uma década antes da pandemia, a necessidade de cuidados de saúde mental entre crianças e adolescentes aumentava e os últimos anos pioraram. Um comunicado de 2021 do Cirurgião Geral Vivek Murthy (autoridade máxima em saúde pública nos Estados Unidos) resume de forma sombria a situação: “O número insondável de mortes da era pandêmica, a sensação generalizada de medo, a instabilidade econômica e o distanciamento físico forçado de entes queridos, amigos e comunidades exacerbaram o estresse sem precedentes dos jovens”.

No entanto, os provedores de cuidados de saúde mental são escassos nos Estados Unidos. Em 2019, havia apenas 14 psiquiatras de crianças e adolescentes para cada 100.000 crianças. A Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente diz que crianças com diagnósticos mais graves esperam, em média, vários anos pelo tratamento adequado. E o CDC diz que 80% das crianças e jovens que precisam de tratamento não têm acesso a um profissional especializado em saúde mental. A falta de atendimento é pior nas áreas rurais, para negros, indígenas e outras pessoas de cor e para jovens LGBTQ. Além disso, leva anos para as pessoas se qualificarem como conselheiros de saúde mental, psicólogos ou psiquiatras, o que significa que esse problema não pode ser resolvido rapidamente.

É por isso que organizações como a Child Trends têm incentivado escolas e comunidades a adotarem uma abordagem totalmente prática para a saúde mental dos jovens. Em vez de colocar toda a pressão sobre os profissionais, a organização incentiva uma mentalidade de “saúde da população” que olha para cima e envolve toda a comunidade na promoção do bem-estar mental, prevenção e intervenção precoce.

Uma tentativa de “saúde da população” é o lançamento no ano passado do 988, a linha direta nacional de suicídio e crise. A administração Biden gastou US$ 400 milhões para ajudar as instalações de saúde mental a apoiar o sistema.

Ramsey, um distrito com bons recursos em um subúrbio rico, se comprometeu a treinar não apenas todos os alunos, mas todos os adultos do distrito – de assistentes administrativos a zeladores. Essa é a abordagem recomendada pelo Conselho Nacional de Bem-Estar Mental, que exige que pelo menos 10% dos adultos em uma escola ou organização recebam treinamento antes que ele possa ser oferecido a adolescentes.

Molly Dinning, diretora de serviços de apoio estudantil do Ramsey School District, afirma que “as lâmpadas se apagaram” depois que os administradores do prédio fizeram o treinamento. “Tipo, todo mundo precisa disso. Temos que fazer deste um programa abrangente.” E isso inclui adolescentes, que, segundo ela, são fortalecidos pelo treinamento de maneiras que vão além da saúde mental.


Leia também

Líderes escolares que olham para o futuro devem enxergar a covid como uma constante


Quanto mais pessoas em uma comunidade tiverem esse conhecimento, maior a probabilidade de alguém que está sofrendo receber uma intervenção precoce antes que suas necessidades se tornem mais graves. Mas também há evidências de que esse tipo de treinamento pode promover o bem-estar mental em toda a população. Em descobertas preliminares da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins, dois terços dos adolescentes entrevistados relataram que usaram as estratégias de autocuidado do curso de treinamento para lidar com seu próprio estresse.

A mil milhas a oeste de Nova Jersey, em Ottumwa, Iowa, a Ottumwa High School também se preocupa com o bem-estar mental dos alunos. A escola, que atende uma população com renda muito menor do que Ramsey, tem apenas um conselheiro de saúde mental dedicado para seus 1.300 alunos. (A Ramsey High School tem dois para 780 alunos.)

O conselheiro de Ottumwa, Kolby Streeby, pontua que “os amigos são a primeira linha de defesa quando os alunos estão passando por momentos difíceis. Infelizmente, a família nem sempre é um bom suporte para eles”.

O conselheiro de Ottumwa pontua que “os amigos são a primeira linha de defesa
Foto: shutterstock

Streeby e seus alunos disseram que a homofobia familiar e a transfobia são problemas na comunidade. Outros alunos estão lidando com o abuso de substâncias de um membro da família; Iowa é conhecido por altas taxas de uso de metanfetamina em particular.

Streeby, que já era certificado em Primeiros Socorros em Saúde Mental, ficou entusiasmado ao ouvir sobre o Programa de Saúde Mental para Adolescentes. Ela ofereceu o treinamento aos nove membros do clube estudantil que ela supervisiona, o Teen Outreach Program.


Leia também

Capacitar os jovens para reconhecerem suas emoções


Os alunos concluíram o treinamento em dezembro. O aluno da décima série Oliver Hernandez-Norris disse que se mostrou útil quase imediatamente. “Percebi alguns sinais em meu amigo que me preocupavam e nem teria pensado nisso se não tivesse feito o treinamento”, disse ele. O amigo estava perdendo o interesse pelas atividades, distanciando-se dos outros e demonstrando raiva. Hernandez-Norris disse que, se não tivesse sido treinado para reconhecer os comportamentos como sintomas de depressão, poderia “ter pensado que eles estavam estressados ​​com o trabalho”.

“Mandei uma mensagem para Kolby [Streeby] e disse: ‘Meu amigo está passando por esses sinais de alerta.’ E eu perguntei ao meu colega em uma ligação – ‘Você está bem? Você quer talvez sair?’ Eles estão bem agora. Eles estavam apenas passando por um momento difícil.”

Von Conley, um veterano, disse que o treinamento os ajudou pessoalmente. “Quando examinamos todos os sinais de alerta de alguém que estava em espiral, reconheci muitos desses comportamentos em mim”, disseram eles. “Quando não estou me sentindo bem, tendo a me afastar de todos. No momento, senti que precisava fazer algo melhor para mim – precisava confiar nas pessoas que amo, em vez de esconder isso.”

Embora os estressores que contribuem para os problemas de saúde mental sejam mais comuns em comunidades de baixa renda, parece que a adoção do programa, em sua maior parte, começou em distritos mais ricos e de maioria branca.

O custo direto do programa — excluindo o tempo em sala de aula e para desenvolvimento profissional — pode variar de US$ 1.700 para um pequeno pacote de treinamento e materiais para instrutores, até US$ 52.000 para um pacote distrital. Esses custos podem ser cobertos pelo orçamento regular da escola, subsídios federais — incluindo o Project AWARE — ou por doadores externos.

Gorman e O’Rourke em Nova Jersey, e vários alunos entrevistados em Iowa, dizem que o treinamento os tornou melhores amigos – mais abertos, mais empáticos, mais propensos a fazer check-in porque tinham a linguagem para falar sobre tempos difíceis e as ferramentas práticas para ajudar. “Quando um amigo corajoso quebra o gelo com esse tipo de coisa, as pessoas começam a inundar a conversa”, observa O’Rourke.

*Esta história sobre primeiros socorros em saúde mental foi produzida pelo The Hechinger Report, uma organização de notícias independente sem fins lucrativos nos EUA focada na desigualdade e inovação na educação.

Leia também:

António Nóvoa: aprendizagem precisa considerar o sentir

Autor

The Hechinger Report


Leia Edição 293

Guerra de extremistas_1

Crianças pagam o preço pelas guerras de extremistas

+ Mais Informações
educação nos presídios_2

O impacto positivo da educação focada nos presídios

+ Mais Informações
Bett Brasil_1

Gestores educacionais e a busca constante pela atualização na Bett Brasil

+ Mais Informações
matemática_shutterstock

Alucinações numéricas: matemática continua sendo um dos maiores...

+ Mais Informações

Mapa do Site