Pedagogia: possibilidades além da docência

Professora da Universidade Mackenzie pontua os leques profissionais e a importância de possuir competências e habilidades que dialoguem com as transformações atuais

A lei 13.083 de 2015 institui 20 de maio como o Dia Nacional do Pedagogo, visando valorizar e reconhecer a carreira. Porém, é importante ressaltar que essa profissão não se limita apenas ao ambiente escolar. “A pedagogia é uma área que forma um profissional que tem a prática de ensinar, é alguém que estuda e aplica a arte de educar; é preciso compreender que o pedagogo tem um papel na sociedade que é mais do que a docência”, afirma Ana Lúcia de Souza Lopes, professora do curso de pedagogia da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Leia: Professores: saúde mental fragilizada e a desvalorização como regra

pedagogia possibilidades profissionais

Foto: Envato Elements

Lopes reforça que a formação em pedagogia abrange o lecionar, a participação na gestão, avaliação de sistemas e instituições de ensino em geral; elaboração, execução e acompanhamento de programas e atividades educativas. “Sua ação implica em processos educativos em escolas e outros ambientes, como hospitais, por exemplo, em educação corporativa, em áreas tecnológicas, para citar só algumas. Atuação em gestão educacional, planejamento e desenvolvimento em áreas que necessitem de conhecimentos pedagógicos. Com a internet, o volume de informações e as inúmeras possibilidades de comunicação, a educação perpassa todas as esferas da sociedade e o pedagogo precisa ter espaço para sua atuação”, defende.

Indagada sobre habilidades e competências hoje necessárias para esses profissionais e que talvez há 10 anos não eram, Ana Lúcia de Souza diz: “o domínio de tecnologias, metodologias mais atuais e o papel de mediador do conhecimento em meio à tantas informações disponíveis. Atuação em outras áreas”.

De olho no chão da escola

A pedagogia permanece como um dos cursos de graduação mais procurados, segundo estudo do Inep de 2020. Contudo, a desvalorização da carreira, por exemplo, o baixo salário, somado à jornada exaustiva, são problemas antigos e que ainda persistem. De novo, o que o país tem para esses profissionais é a Base Nacional Comum para a Formação Inicial (BNC-FI), aprovada em 2019, e a Base Nacional Comum para a Formação Continuada (BNC-FC), de 2020. O que ambas buscam é um educador que saiba lidar com as questões da realidade, tanto que esses documentos apontam as competências e habilidades básicas que todo pedagogo e licenciado precisam ter ao final de sua formação e durante sua atuação profissional.

Com a BNC de Formação Inicial, cursos de pedagogia e licenciatura precisarão reformular seus currículos, uma vez que estágios passam a fazer parte da realidade dos alunos já no primeiro semestre. Há ainda aumento da carga horária para 3.200 horas.  Já na BNC de Formação Continuada, especialistas alertam para como esses desenvolvimentos ocorrerão (leia mais sobre BNC do professor clicando aqui).

Leia também:

100 anos de Paulo Freire: ler o mundo antes das palavras

Escolas Waldorf trocam mensalidade por contribuição “livre”

Envie um comentário

Your email address will not be published.