Para 65% dos professores, escolas devem permanecer fechadas

Pesquisa ‘Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no Brasil’ também constatou que mais da metade não confia nas normas de segurança das escolas

Ainda não é o momento de reabertura das escolas. Pelo menos é o que defendem 65% dos educadores ouvidos na quarta fase da pesquisa Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no Brasil, feita pelo Instituto Península. Ainda sobre o fechamento, 18% não souberem responder. Quando divididos por redes de ensino, 66% dos professores municipais acham que as instituições escolares devem permanecer fechadas contra 16% a favor da reabertura. Na rede estadual, 63% são contra a reabertura e 17% favoráveis. Já no ensino privado, 63% defendem o fechamento e 22% a reabertura.

Leia: Os principais temas educacionais para 2021

A nova fase da pesquisa (cuja primeira etapa ocorreu em março) foi realizada entre 16 e 26 de novembro, com 2.961 professores em uma mostra representativa de todo o Brasil e destaca ainda que, na percepção dos educadores, apenas 28% dos alunos estão motivados a fazer as atividades escolares em casa.

Outra informação importante é a falta de confiança quanto às normas de segurança nas escolas. Os dados completos você confere abaixo.

professores na pandemia

E tem mais. Os educadores se mostram preocupados com outros dois pontos: 60% acreditam que os alunos não estão evoluindo no aprendizado e 91% acham que haverá um aumento da desigualdade educacional entre os estudantes mais pobres.

Leia: Já que vamos reabrir escolas, os professores estão bem?

Presente e futuro

Com pouco mais de oito meses de isolamento, 72% seguem dando aulas de forma remota, 54% acreditam que o futuro da educação deve ser o ensino presencial e 44% que será o formato híbrido. Os outros 2% apostam que o modelo online permanecerá.

“O aumento da desigualdade educacional é realmente preocupante. Para recuperarmos a aprendizagem dos alunos e caminharmos para um modelo híbrido de ensino, é preciso não só incentivarmos a criação de políticas públicas a favor da inclusão digital como um direito de todos os estudantes, mas também avançarmos nas ferramentas e metodologias que conectem e fortaleçam o desenvolvimento do professor e a aprendizagem dos alunos com a sala de aula, seja presencial ou remota”, defende Heloisa Morel, diretora-executiva do Instituto Península.

Confira, a seguir, dados sobre os principais anseios dos educadores neste período atípico:

professores escolas fechadas

professores querem escolas fechadas

Leia também:

Aplicativo gratuito para autodesenvolvimento

José Pacheco e as comunidades de aprendizagem

Envie um comentário

Your email address will not be published.