Instituto buriti abre inscrições para as oficinas nas escolas

O Instituto Buriti, idealizado por Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi com objetivo de promover a integração entre o audiovisual e a educação, começa oficialmente as atividades em abril, com iniciativas em dez escolas em todo o país.

Neste primeiro ano, as atividades do instituto serão realizadas nas cidades de São Paulo (SP), Registro (SP), Londrina (PR), Rio de Janeiro (RJ), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (BH), Cocal dos Alves (PI), Salvador (BA) e Seabra (BA) que vão receber a visita para palestras.

As instituições de São Paulo (CEU Butantã – Professora Elizabeth Gaspar Tunala), Registro (Escola Estadual Koki Kitajima) e Londrina (Escola Estadual Hugo Simas) são as primeiras a receber os seminários sobre o audiovisual como ferramenta de educação. As três as escolas já estão com as inscrições abertas e vão até o dia 1º de abril, em Registro; até 3 de abril, em SP; e até o dia 7, em Londrina.

Os interessados em participar das oficinas devem preencher a ficha de inscrição no Portal Tela BR (www.telabr.com.br/oficinas_itinerantes/inscricao) com dados pessoais e responder um questionário para a seleção, além de serem encorajados a ler o caderno Pedagógico (http://www.telabr.com.br/_conteudo/download/oficinas/caderno_pedagogico.pdf).

Ao todo são 25 vagas oferecidas em cada escola para alunos, professores, funcionários da escola e moradores da região.

“As fichas de inscrição servirão para nós identificarmos o perfil do interessado e, ainda, conhecer a sua forma de pensar. Vamos selecionar os candidatos que demonstrarem nas respostas mais criatividade, raciocínio, conhecimentos básicos de cinema e, principalmente, quais são as ideias que tem para compartilhar”, afirma Edu Abad, coordenador pedagógico do Instituto Buriti.

Durante os três dias de palestras nas escolas, os selecionados aprenderão conceitos básicos de produção (roteiro, câmera, edição, entre outros), além de orientação para dividir grupos e tarefas para criação de curtas-metragens ao longo do ano.

“Esse primeiro módulo tem como objetivo apresentar novos formatos de ensino e, ainda, engajar e aproximar alunos e professores para desenvolvimento de filmes de curta duração. A equipe do Instituto vai mostrar pra eles que é possível fazer isso com uma câmera fotográfica com filmadora ou até com telefone celular”, afirma o cineasta Luiz Bolognesi sobre as oficinas presenciais, que serão realizadas durante o primeiro módulo do projeto.

Após esse período, todo o acompanhamento das atividades será realizado à distância, por meio do Portal Tela Brasil, onde alunos e professores poderão dar continuidade ao aprendizado, além de poder trocar experiências com educadores de outros estados. “O maior desafio do Instituto é manter as atividades e o engajamento dos alunos e professores. Por isso, a web é fundamental”, completa Luiz.

No segundo semestre, de agosto a novembro, as escolas públicas voltam a receber a equipe do Instituto Buriti por mais quatro dias para um novo ciclo de palestras e para finalização dos filmes produzidos nesse período. Para que todos possam conferir o resultado dos meses de trabalho de produção, será organizado um dia para exibição dos curtas-metragens, que será aberto para toda comunidade ao redor da escola.