/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Blog

Como restabelecer o equilíbrio entre tecnologias e seres humanos?

Educação e educadores: ser ou ser, eis a questão

Publicado em 08/08/2023

por Adriana Martinelli

“Não necessitamos de máquinas sem humanidade”, Charles Chaplin

A evolução do ser humano e das máquinas pode ocorrer de forma aritmética, linear ou exponencial, ser convergente ou não. Observando os últimos tempos, parece que estamos nos distanciando em relação ao avanço tecnológico.


Leia também

Transformação humano digital da educação é inevitável

O que ainda nos faz humanos?


Antes de tudo, é importante observar que não há contradições entre o avanço das máquinas, das tecnologias e as questões humanas. A oferta e o acesso generalizado a computadores, sua utilização nas empresas, a popularização da internet, a disseminação dos processadores de texto (como o Word) e o Google foram alguns dos itens que adicionamos às nossas ‘cestas básicas’ de consumo diário. Tudo isso teve impactos significativos em nosso cotidiano e na nossa dinâmica social. 

No entanto, chamo a atenção para o desequilíbrio entre as partes: tecnologia versus seres humanos. Do nosso lado, das transformações humanas, nós, seres humanos, deixamos de ser protagonistas das ações. Abdicamos da ação direta instigadora e nos tornamos coadjuvantes submetidos ao ritmo da evolução tecnológica.

Tecnologias e seres humanos

Do ponto de vista macro, o imenso avanço tecnológico nas últimas décadas ocorreu em uma velocidade ainda mais evidente, o que evidencia o descompasso. Relembrado Charlie Chaplin, “Não sois máquina, homens é que sois”.

Então, se temos consciência, razão e emoção, o que está faltando para restabelecer o equilíbrio entre máquinas, tecnologias e seres humanos?

Hoje, imperativo é ir além. Transcender o ‘Ser’ no sentido substantivo, passivo, e incorporar o ‘Ser’ como um verbo de ação. Isso implica em modificar a rede neural de todo o ecossistema educacional, o que inclui escolas, instituições de ensino, estudantes, professores, educadores, comunidades, sociedades e diversos atores educacionais.

O que fará a diferença daqui para frente é o ser humano aprender quem ele é e como se percebe no tempo-espaço da educação. Para educar melhor, o desenvolvimento passa, invariavelmente, pela aprendizagem dos aspectos relacionados à humanização.

Devido à inegável relevância da educação nas sociedades globais, e sua atuação intrínseca à economia, ao social, ao emocional e nos aspectos tecnológicos e de ‘humanização do ser humano’, cabe à escola e às instituições de ensino aprimorar aspectos como autoconhecimento, empatia, desenvolvimento de competências socioemocionais, entre outros, para si e para os educandos.

tecnologias e humanos
Como restabelecer o equilíbrio entre tecnologias e seres humanos?
Foto: shutterstock

Desenvolvimento do ser humano

É preciso insistir no que é essencial, ou seja, pensar e repensar o ‘Ser’ humano como sujeito da ação. Deixar de agir de maneira substantiva e passiva. Isso porque os educadores são e serão cada vez mais centrais em suas funções como mediadores da informação. Como disse Paulo Freire, “Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo.”

Talvez seja nesse processo contínuo de aprendizado, no gerúndio admissível de ‘aprendendo a ser’, que tenhamos vantagem sobre máquinas, tecnologias e inteligência artificial, que são meios que reúnem uma grande quantidade de informações (aliás, produzidas por seres humanos), mas ‘pecam’ em conectar conhecimentos complexos e separados. 


Leia também

O Pato Donald e o nativo digital – ou o manipulado e acrítico digital


Dotados de inteligência, sentimentos e emoções, são os educadores os agentes capazes de agir, de SER e de promover (nos estudantes) alguns dos aspectos mais importantes para a educação do século 21: autoconsciência, autocontrole e empatia.

Certamente, o desenvolvimento do ser humano não exclui o uso das tecnologias. Ao contrário, envolve aprender a se relacionar de forma crítica e construtiva com elas.

Tecnologias na educação

No contexto educacional, as tecnologias são fundamentais para potencializar o processo de ensino e aprendizagem. Não precisamos descartá-las, impedir seu uso ou adiar sua aplicação, mas sim incorporá-las de maneira consciente e responsável, reconhecendo seu papel como ferramentas que podem ampliar as oportunidades educacionais e promover uma educação mais dinâmica e efetiva.

Preparar as novas gerações para o mundo da ciência, tecnologia e inovação traz benefícios, no mínimo, econômicos e sociais. Em todo o mundo, alguns países já aprenderam com isso e são referências nos exames internacionais que medem o nível de conhecimento dos estudantes.

Edgar Morin, um dos mais respeitados pensadores do nosso tempo, escritor e filósofo, descreve bem o atual momento da humanidade, apontando que “estamos adormecidos, apesar de estarmos despertos, pois diante da realidade tão complexa, mal percebemos o que se passa ao nosso redor”. 

Para Morin, é preciso compreender não apenas os outros, mas também a si mesmo, é necessário se autoexaminar e analisar a autojustificação, pois o mundo está cada vez mais devastado pela incompreensão, que é o câncer das relações entre os seres humanos.

Se estamos distantes do protagonismo do ser humano e do seu desenvolvimento, em clara desvantagem em relação às ‘máquinas’, como vamos educar para o presente e o futuro?

*Adriana Martinelli é diretora de conteúdo da Bett Brasil, maior evento de inovação e tecnologia para a educação na América Latina

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Adriana Martinelli


Leia Blog

educação pública_Damaris Silva

Histórias da educação pública que inspiram e transformam

+ Mais Informações
jovens-nem-nem_2

País precisa olhar para os jovens nem-nem

+ Mais Informações
Saude-mental_professores-em-2024

A jornada dos professores em 2024 começa pelos cuidados com a saúde...

+ Mais Informações
desinformação_Sayad

As cidades contra a desinformação

+ Mais Informações

Mapa do Site