COLUNISTAS

Colunista

Adriana Fóz

É neuropsicóloga, educadora e diretora da NeuroConecte

Publicado em 05/06/2023

Educar na era do emburrecimento

Na era do emburrecimento, a neuropsicóloga Adriana Fóz alerta que é preciso agir como redes neurais saudáveis

era-do-emburrecimento Foto: Shutterstock

Temos falado muito mais sobre educação, sua importância estrutural, novos métodos pedagógicos, tecnologias inovadoras, mas pouco de como solucionar o fato de que uma grande parcela dos estudantes está emburrecendo. 

Busca-se velocidade em todas as ações, soluções instantâneas e mais resultados por meio de menos empenho e reflexões. Mas, relembrando o que disse o educador Miguel Arroyo¹, “os tempos não são de dar remédios e receitas fáceis, mas de aguçar o pensar, de ir à procura de densidade teórica (e prática) para entender ocultos significados”. Será que podemos estar nos distanciando do desenvolvimento de nossos cérebros, emoções e pensamentos que nos tornaria mais “densos” intelectualmente a ponto de não sermos tão facilmente enganados ou equivocados?


Leia também

Ensinar a juventude a fazer ou a pensar sobre o que faz?

Inteligência artificial exige escola pensante


Vou usar como referência dados do QI (quociente de inteligência) do brasileiro que, apesar dos pesares deste conceito, ainda é a ferramenta adotada e validada na maioria dos países para avaliar o assunto ‘inteligência’. Desde já, relembro alguns pontos: não existe uma inteligência única e universal; o QI demonstra apenas um conjunto de habilidades verbais e lógico-matemáticas relevantes para um dado contexto das sociedades globalizadas, urbanas; e não contempla outras expressões da grande capacidade humana como habilidades musicais, artísticas, socioemocionais, por exemplo.

Esta medida expressa a capacidade intelectual (linguística verbal e lógica racional) de um indivíduo com base em critérios de referência e comparação em percentis, estabelecendo uma relação entre sua idade mental e cronológica.

O fato é que o QI está notoriamente em queda. A média nacional é atualmente de 83 pontos (a média mundial é 100). Como enfatiza e atesta o economista Stephan Kanitz, que fala com frequência sobre a temática da economia e educação²: isto é “assustador”. QIs abaixo de 80, que é uma realidade para 44% da população brasileira, significa reduzidas (eu diria até pífias) capacidades para produzir com qualidade, ainda segundo sua análise. Mas, quais serão as implicações destes escores para o futuro da educação brasileira?

No século 20, de acordo com estudos reconhecidos mundialmente, houve um aumento de respostas corretas nos testes de QI (três pontos a cada nova geração), o que foi intitulado de ‘efeito Flynn’. Este termo se referia ao aumento de longo prazo nos níveis de inteligência, o que muito provavelmente se deu por meio do melhor acesso à educação, dentre outros aspectos.


Leia também

Neurogênese, plasticidade cerebral e a sala de aula


Pena que muitos estudos recentes mostram que o ‘efeito Flynn’ foi invertido, pois no século 21 constatou-se uma curva em queda do QI, isso depois de aproximadamente 100 anos.  Vários estudos, tanto nos EUA quanto na Europa, nas últimas duas décadas, sugerem que tal efeito já havia estagnado ou começado a se reverter. Por exemplo, pesquisas com pessoas na Finlândia sugeriram que as pontuações de QI caíram 2 pontos de 1997 a 2009, enquanto na França as pontuações diminuíram 3,8 pontos de 1999 a 2009.

Descobertas semelhantes também foram relatadas no Reino Unido, Noruega, Dinamarca, Austrália, Holanda e Suécia (IFL Science, 20233). Uma outra fonte, o Science Alert de 2018, revela uma pesquisa robusta onde o efeito Flynn atingiu seu pico em pessoas nascidas em meados da década de 1970 e que vem diminuindo desde então significativamente (Forbes Technology Council4).

Nenhum fator isolado pode explicar essas tendências complexas, embora alguns pesquisadores tenham argumentado que isso se deve tanto a fatores ambientais quanto genéticos — o que faz bastante sentido na prática. Tais fatores ambientais incluem a educação, nutrição, mas também o fato de lermos menos, o surgimento da tecnologia e seu uso abusivo.  


Escute nosso podcast


Você pode ainda perguntar: mas e tantos avanços na agricultura, medicina, e outras áreas, não se deve a competências intelectuais aumentadas? Bom, depende do ponto de vista, que talvez seja o do olhar de Steven Pinker, “se colocarmos a história humana dentro da escala dos séculos não poderia deixar de perceber o fato de que estamos vivendo agora em um período de inteligência extraordinária”5.  

Infelizmente, isto significa que não estamos dando condições para a maioria das crianças e adolescentes serem mais capazes, autônomos, vivenciando bem-estar e saúde mental. Uma coisa é um tempo, um período da história da humanidade de realizações espetaculares do ser humano. Outra é possibilitar que estas não sejam desfrutadas, ‘processadas’ e gozadas apenas por poucos.

A despeito do QI, será que estamos formando jovens para serem bem-sucedidos no futuro próximo? Busquei em uma empresa de consultoria internacional, McKinsey6, para um curso que contou com uma palestra minha pela PUC-PR Digital (aquela que teve a participação do Yuval Harari e que muito me honrou), um contraponto de quais serão as habilidades exigidas fortemente pelo mercado de trabalho no futuro breve.

É mais fácil entender que cada vez estamos sendo menos demandados de nossas habilidades físicas e manuais, certo? O resultado da consultoria revela que as habilidades cognitivas altas, as socioemocionais e as tecnológicas estão sendo progressivamente muito mais demandadas e que serão cruciais para os profissionais do amanhã.


Leia também

Uma ponte entre o cérebro e o professor


Então, um dos principais alertas que faço aqui é o fato da progressiva falta de foco, a sobrecarga de estímulos que não apenas diminui a inteligência de qualquer natureza, mas também afeta nossa capacidade de realizar tarefas complexas e ter capacidade de tomar decisões confiáveis e assertivas.

Também está afetando fortemente nossa inteligência emocional, pois nos tornamos vítimas da fadiga, do estresse tóxico devido ao excesso de estímulo tecnológico fazendo emergir uma geração humana mais adoecida. Segundo Walter Longo, um dos maiores experts brasileiros em IA (Inteligência Artificial), as habilidades que deveriam ser mais desenvolvidas são imaginação, expressão e repertório, uma vez que a inteligência artificial poderá realizar todo o resto.

Mas se o indivíduo não for capaz de criar e inovar, ou seja, de desenvolver suas inteligências ou ainda de se fazer compreender e para tanto desenvolver habilidades para a assertividade, comunicação e múltiplas linguagens, o ChatGPT ou o Midjourney, por exemplo, só serão úteis para o ser humano produzir para ele próprio, aumentando um cacoete da nossa era, bem “emburrecedor”: o narcisismo digital7.

Qual, então, será a nossa escolha? Construir uma nação mais resignada e emburrecida, ou mais consciente e potente? Tomara que possamos agir como ‘redes neurais saudáveis’ mediante o uso inteligente da tech digital para o melhor de cada um, dos outros e de todos.

Referências do artigo que alerta sobre a era do emburrecimento

1.ARROYO, M. G.  Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. 8ª ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, janeiro, 2007 p. 18. disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2554-6.pdf

2. KANITZ, S. Os principais problemas do Brasil na educação. In: Blog Para se pensar. 10 março 2023. Disponível em: https://blog.kanitz.com.br/os-principais-problemas-do-brasil-na-educacao/

3. IQ Scores In The US Have Recently Dropped For First Time This Century. IFL Science. 09 março 2023. Disponível em: https://www.iflscience.com/iq-scores-in-the-us-have-recently-dropped-for-first-time-this-century-67907

4. Technology Is On The Rise, While IQ Is On The Decline. Forbes Technology Council. 29 de abril 2020. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/forbestechcouncil/2020/04/29/technology-is-on-the-rise-while-iq-is-on-the-decline/?sh=2e346494b103   

5. PINKER, S. The Better Angels of Our Nature: Why Violence Has Declined. Londres: Editora Penguin Books, 4 outubro 2011

6. U.S. Bureau of Labor Statistcs. McKinsey Global Institute. Disponível em: https://www.mckinsey.com/mgi/overview

7 .Palestra de Walter Longo no IAX-Inteligência Artificial Experience em São Paulo. maio de 2023.
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=3WjtSWtg2kg

Leia também:

Como o cérebro aprende e a importância de lidar com as emoções


Leia mais

educação ambiental

Caminhos para gestores e professores implantarem a educação ambiental em...

+ Mais Informações
Sustentabilidade

Mais que aprender, vivenciar

+ Mais Informações
rotina escolar

Rotina escolar não pode ser espetáculo farsesco e perigoso

+ Mais Informações
humanidade

Continuará a saga humana no embate entre humanidade e crueldade?

+ Mais Informações

Mapa do Site