/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Formação Docente

Aumenta a atuação de professores sem certificado em escolas do Sul dos EUA

Por Talia Richman e Trisha Powell Crain*, dos Estados Unidos: À medida que as escolas do Sul lutam com vagas, muitas se voltam para professores sem certificado de ensino ou treinamento formal para atender os alunos. Os administradores do Alabama contratam cada vez mais educadores […]

Publicado em 21/12/2022

por The Hechinger Report

Por Talia Richman e Trisha Powell Crain*, dos Estados Unidos: À medida que as escolas do Sul lutam com vagas, muitas se voltam para professores sem certificado de ensino ou treinamento formal para atender os alunos.

Os administradores do Alabama contratam cada vez mais educadores com certificações de emergência, geralmente em bairros de baixa renda e maioria negra. Enquanto isso, o Texas permitiu que cerca de um em cada cinco novos professores evitassem a certificação no ano letivo passado.

Em Oklahoma, os legisladores expandiram um programa ‘adjunto’ que permite que as escolas contratem candidatos sem treinamento de professores se eles atenderem às qualificações de um conselho local. E depois há a Flórida, onde veteranos militares sem diploma de bacharel podem ensinar por até cinco anos usando certificados temporários.


Leia: Jovens não querem ser professores


Esses estados fornecem uma janela para a abordagem de retalhos em todo o Sul que permite que aqueles sem treinamento tradicional liderem uma sala de aula. As autoridades devem determinar se é melhor contratar essas pessoas, mesmo que não estejam totalmente preparadas, ou deixar as crianças acabarem em turmas lotadas ou com substitutos.

“Eu vi o que acontece quando você não tem professores na sala de aula. Eu vi a luta”, lembra o administrador de Dallas, Maxie Johnson, pouco antes de o conselho escolar aprovar a expansão da dependência daquele distrito de professores não certificados. Ele acrescentou: “Prefiro ter alguém que meu diretor tenha examinado, em quem meu diretor acredite, que possa fazer o trabalho”.

Uma análise do Conselho Regional de Educação do Sul (Southern Regional Education Board – SREB – em inglês), sobre os dados de 2019-2020 em 11 estados descobriu que cerca de 4% dos professores – que podem ser até 56.000 educadores – não eram certificados ou ensinavam com uma certificação de emergência. Além disso, 10% estavam ensinando fora do campo, o que significa, por exemplo, que podem ser certificados para ensinar inglês no ensino médio, mas designados para uma aula de matemática do ensino médio.

Até 2030, cerca de 16 milhões de alunos K-12 na região podem ser ensinados por um professor despreparado ou inexperiente, os projetos do Conselho Regional de Educação do Sul.

“Reduzir os padrões e diminuir a preparação, o treinamento e o apoio aos professores vem acontecendo há pelo menos uma década, se não mais”, disse Megan Boren, do SREB. “A escassez está piorando e a moral continua caindo para os professores.”

Os distritos precisam de correções imediatas para tapar os buracos.

Os curadores de Dallas, por exemplo, aderiram a um programa estadual que permite que os distritos ignorem os requisitos de certificação, muitas vezes contratando profissionais do setor para aulas relacionadas à carreira. Mas o segundo maior distrito do Texas teve que preencher as salas de aula do ensino fundamental e as matérias básicas do ensino fundamental e médio. O DISD contratou 335 professores por meio da isenção a partir de meados de setembro.

Foto: Freepik

A dependência do Texas de novas contratações não certificadas aumentou na última década. No ano letivo de 2011-12, menos de 7% dos novos professores do estado – cerca de 1.600 – não tinham certificação. No ano passado, cerca de 8.400 das quase 43.000 novas contratações do estado não eram certificadas.


Leia: Formação continuada de professores assume contornos de um desafio global


No Alabama, quase 2.000 dos 47.500 professores do estado – 4% – não possuíam um certificado completo em 2020-21, o ano mais recente para o qual há dados disponíveis. Isso é o dobro da dependência do estado em relação a esses educadores cinco anos antes. E quase 7% dos professores do Alabama estavam em salas de aula fora de suas áreas de certificação, com as porcentagens mais altas em áreas rurais com altas taxas de pobreza.

Muitos estados afrouxaram os requisitos desde o início da pandemia, mas contar com professores não certificados não é novidade.

Quase todos os estados têm licenças de emergência ou provisórias que permitem que uma pessoa que não tenha cumprido os requisitos para a certificação ensine. Essas licenças geralmente podem ser usadas por vários anos, de acordo com o Conselho Nacional de Qualidade do Professor, também sem fins lucrativos.

A pressa de colocar mais corpos nas salas de aula apenas atrasa o inevitável, pois esses professores não tendem a ficar tanto tempo quanto os outros, diz Shannon Holston, chefe de políticas do Conselho Nacional de Qualidade do Professor. Enquanto isso, o aprendizado dos alunos sofre porque a qualidade da educação é prejudicada, acrescenta.

“Tem algumas consequências não intencionais no futuro que, no imediatismo de tentarmos talvez corrigir um desafio de pessoas para o ano letivo de 22-23, tenha consequências maiores ou mais tributáveis ​​no futuro”, alerta.

Em um estudo de 2016, o Departamento de Educação dos EUA informou que 1,7% de todos os professores não tinham uma certificação completa. Ele subiu para cerca de 3% em escolas que atendiam muitos alunos negros ou crianças aprendendo inglês, bem como escolas em áreas urbanas e de alta pobreza.

A utilização de tais educadores pode ser concentrada em determinados campos e áreas de conteúdo. Um exemplo: as escolas de ensino médio do Alabama.

O condado rural de Bullock, por exemplo, não tinha professores de matemática certificados no ano passado em seu ensino médio. Quase 80% dos alunos são negros, 20% são hispânicos e sete em cada 10 de todos os alunos estão na pobreza.

Christopher Blair, o ex-superintendente das escolas do condado, lutou por muito tempo para recrutar professores. Os condados mais pobres não podem competir com salários mais altos nos distritos vizinhos, e as iniciativas estaduais de recrutamento muitas vezes não são suficientes para aumentar o número de professores quando cada vez menos educadores estão se formando em programas tradicionais.

Blair, que renunciou ao cargo na primavera passada, lançou um programa no condado de Bullock para ajudar a certificar seus professores de matemática e ciências.

“Mas isso está mudando lentamente à medida que o grupo de professores para todas as áreas de conteúdo diminui”, conta o antigo superintendente.


Leia: Com poucos professores negros, faculdades não possuem programas antirracistas consistentes


Em Montgomery, sete das 10 escolas de ensino médio tiveram taxas superiores a 10%, e três delas ultrapassaram 20%. Birmingham tinha três escolas de ensino médio onde mais de 20% dos professores tinham certificação de emergência. A porta-voz de Birmingham, Sherrel Stewart, afirma que as autoridades distritais procuram bons candidatos para certificações de emergência e, em seguida, dão-lhes o apoio necessário por meio de orientação robusta.

“Temos que pensar fora da caixa”, disse ela. “Porque realisticamente, você sabe, esse grupo de candidatos nas escolas de educação reduziu drasticamente, mas a demanda por educadores de alta qualidade ainda existe.”

Antes de 2019, um certificado de emergência no Alabama só podia ser usado por um ano. Mas depois que uma força-tarefa de falta de professores recomendou mudanças, os legisladores mudaram para uma certificação de dois anos e deram aos educadores a opção de estender mais dois anos.

A proibição de usar tais certificados no ensino fundamental também foi levantada.

Desde então, o número de professores com certificados de emergência aumentou dramaticamente em escolas rurais, urbanas e de baixa renda em todo o estado.

A maior porcentagem de professores com esse status no Alabama durante o ano letivo de 2020-21 foi na zona rural do condado de Lowndes, em uma escola primária, onde sete dos 16 professores – 42% do corpo docente – tinham um certificado de emergência, contra três no ano anterior. A maioria dos 200 alunos da escola, cerca de 70%, são de famílias de baixa renda. Apenas 1% dos alunos testados alcançaram proficiência em matemática naquele ano.

O Conselho Nacional de Qualidade do Professor recomenda que os estados não ofereçam certificações de emergência, mas se o fizerem, elas devem ser válidas apenas por um ano e não renováveis.

Os diretores de Dallas procuram indivíduos ‘ qualificados’ comprometidos com o ensino e com sólida formação acadêmica, rebate Robert Abel, chefe de gestão de capital humano do distrito. “Para nós, é sobre a paixão, não sobre o papel.”

As contratações não certificadas de Dallas – que devem ter um diploma universitário – participam de treinamento contínuo específico do distrito sobre gerenciamento de sala de aula e práticas eficazes de ensino.

Abel destaca que o distrito está recebendo relatórios positivos na medida em que muitos que entraram por esse caminho alcançaram distinções acadêmicas com seus alunos.

Os legisladores do Texas adotaram políticas que dão às escolas públicas flexibilidade na contratação de professores não certificados. Em 2015, o estado afrouxou os requisitos de certificação de professores sob um programa chamado Distritos de Inovação. Mais de 800 distritos de escolas públicas — de mais de 1.000 — têm a flexibilidade de permitir que pessoas não certificadas ensinem em áreas específicas.

Charters, um setor crescente de escolas públicas que opera independentemente dos distritos tradicionais, também tem margem de manobra nos requisitos de certificação. Alguns grupos de professores se preocupam com expectativas inconsistentes para candidatos a professores.

“Você está lidando com a vida das crianças e tem responsabilidades muito extremas e importantes relacionadas às crianças”, pontua Andrea Chevalier, ex-lobista da Associação de Educadores Profissionais do Texas. “Ter a certificação demonstra o profissionalismo que é necessário para isso.”

As autoridades do Texas não forneceram informações sobre onde esses professores estão concentrados e quais áreas estão ensinando. Não se sabe como o influxo de professores não certificados afeta os alunos.

Um grande professor precisa de sensibilidade e empatia para entender como uma criança é motivada e o que pode interferir no aprendizado, diz Lee Vartanian, reitor da Universidade Estadual de Atenas e supervisor da Faculdade de Educação da Universidade do Alabama, Ele pontua que os professores devem saber como manter a atenção de uma criança, envolvê-la e garantir que a informação seja mantida.

“Eles são apenas menos preparados sistematicamente”, explica. “E, portanto, as chances são de que eles não tenham o histórico e a compreensão de onde as crianças estão em desenvolvimento e emocionalmente”.

Rebecca Griesbach*, do Alabama Education Lab, contribuiu para este relatório.

A equipe do Alabama Education Lab no AL.com é apoiada por meio de uma parceria com o Report for America, um programa de serviço nacional sem fins lucrativos que coloca jornalistas em redações locais para relatar questões ocultas.

Esta história sobre professores não certificados foi produzida pelo Dallas Morning News e AL.com como parte de Tackling Teacher Shortages, uma série contínua que revela áreas críticas do pessoal escolar com foco nas lacunas que mais afetam crianças e famílias. A série faz parte de uma colaboração de oito redações entre AL.com, The Associated Press, The Christian Science Monitor, The Dallas Morning News, The Fresno Bee na Califórnia, The Hechinger Report, The Seattle Times e The Post and Courier em Charleston, Carolina do Sul, com apoio da Solutions Journalism Network.

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

The Hechinger Report


Leia Formação Docente

ensino superior

Aplicações do ChatGPT e desafios no ensino superior

+ Mais Informações
José Pacheco

José Pacheco convoca para novas construções sociais de aprendizagem

+ Mais Informações
ilustração artigo edulab21

Desenvolvimento socioemocional e motivação para despertar o potencial...

+ Mais Informações
competencias-digitais-professores

A urgência de desenvolver no professor competências digitais

+ Mais Informações

Mapa do Site