/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Edição 290

Felicidade gera alta performance no aprendizado

Atenta ao que torna as pessoas infelizes, sociedade sabe pouco sobre a felicidade. O tema é um dos mais concorridos entre alunos de Harvard. No Brasil, escolas começam a incluir o bem-estar nas atividades

Publicado em 18/11/2022

por Karen Cardial

Em 1998, pesquisas no campo da psicologia constataram que, para cada estudo sobre felicidade e prosperidade, foram conduzidos 17 estudos sobre depressão e distúrbios. Esses dados revelam que a sociedade sabe muito bem como é estar mal e tão pouco sobre como ser feliz.

Shawn Achor, autor e palestrante estadunidense conhecido por sua defesa da psicologia positiva, conta em seu livro O jeito Harvard de ser feliz (ed. Benvirá) que isso ficou claro quando foi convidado a dar uma palestra na “Semana do bem-estar” em uma das escolas mais elitistas da Nova Inglaterra, cujos tópicos eram: transtornos alimentares, depressão, drogas, violência e comportamento sexual de risco. Shawn pensou que aquela era, na verdade, uma semana do mal-estar. 

Distanciando-se do foco tradicional da psicologia, que se concentra nos fatores que tornam as pessoas infelizes e como elas podem voltar ao ‘normal’, também em 1998, Martin Seligman, então presidente da American Psychological Association, revolucionou a abordagem tradicional da psicologia, concentrando-se no lado positivo da curva. Seligman sabia que era preciso estudar o que funciona e não só o que emperrou. E assim nasceu a psicologia positiva.


Leia também

Como o cérebro aprende e a importância de lidar com as emoções

A vez é da aprendizagem afetiva, necessária para o individual e coletivo


Quatro de cada cinco alunos da Universidade Harvard sofrem de depressão pelo menos uma vez durante o ano letivo, e aproximadamente metade de todos os alunos sofre de uma depressão tão debilitante que não conseguem exercer suas atividades, é o que revelou, em 2004, um levantamento do The Harvard Crimson (jornal estudantil diário da Universidade Harvard, fundado em 1873). E foi exatamente ali, lar de muitos jovens cronicamente infelizes, que surgiram as aulas de felicidade mais concorridas de Harvard até hoje, ministradas pelo professor Tal Ben-Shahar. Em seguida outras universidades do país, como Stanford e Yale, colocaram em suas grades curriculares a disciplina da felicidade.

No Brasil, as aulas de felicidade também adentraram as universidades, com grandes polos de estudo da psicologia positiva e trilhas de felicidade, como a PUC do Rio Grande do Sul e a Universidade Cruzeiro do Sul.

Da minha felicidade quem sabe sou eu

A felicidade depende da pessoa que a vivencia. Tudo depende de como a pessoa se sente em relação à sua própria vida, então, só ela pode saber até que ponto é feliz. Dessa forma, para estudar a felicidade, os cientistas se baseiam na autoavaliação das pessoas. Após anos de testes com milhões de pessoas ao redor do mundo, os pesquisadores desenvolveram métricas de autoavaliação que mensuram a felicidade individual com precisão e segurança. 

Sérgio Amad, docente do Hospital Albert Einstein e pós-graduado pela FGV e pela Universidade de Ohio, explica que a neurociência define a felicidade como a capacidade de o cérebro ativar a sensação de prazer por meio da dopamina, serotonina, endorfina e ocitocina, neurotransmissores que representam o quarteto da felicidade e que ativa estas substâncias para desfrutar de seus benefícios. 

Felicidade

Sérgio Amad: “além do bem-estar, a felicidade gera alta performance no aprendizado”
Foto: Stefhany Padilha

Há um conjunto de ferramentas que qualquer pessoa pode utilizar para elevar a cada dia seu nível de realização. Uma atividade rápida que a faça sorrir e, por mais trivial que possa parecer, seus benefícios são inquestionáveis. Até as menores descargas de positividade podem proporcionar uma vantagem competitiva substancial.

Para Tal Ben-Shahar, o professor da aula mais concorrida de Harvard, a felicidade é a combinação de cinco elementos: bem-estar físico, emocional, intelectual, relacional e bem-estar espiritual, conta Gustavo Arns, professor da pós-graduação em psicologia positiva da PUC-RS e PUC-PR e coordenador da primeira graduação em ciência da felicidade do Brasil pela Unicesumar.

“Nutrir este estado interno positivo é importante ao longo da nossa vida em todas as esferas – na escola especialmente, seja pela equipe gestora, pelos professores e pelas crianças e jovens”, afirma Gustavo.

felicidade

“Para Tal Ben-Shahar, a felicidade é a combinação de cinco elementos: bem-estar físico, emocional, intelectual, relacional e bem-estar espiritual”, conta Gustavo Arns
Foto: Fabiano-Scheck


Leia também

António Nóvoa: aprendizagem precisa considerar o sentir


Escola, lugar de promover bem-estar

O padrão de manter foco no negativo permeia não apenas as pesquisas e a sociedade, mas também as escolas. Quando se fala de psicologia positiva e estudo da felicidade nas escolas, a referência são os estudos que o professor Martin Seligman levou para a escola australiana Geelong Grammar School (GGS), a primeira escola do mundo a implementar os princípios da psicologia positiva em toda a instituição de ensino. Por meio de pilotos, conseguiram comprovar o aumento do nível de bem-estar no momento em que o piloto rodava e também por um longo período de tempo (quatro, cinco, seis meses).                                                                                                      

No Brasil, há escolas que aplicam aulas de felicidade por meio da psicologia positiva sistematizada. O Colégio Anglo São José dos Campos, Colégio Anglo Taubaté e o Colégio Agostiniano Mendel, por meio do Método Happiness, contam, por exemplo, com material didático para o aluno, professor e família. O método foi implantado pela primeira vez no Instituto Melo Cordeiro, ONG fundada pela especialista em psicologia positiva e educação moderna pela PUC-RS, Kethlin Melo. Os resultados demonstraram que com o nível de bem-estar aumentado, as crianças em extrema vulnerabilidade conseguiam aprender a ler, escrever e resolver contas básicas de matemática, o que antes não faziam. 

felicidade

Kethlin Melo: com o nível de bem-estar aumentado, crianças em extrema vulnerabilidade conseguiram aprender a ler, escrever e resolver contas básicas de matemática, o que antes não faziam
Foto: DM Foto e Filme

A compreensão de que ensinar felicidade na escola é absolutamente relevante é a principal dificuldade, expõe Kethlin. “Espalhar a notícia de que existe comprovação científica de que o aumento do nível de bem-estar contribui para os resultados como um todo na vida da criança e do jovem, é o primeiro impacto desse processo”, enfatiza.

Sérgio Amad, que também é CEO da Fiter (tecnologia de neurociência aplicada às pessoas) e especialista em felicidade no ambiente de trabalho e na educação, afirma que a felicidade na educação é a capacidade cerebral de ativar a sensação de prazer em quatro gatilhos de dimensão: pessoa certa no curso certo; o orgulho de pertencer à escola; o clima favorável de estudo; sensação de autoaprendizado. Para ele a junção desses fatores fecha o gabarito do conceito de felicidade no cérebro. 

Quando o cérebro dos alunos trabalha com favorabilidade e com dopamina (neurotransmissor e um dos hormônios da felicidade), ele ativa a sensação de prazer e cria vínculos de aprendizado, explica Sérgio. “Além do bem-estar, a felicidade gera alta performance no aprendizado”, acrescenta.

Sérgio realiza medição de pulso de felicidade nas escolas utilizando métodos científicos. São oito perguntas feitas uma vez por mês, pelo computador ou celular e com o apoio de um responsável. Mês a mês, os professores e a coordenação têm acesso às taxas de felicidade para montar um plano de desenvolvimento da felicidade para o aluno.

“Com essa informação junto ao responsável, o aluno pode descobrir, por exemplo, que o clima na sala de aula é o fator que precisa ser desenvolvido naquele mês por meio de semânticas psicopedagógicas”, explica Sérgio, fundador da Happiness Brasil (evento de inovação e tecnologia em neurociência e recursos humanos). 

Para outras crianças, o resultado pode apontar o aprendizado como ponto-chave para ser desenvolvido. Do outro lado, há os professores e a coordenação pedagógica que, de uma forma simples, utilizam a ciência de dados para obter o diagnóstico e se antecipar – para acessar a plataforma e ter acesso aos dados, o professor e o coordenador precisam de uma certificação que os habilite a interagir da forma correta.

Pós-pandemia, ESPAÇO de urgências

O olhar para a saúde mental foi intensificado após a pandemia, quando crianças e jovens retornaram para a escola com os aspectos emocionais abalados. “A escola percebeu que não dá para separar a parte cognitiva da emocional e deixar de falar dessas questões em sala de aula”, expressa Kethlin.

Quando se mede a felicidade dos alunos, ocorre uma antecipação e se olha para o futuro, diminuindo a evasão escolar. A taxa de felicidade aumenta e cresce também a sensação de prazer na escola, o centro de aprendizagem e o desempenho dos alunos. “Quando olharmos daqui a 10 anos ou 15 anos, veremos adultos no mercado de trabalho com histórico cerebral de alto índice de dopamina no cérebro, evitando esgotamento e doenças psíquicas no futuro. Aumenta desempenho, reduz evasão e contribui nas próximas gerações com mais índice de dopamina cerebral”, conclui Sérgio Amad.

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Karen Cardial


Leia Edição 290

pexels-rodnae-productions-8033866.jpg - destaque

A invocação da filha de Paulo Freire

+ Mais Informações
shutterstock_707694577 - destaque

Fé de superfície

+ Mais Informações
shutterstock_2054222306

Para avançarmos, as crianças devem aprender a verdade sobre o racismo

+ Mais Informações
shutterstock_1528360379

Escola como parede ou como rede?

+ Mais Informações

Mapa do Site