COLUNISTAS:

Colunista

Raquel Alves

Filha do educador Rubem Alves, foi presidente do Instituto Rubem Alves. É escritora, palestrante e fundadora da Arquitetura do Sensível

Publicado em 04/08/2022

Os ipês e a educação

Nesta coluna, as memórias da filha de Rubem Alves com o pai conversam sobre os ensinamentos dos ipês com a educação

E eles estão florescendo de novo, trazendo as muitas lembranças que andavam adormecidas em mim.

Meu pai, simplesmente, era fascinado pelos ipês amarelos. Dizia se identificar com eles… Coisa de gente que não segue o comboio da maioria e tem coragem de defender seu jeito de pensar e de acreditar na humanidade.

Os ipês são assim, florescem no inverno, enquanto a grande maioria das árvores prefere a primavera ou o verão para vestirem suas roupas de flor. Os ipês declaram suas opiniões e preferências e era justamente essa a afinidade de Rubem Alves com eles.


Leia também

Espaços que educam: as novas integrações das escolas com os ambientes

Sabedoria eterna de Rubem Alves, meu pai


Ele fazia tudo ao contrário, como se florescesse no inverno… Acreditava que o grande objetivo da vida era o de conquistarmos a liberdade de voltarmos a carregar a alegria e o encanto nos olhos da infância quando chegássemos na velhice. Defendia que a educação, para ser efetiva, precisa ter compromisso com a criança e, se possível, com o sistema também. Despertava o amor pela vida pelo sabor, e não pelo saber e, acredito eu, que foi justamente por essa razão que ouvia com relativa frequência pessoas dizendo que havia salvado suas vidas.

Os ipês resgatam essas memórias desse amor franco e audacioso entre pai e filha, memórias de uma mente que se tornou genial por saber nos apresentar o gosto bom que a vida tem.

Em julho deste ano completamos oito anos que nos despedimos de Rubem Alves, e os ipês amarelos estavam floridos na ocasião. Tanto ele dizia que as pessoas são o que elas amam, os ipês são a metáfora perfeita de sua representação, da sua voz, das suas piadas, do seu jeito de pensar. Eles viraram um símbolo, na medida em que, para todos os que amam Rubem Alves, são muito além de uma simples árvore, mas um universo inteiro de memórias, sentidos e sentimentos.

Alguns meses depois de ouvir sua voz e olhar em seus olhos pela última vez, escrevi um poema, que transcrevo abaixo:

Para ele, que gostava de ipês amarelos

Ele foi ter com as nuvens do céu

Virou sopro, uma breve lacuna entre o tudo e o nada

Foi brincar com as andorinhas

Ou de faz de conta de arco-íris, de pipa ou de anjo.

O que é certo é que continua a brincar

Na eternidade que plantou

Que brota, enraíza e cresce

E lenta, muito lentamente, ilumina

Tal qual um ipê amarelo.

Por esse mundo de mares incansáveis

De vai e vem espumantes

Uma eterna criança de olhos encantados

Dedicou a brincar-se com a beleza

Do encantamento que é este mundo de Deus.

Escute nosso episódio de podcast:


Leia mais

educação emancipadora

Por uma educação emancipadora

+ Mais Informações
juventude

Brasil enaltece juventude, mas a abandona à própria sorte

+ Mais Informações
etnomatemática

Como vivenciar a matemática

+ Mais Informações
BNCC da computação

BNCC da Computação: estratégias e diretrizes para adaptar suas aulas

+ Mais Informações

Mapa do Site