Educação brasileira perde Miguel Thompson, um porta-voz do educar para o afeto

Deixa a esposa Eloci e as filhas Beatriz e Natalia. Aqui você confere depoimentos de pessoas próximas a esse disseminador do respeito e pluralidade e confere sua trajetória na área educacional

Quando o Miguel Thompson foi convidado para presidir o conselho editorial da revista Educação, aceitou com alegria, colaborando no mesmo dia e nos aproximando de outras pessoas. Não teremos mais a sua contagiante alegria e generosidade, mas vamos lembrar dos seus exemplos.

Sérgio Quadros, CEO da Santillana no Brasil, o conheceu na editora Scipione há mais de 20 anos, e nunca mais deixaram de estar juntos. “A pessoa mais genial que conheci, e a mais iluminada, esse era o Miguel, uma fonte inesgotável de energia e de ideias. Brincávamos sempre com a frase do Millôr Fernandes, “a vida é perto, Olívia”, dita à amiga que tinha casa no Rio e em várias partes do mundo”.

Quadros ainda continua: “Para ele a vida sempre foi perto, tocando o chão. Também foi breve, mas deixou a vida espalhada pra todo mundo que teve o imenso prazer de conhecê-lo”.

Leia: Ensinamentos de Paulo Freire para os tempos atuais (por Miguel Thompson)

Sua esposa Eloci e as filhas Beatriz e Natalia, postaram nas redes que após um mal-estar durante sua famosa ginástica, sentiu-se mal. “Curioso pensar que a mesma atividade que o enchia de vida foi a responsável por nos alertar a brevidade de sua partida. Ele nos deixou depois de muito lutar, rir, brincar e refletir.”

Miguel Thompson

Miguel Thompson, do chão da escola à disseminação de suas ideias pelo país (foto: Gustavo Morita)

A amiga Damaris Silva conviveu profissionalmente com Thompson e diz que ele a impressionava pela sua generosidade intelectual e por estar sempre disposto a aprender e ensinar. “Quando ele me mandava uma mensagem perguntando se poderia me ligar, eu retornava imediatamente, pois sabia que do Miguelito só viriam “boas-novas”. Sem dúvida me inspirou pelo profissional que era, sempre na vanguarda, propunha e pensava novos projetos a todo momento. Mas o que mais me admirava nele é ser esse sujeito que fazia do respeito palavra de ordem em suas relações, além de ser um eterno otimista. Em uma de nossas últimas conversas, me disse que tinha certeza que as coisas iriam melhorar, afinal, ‘muitas coisas boas estavam acontecendo.”’

Regina Scarpa, hoje diretora pedagógica da escola Vera Cruz, era amiga de Miguel Thompson há quase 30 anos. Foi professor de seus filhos no Colégio Nossa Senhora das Graças, o Gracinha, e colega no Colégio Mopyatã. “Eu coordenava a educação infantil e ele era nosso consultor para assuntos de “tudo o que é vivo”, como bem definia as crianças. Ele vinha do ensino médio, sempre que chamado, com a alegria e vivacidade de sempre. Nunca nos perdemos. Sempre parceiros na paixão pela educação e no desejo de um país melhor. Miguel trouxe sua espontaneidade, simplicidade e irreverência para as escolas. De fato, sempre cuidou do que é vivo para que continuasse sendo. Miguel, para sempre vivo em minha memória e em meu coração.”

Trajetória semeadora

Disseminador de uma educação plural, do afeto e da coletividade e que se orgulhe da cultura e identidade brasileira, Miguel Angelo Thompson Rios passou os últimos anos construindo diálogos e reflexões rumo à essa educação que ele, inspirado em Paulo Freire, sonhava e semeava.

Suas palestras em escolas e nos principais eventos educacionais do país – as quais o fizeram percorrer diversos cantos do Brasil -, artigos e lives, buscavam despertar para a ruptura do ensino tradicional que ele tanto alertava estar atrelado à Revolução Industrial com modelos que já não dialogam mais com o atual mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo). Defensor de uma educação integral que não se prenda apenas aos exames de vestibulares e sim no desenvolvimento de um ser humano ético, empático, que saiba lidar com as incertezas.

Foi um porta-voz daqueles que vibram por mudanças. Inteligente, humilde, comprometido, brincalhão, estava pronto para ajudar, afinal, essa era sua missão, à qual cumpriu muito bem e continuará cumprindo, pois o que trouxe para este mundo permanece, seja como fonte de inspiração para quem o conheceu de perto, seja para quem admirava seus textos e apresentações e que poderão continuar a admirar.

Miguel Thompson nasceu em 25 de janeiro de 1964. Bacharel e licenciado em ciências biológicas, mestre e doutor pelo Instituto Oceanográfico da USP e MBA em marketing de serviços pela FIA. Foi professor do ensino básico por mais de três décadas, gerente de serviços pedagógicos e diretor de marketing e serviços da Editora Moderna, diretor executivo do Colégio Objetivo de Sorocaba, SP, e CEO do Instituto Singularidades entre 2014 e junho de 2019. Foi um dos fundadores da Bancada da Educação, que reúne pessoas que defendem a educação de qualidade para todos e que essa não se limite apenas ao ambiente escolar tradicional. No momento era diretor acadêmico da Fundação Santillana.

Clique aqui para ler os artigos de Miguel Thompson na Educação.

Envie um comentário

Your email address will not be published.