O segredo das escolas públicas cujos alunos apresentam bom desempenho

Pesquisadores visitam escolas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico do ensino médio e conseguem bons resultados de aprendizagem para entender suas bases

O ensino médio é a etapa mais problemática da educação básica, pois nela desaguam todos os problemas que os alunos vão acumulando ao longo de toda a trajetória escolar. Para citar um dado, somente 34% dos estudantes de escolas públicas concluem o 9° ano do ensino fundamental com aprendizado adequado em português, e em matemática, só 15%, segundo dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2017.

Leia: Conheça escolas públicas que rompem barreiras e oferecem ensino de qualidade

Porém, há algumas poucas exceções, felizmente. Entre as 5.042 escolas públicas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico (inseridos em lares com renda familiar mensal de, no máximo, 1,5 salário mínimo), apenas 101 apresentam bons resultados de aprendizagem – sendo uma delas federal. O Ceará é o estado com mais escolas (55) nesse grupo, seguido por Pernambuco (14). Em São Paulo, apenas duas escolas passaram pelo crivo.

O estudo

Com o objetivo de investigar quais ações efetivas são realizadas por essas escolas para garantir um bom nível de aprendizagem, Ernesto Martins Faria, fundador do Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede), coordenou uma pesquisa de campo para extrair práticas aplicáveis a outras redes (veja o perfil das escolas visitadas). Os resultados foram publicados no documento Excelência com Equidade no Ensino Médio, lançado pelo próprio Iede e pela Fundação Lemann, Instituto Unibanco e Itaú BBA.

Entre outros dados revelados, destaca-se o fato de a grande maioria das escolas (82%) com melhores resultados ser de tempo integral, o que traz o desafio de financiamento e replicabilidade. Em compensação, há um conjunto de outras práticas que podem servir de inspiração, como o monitoramento contínuo dos dados de aprendizagem – geralmente registradas em plataformas online de gestão – para acompanhar o desempenho dos alunos e, se necessário, fazer intervenções rápidas.

escolas públicas

Foto: Shutterstock

Em conjunto

Em todas as escolas visitadas, pratica-se também uma escuta qualificada dos estudantes com o objetivo de compreender o universo jovem e dar suporte àqueles que necessitam. Os professores também têm uma relação de parceria com os alunos, e isso desperta neles o sentimento de que há pessoas atentas à sua vida, pontuam os pesquisadores.

Leia: Ensino médio: determinação política e investimentos para viabilizar período integral

O currículo diversificado é outro ponto de destaque. Com uma carga horária de 9,5 horas por dia, os alunos têm a oportunidade de trabalhar outras áreas do conhecimento, incluindo aquelas mais ligados ao desenvolvimento pessoal. E justamente porque têm mais contato com os jovens, as escolas também se destacam pela realização de projetos pedagógicos que conversam com a realidade dos alunos.

Por fim, os pesquisadores verificaram a existência de vínculos fortes com a comunidade, com os pais e com as Secretarias de Educação. Estas ficam devendo em termos de apoio pedagógico e oferta de formação continuada para os professores. Por outro lado, acompanham os dados e estão sempre presentes nas escolas.

Perfil das escolas públicas visitadas

Confira a localização e o desempenho dos alunos das instituições visitadas:

Escola Professora Benedita de Morais Guerra

 Macaparana (PE)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 535,04

Nota na redação do Enem: 644,25

Número de alunos matriculados: 345

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 58%
  • Matemática: 24%

Ideb: 5,6

Escola Professor Antônio José Barboza dos Santos

 Timbaúba (PE)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 531,88

Nota na redação do Enem: 624,36

Número de alunos matriculados: 589

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 52%
  • Matemática: 26%

Ideb: 5,5

Escola Lysia Pimentel Gomes Sampaio Sales

 Sobral (CE)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 582,43

Nota na redação do Enem: 716,84

Número de alunos matriculados: 481

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 88%
  • Matemática: 66%

Ideb: 6,9

Escola Dom WalfridoTeixeira Vieira

Sobral (CE)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 546,88

Nota na redação do Enem: 661,65

Número de alunos matriculados: 458

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 77%
  • Matemática: 39%

Ideb: 6,2

Colégio Professor Pedro Gomes

Goiânia (GO)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 531,27

Nota na redação do Enem: 574,81

Número de alunos matriculados: 481

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 63%
  • Matemática: 12%

Ideb: 5,5

Colégio Juvenal José Pedroso

 Goiânia (GO)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 525,98

Nota na redação do Enem: 559,43

Número de alunos matriculados: 158

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 64%
  • Matemática: 17%

Ideb: 5,6

Escola Gisela Salloker Fayet

 Domingos Martins (ES)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 545,53

Nota na redação do Enem: 609,70

Número de alunos matriculados: 90

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 63%
  • Matemática: 51%

Ideb: 5,9

Escola de Referência em Ensino Médio de Salgueiro

 Salgueiro (ES)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 517,05

Nota na redação do Enem: 593,51

Número de alunos matriculados: 534

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 47%
  • Matemática: 24%

Ideb: 5,3

Escola de Referência em Ensino Médio Aura

Sampaio Parente Muniz

 Salgueiro (ES)

Localização: urbana

Média nas provas objetivas do Enem: 519,51

Nota na redação do Enem: 609,18

Número de alunos matriculados: 570

Percentual de alunos com aprendizado adequado:

  • Língua Portuguesa: 49%
  • Matemática: 21%

Ideb: 5,4

Leia também:

Conanda: principal órgão de proteção à criança e ao adolescente está ameaçado

O que falta na formação de professores da educação infantil?

Envie um comentário

Your email address will not be published.