COLUNISTAS:

Colunista

Débora Garofalo

Primeira sul-americana finalista do Global Teacher Prize, prêmio que a colocou entre os 10 melhores professores do mundo

Publicado em 15/04/2024

Caminhos para gestores e professores implantarem a educação ambiental em suas escolas

É possível transformar o presente. E as escolas, como agentes de mudanças, devem atuar em prol da sustentabilidade e educação ambiental

Em meio à urgência da luta contra as mudanças climáticas, a educação emerge como peça-chave para virar o jogo a nosso favor. O elo entre práticas sustentáveis e educação ambiental nas escolas é essencial para formar cidadãos comprometidos com a preservação do meio ambiente e a construção de um presente mais consciente e equilibrado.

Professores e gestores desempenham um papel crucial nesse cenário, sendo responsáveis por transmitir conhecimentos, valores e práticas que promovam a conscientização ambiental e incentivem ações concretas de preservação. Por meio da educação ambiental, podemos inspirar as gerações presentes e futuras a agir de forma sustentável e adotar hábitos no seu dia a dia que contribuam para a proteção do planeta e o combate às mudanças climáticas.

—–

Leia também

Educação inclusiva: estratégias pedagógicas para promover a equidade

Mais que aprender, vivenciar

—–

Em busca de políticas públicas sustentáveis

Iniciativas e projetos desenvolvidos por Secretarias de Educação se destacam na promoção da sustentabilidade e sensibilização ambiental nas escolas, entre as ações, destaco:

  1. Implementação de políticas e diretrizes sustentáveis: que estabelecem políticas e diretrizes que promovam a sustentabilidade nas unidades escolares, como a incorporação de práticas de economia de água e energia, a gestão de resíduos sólidos e a promoção da alimentação saudável e sustentável;
  2. Formação de professores e gestores: capacitação e formação de profissionais da educação em temas relacionados à sustentabilidade e educação ambiental, para que possam integrar esses conceitos de forma transversal em suas práticas pedagógicas e na gestão escolar;
  3. Desenvolvimento de projetos educacionais sustentáveis: apoio e incentivo à implementação de projetos educacionais que abordem temas como reciclagem, preservação ambiental, biodiversidade, economia circular, mudanças climáticas, entre outros e que envolva o território educativo;
  4. Criação de espaços verdes e hortas escolares: estímulo à criação de espaços verdes dentro das escolas, como hortas e jardins, que não só contribuem para a melhoria do ambiente escolar, mas também promovem a consciência ambiental e a alimentação saudável. Lembrando que de acordo com o Censo Escolar, apenas 30% das nossas escolas públicas possuem áreas verdes;
  5. Parcerias com instituições e organizações ambientais e editais de chamamento público: estabelecimento de parcerias com instituições e organizações ambientais para desenvolver projetos e atividades que promovam a conscientização ambiental, como campanhas de reciclagem, plantio de árvores, limpeza de áreas verdes, entre outros.

Exercícios na sala de aula: práticas pedagógicas sustentáveis

A adoção de projetos educacionais que envolvam campanhas de sensibilização e atividades práticas são estratégias eficazes para criar um ambiente educativo que estimule a reflexão e ação em prol da sustentabilidade. Por exemplo, o desenvolvimento de espaços verdes dentro do ambiente escolar, como hortas comunitárias e jardins verticais são uma forma eficaz de experienciar com os estudantes a importância da natureza e da sustentabilidade. 

E/ou ainda a realização de mutirões de limpeza, palestras com especialistas e visitas a locais de preservação ambiental. Dessa forma, é possível criar um ambiente educativo participativo e instigante a práticas responsivas.  

Unindo a criatividade à educação ambiental

O movimento maker e a robótica, especialmente a robótica com sucata idealizada por mim, representam um caminho inovador e inspirador para integrar a sustentabilidade e a educação ambiental nas escolas. A cultura maker por si só incentiva a criatividade, a experimentação e a busca por soluções práticas por meio da construção e da prática, enquanto a robótica utiliza a tecnologia como ferramenta para desenvolver habilidades e conhecimentos nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia, matemática e artes (STEAM).

A robótica com sucata incentiva os estudantes a reutilizarem materiais descartados para criar projetos e protótipos, estimulando a criatividade, a sustentabilidade e a consciência ambiental. Dessa maneira, os estudantes têm a oportunidade de aprender sobre reciclagem, reutilização e sustentabilidade no formato mão na massa, ao construir seus próprios protótipos e dispositivos a partir de materiais que seriam descartados. 

—–

Leia também

6 tendências para a educação em 2024

Aprende mais quem aprende matemática de forma cooperativa

—–

Essa abordagem não só estimula a criatividade e o pensamento crítico, como também sensibiliza os estudantes para a importância de ações sustentáveis e do uso responsivo dos recursos naturais. Além disso, a robótica com sucata permite aos estudantes experimentarem o processo de design thinking, resolução de problemas e trabalho em equipe, habilidades essenciais para a formação de cidadãos conscientes e preparados para enfrentar os desafios do mundo atual.

A integração de práticas sustentáveis e educação ambiental nas escolas é a peça que falta para virarmos o jogo e moldar cidadãos comprometidos com a proteção do meio ambiente

Professores e gestores desempenham um papel crucial nesse processo, como catalisadores de mudanças. Ao capacitar os estudantes como agentes de transformação, estamos preparando-os para adotar comportamentos sustentáveis em suas vidas e comunidades, criando um impacto positivo duradouro.

—–

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

—–

Escute nosso episódio de podcast:


Leia mais

filhos

Chega de adulação e descaso com os filhos

+ Mais Informações
educação emancipadora

Por uma educação emancipadora

+ Mais Informações
juventude

Brasil enaltece juventude, mas a abandona à própria sorte

+ Mais Informações
etnomatemática

Como vivenciar a matemática

+ Mais Informações

Mapa do Site