COLUNISTAS:

Colunista

Débora Garofalo

Primeira sul-americana finalista do Global Teacher Prize, prêmio que a colocou entre os 10 melhores professores do mundo

Publicado em 18/12/2023

6 tendências para a educação em 2024

A constante evolução e as tendências que moldam o futuro são essenciais para garantir um processo educacional eficaz

Conforme nos aproximamos de 2024, podemos esperar uma série de consolidações de temáticas e discussões importantes que permearam o cenário educacional e mudanças que impactarão a forma como aprendemos e ensinamos.

Preparamos neste artigo alguns temas para que possa se aprofundar e incluir em seu planejamento do ano que vem. 


Leia também

António Nóvoa: professores para libertar o futuro

Pisa: Brasil continua abaixo da média


1.Tecnologia como objeto e ferramenta de ensino

Uma das principais tendências é o aumento do uso da tecnologia na sala de aula. As escolas cada vez mais estão adotando ferramentas digitais para melhorar a experiência de aprendizagem dos estudantes. Isso inclui o uso de aparatos tecnológicos que permitem acesso rápido a informações e recursos educacionais. Além disso, a realidade virtual e a realidade aumentada estão se tornando cada vez mais comuns, proporcionando aos estudantes experiências imersivas e interativas. 

A inteligência artificial também terá um papel significativo na educação nos próximos anos. Sistemas de aprendizado adaptativo, que se ajustem às necessidades individuais de cada estudante, serão cada vez mais comuns. Isso permitirá um ensino personalizado, no qual cada estudante poderá avançar em seu próprio ritmo de aprendizado, recebendo suporte e feedbacks/retornos adequados.  

É claro que com esses avanços, vem a compreensão do papel das tecnologias como objeto de conhecimento e ferramenta de ensino, marcos regulatórios para IA (inteligência artificial) e apoio do seu uso no pilar da educação midiática com intencionalidade pedagógica — e esse precisa ser o grande diferencial educacional. 

2. Personalização do ensino

Outra tendência importante é a personalização do ensino. Cada estudante tem suas próprias necessidades e ritmo de aprendizado e a educação personalizada reconhece isso. Com o uso de tecnologias adaptativas, os professores podem identificar as necessidades individuais de cada estudante e fornecer materiais e atividades que sejam adequados ao seu nível de habilidade e interesse. Isso permite que eles aprendam no seu próprio ritmo e sintam-se engajados no processo de aprendizagem.

Além disso, a colaboração e o trabalho em equipe serão cada vez mais valorizados na educação. As habilidades sociais e a capacidade de trabalhar em grupo são essenciais no mundo profissional, e as escolas estão se adaptando para desenvolver essas habilidades nos estudantes desde cedo. Através de projetos colaborativos e atividades em grupo, os estudantes aprendem a trabalhar em equipe, a comunicar suas ideias e a resolver problemas de forma conjunta. Por isso, abordagens como STEAM, cultura maker, programação e robótica são essenciais. 

3. Aprendizagem socioemocional

Outra tendência essencial é a ênfase no desenvolvimento de habilidades socioemocionais. A educação não se limita apenas ao conhecimento cognitivo, mas também ao desenvolvimento de habilidades emocionais e sociais. As escolas estão cada vez mais reconhecendo a importância do bem-estar emocional dos profissionais da educação e dos estudantes e implementando programas que promovem a inteligência emocional, empatia e a resiliência. 

Portanto, é fundamental que os professores estejam preparados para trabalhar essas habilidades em sala de aula, promovendo um ambiente acolhedor e estimulante para o crescimento integral dos estudantes. Essas habilidades são fundamentais para o sucesso pessoal e profissional dos nossos jovens.

4. Educação inclusiva

A educação inclusiva continuará sendo uma pauta relevante em 2024. A diversidade é uma realidade em nossas escolas e na nossa sociedade, sendo essencial que todos os estudantes se sintam acolhidos, integrados e que tenham acesso a uma educação de qualidade com equidade. Portanto, é fundamental que os gestores e professores estejam atentos às necessidades individuais de cada estudante, promovendo a inclusão, igualdade de oportunidades e redução das desigualdades.

5. Colaboração em prol da educação

A colaboração entre escola, família e comunidade precisa ser cada vez mais valorizada. A educação não pode ser vista como responsabilidade exclusiva da escola, mas sim como uma construção coletiva. É importante que os gestores e professores estabeleçam parcerias com os pais e responsáveis, bem como com instituições e organizações locais, para promover uma educação mais abrangente e significativa.

6. Valorização da saúde mental

A valorização da saúde mental é um aspecto fundamental que deve ser trabalhado tanto em professores quanto em estudantes. Ambos desempenham papéis essenciais no ambiente educacional e, portanto, precisam estar com a mente saudável para garantir um aprendizado efetivo.

Professores lidam diariamente com desafios como a pressão por resultados, a sobrecarga de trabalho e a responsabilidade de educar e orientar os estudantes. Essas demandas podem levar ao estresse, ansiedade e até mesmo ao esgotamento emocional. Portanto, é crucial que tenham um cuidado especial com sua saúde mental, buscando estratégias de autocuidado, como a prática de exercícios físicos, meditação e o estabelecimento de limites saudáveis entre trabalho e vida pessoal. Além disso, é importante que as instituições de ensino ofereçam suporte psicológico e programas de capacitação para lidar com o estresse e a pressão do ambiente escolar.

Já no caso dos estudantes, a saúde mental também desempenha um papel fundamental no seu desempenho acadêmico e bem-estar geral. A pressão por resultados, a competição entre os colegas e as expectativas familiares podem gerar ansiedade, depressão e outros problemas emocionais. Portanto, é necessário que as escolas promovam um ambiente acolhedor e seguro, cujos estudantes se sintam à vontade para expressar suas emoções e buscar ajuda quando necessário. Além disso, é importante que sejam ofertados programas de educação emocional que ensinem habilidades de gerenciamento do estresse, resiliência e autoconhecimento.

Quando todos estão com a mente equilibrada, é possível promover um aprendizado mais efetivo, melhorar o relacionamento entre professores e estudantes e contribuir para o desenvolvimento integral de cada indivíduo. Portanto, investir na saúde mental é investir na educação.

Todos juntos

A educação em 2024 será marcada pela integração da tecnologia como objeto e ferramenta de ensino e por uma educação humanizadora que prevê personalização do ensino, desenvolvimento de habilidades socioemocionais, inclusão, colaboração entre todos os envolvidos no processo educativo e valorização da saúde mental. Como professores e gestores, é nosso papel estarmos preparados para essas transformações, buscando constantemente atualização e adaptação às novas demandas. 

Essas mudanças são essenciais para garantir um processo educacional mais eficaz e relevante, preparando os estudantes para os desafios do mundo moderno. É importante que as escolas estejam abertas e se adaptem às novas demandas da educação para que possam oferecer uma educação de qualidade e com equidade e que reduza lacunas de desigualdades. 



Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica



Escute nosso episódio de podcast:


Leia mais

filhos

Chega de adulação e descaso com os filhos

+ Mais Informações
educação emancipadora

Por uma educação emancipadora

+ Mais Informações
juventude

Brasil enaltece juventude, mas a abandona à própria sorte

+ Mais Informações
etnomatemática

Como vivenciar a matemática

+ Mais Informações

Mapa do Site