NOTÍCIA

Gestão

Estratégias educacionais precisam considerar currículo e avaliação

Nuno Crato, ex-ministro da Educação e Ciência de Portugal, orienta que é necessário compreender os dados e pensar no currículo e na avaliação

Publicado em 20/12/2022

por Leticia Scudeiro

shutterstock_1823020430 - Foto: shutterstock

O que a ciência e os dados científicos já fazem na área da educação e ainda podem fazer? Essa é a principal reflexão colocada por Nuno Crato, ex-ministro da Educação e Ciência de Portugal (2011-2015). Nuno entende que a evolução científica ajudou no processo de análise e evolução da educação, como os dados de pesquisas internacionais que mostram os comparativos entre os países. 

Sendo assim, analisar os dados de pesquisas internacionais a partir dos países que estão à frente é uma das alternativas para se alcançar bons resultados de ensino, acredita.

“Os dados dizem o que exatamente nós podemos fazer? Não. Mas temos que pensar sobre eles e o que nos informam. Devemos olhar para os dados e aquilo que eles estão dizendo”, apontou Nuno Crato.

Atuar na evidência

“Os bons exemplos mostram que é preciso dar atenção ao fundamental: ao currículo e a avaliação dos jovens. Sem ter o currículo, um objetivo ambicioso para a educação dos jovens e sem saber avaliar em que medida estamos de atingir esses objetivos, não se consegue progredir. Essa é uma das conclusões quando se compara os diversos países”, enfatizou Nuno.


Leia também

Novo Ideb ganha força entre especialistas


O português participou da 2ª edição do Diálogos sobre Educação, evento promovido em dezembro pela Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura no Brasil (OEI) em Brasília. Seu painel teve como título O que impede a modernização da educação?

currículo e avaliação

É necessário compreender os dados e a realidade de cada país, acredita Nuno Crato
Foto: OEI Brasil

Nuno indicou três pontos principais e estratégicos para melhorar a educação de um país: criação de um currículo exigente e estruturado, conhecimento na base e avaliação rigorosa. 

O objetivo é avançar

Para ele, novamente, tudo começa com a avaliação dos dados e do atual cenário na educação. Por meio dos dados, Nuno aponta que os países com melhores resultados no ensino por competências – habilidades cujo Pisa utiliza – são os que dão mais atenção para o conhecimento. “O conhecimento que traz as competências”, indicou.  Isso se torna mais claro quando se analisa os dados de países como a Finlândia, Coreia do Sul ou Estônia, por exemplo. 

Para que todos os alunos consigam chegar em um nível desejado de aprendizagem, os métodos de avaliação são os principais pontos de apoio dos estudantes com dificuldade, acredita. 

“Com um currículo ambicioso, avaliação alinhada e foco em todos os alunos podemos melhorar a educação”, concluiu.



Pesquisas apresentadas por Nuno Crato durante a palestra:

Estudo Bergbauer (2021) 

Estudo Phelps (2012)

Improving a Country’s Education: PISA 2018 Results in 10 Countries (Springer 2021)

Estudo a 100%»: A Prática Intercalada 

Effects of context on the neural correlates of attention in a college classroom

Tabela do PISA 2015 sobre eficácia do ensino direto – link 1, link 2



Leia também:

Um dos criadores do Pisa analisa o investimento público em educação no Brasil

Pandemia expõe as fragilidades do nosso sistema de avaliação

Autor

Leticia Scudeiro


Leia Gestão

educação ambiental

Caminhos para gestores e professores implantarem a educação ambiental em...

+ Mais Informações
ensino

É preciso integrar a trajetória da educação básica com a do ensino...

+ Mais Informações
José Pacheco - escola

José Pacheco: burocratas da educação limitam a autonomia da escola

+ Mais Informações
escola e família

Família e escola: papéis diferentes e complementares

+ Mais Informações

Mapa do Site