NOTÍCIA

Bett Brasil

Características de um educador inclusivo

Durante Bett Brasil 2022, inclusão nas escolas foi tema de debate. É a escola que precisa se adequar e não o aluno

Publicado em 12/05/2022

por Leticia Scudeiro

Trabalhar a inclusão nas escolas e o porte do educador para promover a igualdade foram destaques do painel da Bett Brasil de ontem, 11, que contou com a presença de Marta Gil, socióloga, consultora, escritora e coordenadora na Amankay Instituto de Estudo e Pesquisa e Elaine Cristina Brandão, diretora aposentada da rede pública.

Educador inclusivo

Da direita para esquerda: Elaine Cristina Brandão e Marta Gil

Marta Gil divulgou o Guia do Educador Inclusivo, digital e gratuito, que comporta sete capítulos. Foram feitas pesquisas entre familiares de pessoas com e sem deficiência – as perdas de aprendizagem que ocorreram nos primeiros anos de pandemia foram abordadas. 

Segundo Marta, o educador inclusivo deve valorizar a diversidade e fazer o “Inventário do Sim”, ou seja, escutar e apostar no potencial do aluno. “Todos podem aprender. O educador vai ver o aluno e não a cadeira de rodas, pois apesar de ver a cadeira de rodas, o mais importante é o aluno. Quem é esse aluno? O educador sabe que ele não tem 30 alunos e mais um, tem 31. Então vai preparar uma aula para todos, e se precisar fazer alguma adequação e ajuste, ele vai fazer.”

Vale ressaltar que para Marta o educador deve lembrar que todos são diferentes. Se a escola tem matriculado um aluno cego, ao matricular um segundo aluno com a mesma condição, a forma de se lidar com esse aluno será diferente, porque todos são diferentes. Segundo ela, o educador precisa ter coragem de se reinventar. 


Leia: Bullying e dislexia: como abraçar a inclusão na escola


Em 2009, com a aparição de um aluno com deficiência no colégio de Elaine Cristina, ela recorreu à Marta sobre o tema de inclusão para melhor direcionar seus estudantes e familiares. Elaine foi diretora, de 2005 a 2022, na escola pública E.E. Francisco Roswell Freire, no Grajaú, São Paulo. Segundo ela, com a presença desse aluno a escola teve que se reinventar, pois, é a escola que deve se adequar para o que o aluno precisa e não o contrário. 

Seguindo esse caminho, seu colégio desenvolveu um plano estratégico que envolve metodologias ativas, a presença mais ativa do educador e uma avaliação de classe participativa, que consiste em observar as habilidades sociais do jovem e não somente seu resultado em provas, pois o objetivo principal é a formação do ser humano. “Para vocês terem uma ideia, aquele aluno que tirou nota alta com o professor, mas que na avaliação participativa tirou uma nota baixa, sua média seria baixa, porque nós estamos formando pessoas. A educação integral é a integralidade do ser, e o ser humano é um ser sensível, que se relaciona com o outro”, finalizou.


Bett Brasil é o maior evento de educação e tecnologia na América Latina. Acontece de 10 a 13 de maio no Transamerica Expo Center, São Paulo. E nós, da Educação, estamos fazendo uma cobertura especial. Continue nos acompanhando. Clique aqui para ver nossa cobertura.


Leia também:

Diálogo e empatia na escola

Autor

Leticia Scudeiro


Leia Bett Brasil

propósito

Propósito e missão para uma educação sustentável

+ Mais Informações
projetor-interativo-epson

Como tornar a tecnologia digital uma aliada do professor

+ Mais Informações
inteligência artificial

Ao contrário do Metaverso, inteligência artificial veio para ficar,...

+ Mais Informações
augusto-cury-intoxicacao-digital-

Intoxicação digital e o papel da escola, segundo Augusto Cury

+ Mais Informações

Mapa do Site