Educação híbrida ganha associação

Associação Nacional de Educação Básica Híbrida chega com a missão de contribuir com o desenvolvimento dessa modalidade que obteve força com a pandemia

Maria Inês Fini se impôs mais um desafio. Agora está colocando toda sua energia na criação da Associação Nacional de Educação Básica Híbrida -ANEBHI. Sem fins lucrativos, pretende contribuir para o desenvolvimento da educação híbrida em todas as etapas e modalidades da educação básica.

educação híbrida

Maria Inês Fini: escolas foram bem sem entender quase nada (foto: José Cruz/Agência Brasil)

Inês Fini, que já foi presidente do Inep -Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, diz que atuarão “na formação e desenvolvimento dos profissionais da educação, para que se apropriem das pesquisas, das metodologias e tecnologias que contribuem para a melhoria da qualidade da educação”.

Leia: Ferramenta pedagógica Peer Instruction é adaptada para avaliação remota

O lançamento da ANEBHI para o mercado ocorreu durante um seminário internacional , em 14 de outubro, com transmissão pelo YouTube em que o professor Fredric Litto, pioneiro da inovação educacional, foi homenageado.

Embora controversa, a questão de as aulas serem presenciais e híbridas vai provocar muita polêmica, uma vez que há outros estudiosos que temem pela sanidade dos professores, se forem expostos a exigências tão grandes. A ANEBHI, por reunir educadores comprovadamente comprometidos com a qualidade do ensino, pode cumprir um papel importante nesse momento.

Leia também:

As plataformas que educadores estão usando para as aulas online

Sabotagem, bullying e indisciplina também aparecem em aulas online

Envie um comentário

Your email address will not be published.