Os estágios curriculares obrigatórios: aprender a ser professor é responsabilidade de todos

É o estagiário que faz a ponte entre a universidade e a escola, defende em seu artigo Roberta Flaborea, doutoranda pela FEUSP
0

Por Roberta Flaborea Favaro*

Ao longo das minhas pesquisas sobre os estágios curriculares na formação inicial dos professores, tenho observado muitos coordenadores e professores de ensino básico referindo-se à formação prática do futuro professor como um momento de observação de aula, necessário para sua formação, desde que o estagiário não intervenha de maneira a interromper o trabalho do professor. Quando pergunto aos coordenadores sobre porque a escola recebe estagiários, manifestam um constante “porque sim” ou “porque eu já passei por isso e sei como é difícil encontrar colégios para estagiar”, como se fosse um favor pessoal que se faz para os futuros professores.

Leia: Formação docente precisa sair do mesmo lugar

Observo também estagiários afirmando que aprenderam muito pouco nos estágios, que o professor de classe não deu atenção ao que fazia, assim como não revisou o relatório final, etc. Quanto ao professor universitário, os estagiários relatam que não retomam o que ocorreu nas escolas, ficando teoria de um lado e prática do outro. E quem nunca escutou nos corredores das faculdades de educação sobre “os melhores” e os “piores” lugares para estagiar? Tenho certeza de que muitos dos leitores identificam-se com essas falas.

Como se observa, diversos são os encontros e desencontros nos momentos de realização dos estágios. Entretanto, desde as minhas observações, são mais frequentes os desencontros e estes devem ser observados e discutidos para que possamos oferecer melhor qualidade na formação prática dos futuros professores.

A união

O tema do desenvolvimento dos saberes práticos vem sendo posicionado na literatura em educação desde a década dos 90. Apesar de Dewey já ter iniciado esta discussão na década de 30, a discussão sobre os estágios pode ser considerada como recente. Os últimos livros e artigos trazem elementos-chave para determinar o que significa a formação prática de professores. Esta literatura está no campo de estudos da epistemologia da prática profissional, e é entendida como o estudo do conjunto de saberes práticos utilizados pelos profissionais no seu espaço de trabalho cotidiano para desempenhar tarefas. Na epistemologia da prática, entende-se a práxis como a relação entre a teoria e a prática, e é fundamental e necessária para a construção de saberes do profissional de educação.

É também na literatura que podemos identificar três sujeitos principais nos estágios, ainda que existam outros, como o coordenador dos estágios: professor da universidade, professor do colégio e o estagiário, também chamado de futuro professor. Cada sujeito tem sua função definida, apesar de observar-se certa subjetividade frente a cada papel desempenhado, dependendo da instituição educativa e das relações humanas (sentimentos, sensações, emoções, etc.).

Leia: O que é essa tal interdisciplinaridade?

Ensinar e aprender

Agora, o que o estagiário faz na instituição educativa? A resposta é muito fácil: aprender. Mesmo que existam más experiências, considero que os estagiários aprendem. Mas entendo que não é somente ele quem aprende, os professores da escola, assim como o professor da universidade também — já que é o estagiário que traz elementos da prática docente para discussão na sala de aula e leva elementos teóricos para serem discutidos com o professor da escola. Ou seja, é ele quem faz a ponte dos saberes.

Apesar desta aprendizagem ser pouco visibilizada, é um elemento importante de ser considerado por todos os sujeitos, pois é um constante interagir de conhecimentos entre as práticas interinstitucionais. Claramente, como é o estagiário que realiza esta conexão entre a escola e a universidade, é um sujeito que deve ser  valorizado porque gera fomento ao reflexionar, questionar e analisar entre a teoria e a prática. Consequentemente, instaura-se uma rede de conhecimento invisível que deve ser potencializada, não por vontades individuais, mas porque as instituições acreditam que são co-formadoras entre si e formadoras dos estagiários.

estágios curriculares professor

Foto: Shutterstock

Fortalecimento da ponte

Entretanto, se o estagiário somente realiza observações de sala de aula, suas reflexões estarão com poucos elementos para discutir a prática do professor e a sua própria não terá elementos da realidade dos contextos escolar e social. Daí existem as constantes reflexões com juízo de valores, onde a prática do professor é fortemente criticada e renegada porque não está de acordo com a teoria.

Esta situação é muito frequente, o que gera receio dos professores de recebê-los. É importante pensar que é justamente os poucos tempos destinados aos estágios, assim como as distintas restrições de sua permanência na instituição escolar que promovem o constante criticar dos estagiários à prática docente.

Sugiro que o estagiário saia da sala de aula, conheça o contexto escolar e social, planeje aula, ajude os professores a observar aulas, frequente reuniões pedagógicas, de pais, interaja com estudantes, etc.. Desta maneira armar-se de elementos para entender a lógica de desenvolvimento do ensino e da aprendizagem.

A tal da prática

Isso depende também dos tempos curriculares destinados para os estágios curriculares obrigatórios. Geralmente, nos programas de licenciaturas, os estágios estão nos últimos semestres e são apenas algumas horas, entre 30 e 60 horas semestrais. Essas poucas horas mostram a tendência da maioria das universidades valorizar o saber teórico em detrimento do saber prático. Com essas poucas horas, entender a lógica educativa é um grande desafio, porque a educação é complexa e não existem receitas únicas em educação. Desta maneira, é fundamental destinar um maior número de horas desde os primeiros semestres, para que, paulatinamente, os professores possam construir os seus saberes práticos e discuti-los de maneira recorrente.

É importante levar em consideração que os futuros educadores chegam nos cursos de licenciatura com uma visão, de certa maneira, distorcida do que significa ensinar e ainda uma idealização da crianças e do que é ser professor. Poucos tiveram a oportunidade de enfrentar-se a uma sala de aula com 35-40 alunos, a planejamentos diários e a desafios profissionais na área de educação. Se os estágios iniciam-se nos primeiros semestres, a realidade fica mais próxima dos estudantes das licenciaturas e o início da construção da identidade profissional adianta-se porque existe a possibilidade de atuar como docente. As deserção nos primeiros anos depois de formados pode ser mais baixa. Isso é gerar elementos para uma melhor qualidade de vida. Fazer o que eu gosto, fazer o que eu amo, e não porque “eu não sabia que era assim”.

Portanto, o professor da escola tem um papel fundamental: acolher o estudante e ensiná-lo que ser professor não é tarefa fácil, mas é possível.

Leia: Contratadas como auxiliares de educação infantil, profissionais exercem função de docente

Acolhimento

Adicionalmente, se pensamos que os estagiários podem realizar pesquisas pedagógicas, já os estamos ensinando a entender que o erro é recorrente na ação pedagógica, mas que o refletir e buscar propostas de solução também devem ser realizados.   Isso colabora para a ideia de ciclos de aprendizagem entre estagiários, instituições e a própria universidade como forma constante de construção de conhecimento entre os sujeitos e entre as próprias instituições. Desta maneira, identifica-se uma aproximação ao conceito de comunidade de aprendizagem entre sujeitos e instituições. Aprender é entre todos, alguns com más experiência e outros com menos, mas vamos aprendendo entre todos.

Desta maneira, o que proponho é o abandono do papel consumista-passivo dos estagiários nas escolas, pelo constante questionar sobre os processos pedagógicos na triangulação de saberes.

Troca

Proponho também entender que o papel da prática é tão importante quanto o papel da teoria na formação do professor, dado que é o momento de formação da sua identidade inicial como profissional da educação, assim como o momento de estabelecimento da relação entre a teoria e a prática. Entender também que o professor deve interagir constantemente com o estagiário na medida em que está construindo com ele uma rede de conhecimento, e também com o professor universitário.

Se todos se envolvem nestas relações, não porque são obrigados, mas porque entendem que aprender e formar é responsabilidade de todos, os estágios serão melhores aproveitados não somente para a formação do próprio estagiário, mas também para os professores universitários e da escola, a as próprias instituições, tecendo e consolidando relações de construção de conhecimento.

Leia: O que falta na formação de professores da educação infantil?

Para concluir, quero apontar para a necessidade do fortalecimento das relações interinstitucionais e também para a avaliação dos estagiários e dos próprios estágios. Avaliação processual do estudante da licenciatura deve ser de responsabilidade de ambas instituições, tanto do professor universitário como do professor da escola.

Agora, todas essas recomendações, incluindo a anterior, tem todo o sentido se também existem tempos dos professores para estas atividades. São recomendações que devem ser vistas de maneira administrativa, porque acompanhar como se deve  um estagiário demanda tempo dos professores e, consequentemente, recursos humanos. Minha recomendação para os gestores escolares: vale a pena.

*Roberta Flaborea Favaro é doutora em Educação pela Universidade Autônoma de Barcelona e pós-doutoranda  pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (robertaff@hotmail.com)

Leia também:

O segredo das escolas públicas cujos alunos apresentam bom desempenho

Plataforma gratuita para escolas permite a alunos criarem livro autoral

Envie um comentário

Your email address will not be published.