Programa para o ensino médio aposta na gamificação e sala de aula invertida

0

A coordenadora pedagógica do Pilar Instituto de Educação, MG, Cristina Soares marcou presença no evento em celebração aos dez anos da International School, empresa de soluções bilíngues para escolas, e contou que há dois anos o Pilar se tornou bilíngue por meio dos recursos da empresa. “Eu não domino o inglês, mas a International School faz o acompanhamento com os professores muito bem, o que torna o trabalho mais eficaz” explica. A equipe da International visita a escola três vezes ao mês, para observar e dar treinamento.
Em relação à programação, que além de palestras (saiba mais aqui) teve como finalização um show de Maria Rita, a diretora de pesquisa e desenvolvimento editorial da International School, Virgínia Garcia explicou que a proposta é mostrar aos convidados que é possível virar o jogo. Tanto que quando subiu no palco, ela alertou os educadores que é necessário desenvolver no aluno a consciência e a empatia, características que a máquina não possui. “Buscamos ampliar a consciência das pessoas que estão à frente da educação para o aluno aprender pelo resto da vida e não apenas memorizar conteúdo”, finalizou.
Leia: Formação docente precisa sair do mesmo lugar

O jogo

O nome do evento em comemoração aos dez anos da empresa, The Game Changers também é o título do novo programa de ensino bilíngue para o ensino médio, uma plataforma gamificada que abraça o ensino híbrido, permitindo que as aulas também aconteçam de forma online e apoiada no modelo de sala de aula invertida.
“Conduzir mudanças transformadoras é um dos papeis da International School, que visa a democratização do ensino bilíngue no Brasil. Desde 2009, temos a missão de transformar a vida de estudantes com o uso de materiais, impressos e digitais, que promovem a aprendizagem profunda para sua vida e futuro trabalho. O objetivo é levar o aluno a pensar de forma crítica, por meio de discussões de hipóteses e resoluções de desafios, estimulando autonomia e protagonismo. Essas são principais tendências para a área de educação no século 21”, disse Ulisses Cardinot, CEO da empresa.

ensino médio

Foto: Shutterstock

Leia também:

Ensino médio precisa recuperar sua importância com urgência

“A educação só tem a ganhar com o Movimento Maker”

Envie um comentário

Your email address will not be published.