/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Gestão

É preciso integrar a trajetória da educação básica com a do ensino superior

Com a integração dos níveis de ensino, é possível aumentar o engajamento dos estudantes e a entrada no mercado de trabalho, defendem especialistas

Publicado em 03/04/2024

por Maria Eugênia

A educação não é partida, ela é um organismo inteiro, vivo e dinâmico. Qualquer movimento que a educação faz impacta a todos. É o que aponta a professora Amábile Pacios, presidente da Câmara de Educação Básica no CNE (Conselho Nacional de Educação), sobre a necessidade de integração da educação básica com o ensino superior.

Já a professora Lúcia Teixeira, presidente do Semesp, entidade que representa as faculdades particulares, destaca o problema dos jovens que se sentem desmotivados durante sua vida escolar, e ressalta que a universidade, a escola básica e seus professores devem e podem chamar a atenção para políticas públicas que possam corrigir esse desencanto.  

—–

Leia também

Leo Fraiman: o que adianta o aluno saber fissão nuclear e não saber quem ele é?

Não ter medo de errar é o primeiro passo para inovar na educação

—–

O tema foi discutido pelas professoras durante o painel Integrando e fortalecendo as trajetórias da educação básica e do ensino superior para melhores resultados acadêmicos, que aconteceu nesta quarta-feira, 3, no primeiro dia do GEduc 2024, e foi moderado por José Carlos Barbieri, mantenedor e reitor do Centro Universitário Cidade Verde. 

Motivação dos jovens 

Segundo Lúcia Teixeira, hoje existe a necessidade de “tornar o aluno o centro do ensino e aprendizagem”, e a escola mais atrativa, objetivando preparar esse jovem para conviver bem com outras pessoas. 

Para motivar os estudantes, o educador também precisa pesquisar e entender qual é o perfil de cada um dos alunos, para assim, propor algo que interesse a esse jovem. Currículos diferenciados e ampliação de conhecimentos voltados à tecnologia são outras formas de cativar os alunos que cursam o ensino superior. 

“Eles precisam ser motivados, estimulados, para que não haja tantos jovens que abram mão da própria vida”, salienta a professora e presidente do Semesp sobre os jovens que desistem de suas carreiras e sonhos. 

Amábile Pacios também alerta que “as escolas perderam a parte de mostrar o encantamento pelo conhecimento” e esse cenário afeta diretamente na escolha profissional de cada um dos alunos, acarretando na diminuição de jovens que começam a cursar as licenciaturas. 

Futuros professores

Sobre um possível apagão de professores no futuro, Lúcia Texeira reconhece que o jovem acredita que não será valorizado nesta profissão e defende incentivos para a carreira docente.

Como outra forma de diminuir o déficit de professores que o Brasil já vive, de acordo com Amábile Pacios, recentemente o CNE criou um parecer, ainda não homologado, com o intuito de aumentar a valorização desses profissionais. O documento elimina a possibilidade de EAD nos estágios para licenciaturas, e também dá um suporte maior para as instituições de ensino superior particulares receberem os futuros professores. 

—–

Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica

—–

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Maria Eugênia


Leia Gestão

5 Emergência Botos (02-10) - Miguel Monteiro (3)

Mudanças climáticas: agir na comunidade, entrando pela escola

+ Mais Informações
cyberbullying

Como as escolas podem lidar com o cyberbullying

+ Mais Informações
democracia

Democracia se aprende na escola

+ Mais Informações
fundação bracell

MEC e Unesco discutem caminhos para a educação infantil

+ Mais Informações

Mapa do Site