NOTÍCIA

Edição 299

Violência escolar: é preciso tomar cuidado com soluções imediatistas 

Columbine. Esse nome ficou inscrito no imaginário do final do século 20 e das primeiras décadas do 21 como símbolo de uma nova face da violência escolar. Em 20 de abril de 1999, dois jovens executaram em sua própria escola um ataque minuciosamente planejado, assassinando […]

Publicado em 01/12/2023

por Paulo de Camargo

Violência escolar_Shutterstock

Columbine. Esse nome ficou inscrito no imaginário do final do século 20 e das primeiras décadas do 21 como símbolo de uma nova face da violência escolar. Em 20 de abril de 1999, dois jovens executaram em sua própria escola um ataque minuciosamente planejado, assassinando 12 estudantes e um professor. Desde então, 369 novos episódios como esse se sucederam nos Estados Unidos. Mas não apenas lá: no Brasil, localidades começaram a ser lembradas por tragédias semelhantes. Sinta como se tornaram familiares esses nomes: Aracruz, Suzano, Realengo, Blumenau… Desde agosto de 2001, em Macaúbas, BA, quando o primeiro episódio aqui ocorreu, foram 36 ataques cometidos por 39 alunos ou ex-estudantes, em 37 escolas, com 40 mortos, 102 feridos, milhares de traumatizados. O mais recente (até o fechamento desta matéria), aconteceu em São Paulo, na região de Sapopemba.


Leia também

“É tiro, tia.” A rotina de violência imposta às escolas em áreas de risco

Violência escolar: escola e casa não podem mais ser corpos à parte da sociedade


Embora não tenha sido o primeiro, nem o maior, o evento de Columbine foi um marco pela forma como aconteceu e, por isso, continua lembrado nos novos ataques, cujos envolvidos muitas vezes o citam como inspiração. Feito personagens de um game real, os autores do massacre cuidaram para que tudo fosse transmitido ao vivo. Assim, tornaram-se um tipo de ídolo às avessas, anti-heróis de grupos caracterizados pelo discurso de violência, de ódio e de preconceito. O objetivo final não é somente o assassinato em si: as redes sociais, as subcomunidades e a dark web se tornaram o verdadeiro palco dos que se lançam a um extermínio online a sangue frio e em série, coroado pela morte dos executores, tornando-se o que chamam de ‘sanctus’, imolações feitas para viralizar.

O episódio de Columbine deu início a um grande debate internacional. Deixou muitas lições e fez com que eventos como esse passassem a ser estudados como fenômenos complexos e multicausais. Pelo menos três amplos conjuntos de respostas se destacaram a partir daí: as políticas de segurança baseadas em revistas, grades, raio-x, câmeras, e, também, em adaptações na legislação, tornando-as mais rigorosas; as ações preventivas de inteligência para agir antecipadamente nas redes sociais, incluindo rastreamentos e, finalmente, uma discussão sobre a relação entre a violência e o tema da qualidade da convivência e da formação ética na escola, a partir de pesquisas cada vez mais refinadas.

Violência escolar o os cuidados nas soluções imediatistas 

Dois documentos publicados em novembro deste ano no Brasil trazem uma revisão geral do que se sabe sobre esse tipo de tragédia e apontam caminhos. O primeiro é fruto de estudos que vêm sendo realizados nos últimos anos, e foi elaborado por um time de 10 pesquisadores, coordenado pela pesquisadora Telma Vinha, da Unicamp. Chama-se Ataques de violência extrema em escolas no Brasil: causas e caminhos, publicado pela organização social D3e. Quase simultaneamente, o Ministério da Educação divulgou o Ataque às escolas no Brasil: análise do fenômeno e recomendações para a ação governamental.

Desde que o número de ataques às escolas se acelerou, Telma Vinha, considerada uma das principais referências sobre o tema, vem dedicando grande parte do seu tempo a ajudar professores e gestores a entender e a lidar com o fenômeno. Recebe até quatro convites diários e viaja pelo país, buscando enfatizar a importância de iniciativas que priorizem a qualidade da convivência escolar. Ela se preocupa com o reducionismo com que frequentemente o tema da violência é tratado. “O tema está em pauta, mas não significa necessariamente avanço. De forma geral, tudo é muito reativo”, diz a pesquisadora. Telma faz referência ao pipocar de soluções imediatistas, que focam na segurança. “Os gestores e a sociedade precisam saber que nenhuma solução vai funcionar no curto prazo”, alerta. 

violência escolar
“O tema está em pauta, mas não significa necessariamente avanço; nenhuma solução vai funcionar no curto prazo”, alerta Telma Vinha, pesquisadora da Unicamp
Foto: Alice Vergueiro/Jeduca

Iniciativas

Até como resposta a uma sociedade assustada, a segurança pública fala mais alto ou, pelo menos, mais rápido. Recentemente, o estado do Espírito Santo, onde aconteceram quatro ataques nos últimos anos, realizou o I Fórum Nacional de Segurança Escolar, para a troca de experiências, com representantes de 17 estados e 52 municípios. O Espírito Santo lançou o primeiro Plano Estadual de Segurança Escolar, em 27 de abril, com 29 projetos. Depois, diversos outros foram produzidos.

Entre outras ações relatadas no evento pelos participantes, surgiram exemplos como reforço de policiamento, guardas escolares independentes, capacitação em primeiros socorros, bem como ações de inteligência, disk denúncia e outras ações. Mas, segundo o educador Vitor de Angelo, secretário de Educação do Espírito Santo, não se pode correr o risco de reduzir a questão à dimensão da segurança pública.

“Claro, há fatores extraescolares e não devemos ser refratários ao envolvimento da segurança ou das forças da inteligência. Mas cada um tem seu papel e o da segurança é externo à escola”, reforça Vitor, que é também presidente do Conselho Estadual de Secretários de Estado da Educação (Consed).
Violência Escolar
Secretário de Educação do ES, Vitor de Angelo
Foto: Ascom

Para ele, são bem-vindas parcerias: a polícia pode estar presente para palestras eventuais, por exemplo, mas não para patrulhamento interno. “O que está dentro da escola exige políticas de educação, de atenção à saúde mental, de assistência, de envolvimento da comunidade e uma reflexão mais ampla sobre que país é esse em que a escola está sendo vítima de violência”, defende o secretário.

A literatura científica pós-Columbine dá razão a Vitor de Angelo e mostra que as políticas baseadas em policiamento interno são pouco efetivas. Segundo um estudo recente feito nos EUA e citado pelo grupo de estudos de Telma Vinha, 70% das escolas de ensino médio estadunidenses contam com presença de policiais ou agentes de segurança; 10% têm detectores de metal, 80% câmeras, 20% cães farejadores em busca de drogas, além de realizarem revistas em estudantes e treinamentos de defesa e fuga. Apesar disso, ataques e mortes aumentaram, e não param de surgir propostas ainda mais assustadoras, como treinar professores para o manejo de armas de fogo.

“O investimento em segurança é muito alto e pode até mesmo gerar mais violência”, diz Telma. 

Leia também

Do Saara à Cracolândia


“Revistar mochila de aluno é violência”

O Brasil segue lógica parecida: o número de licenças para uso de armas aumentou sete vezes se comparado com 2018 — e a disponibilidade de armas favorece esse tipo de crime e aumenta a letalidade. Multiplicam-se em casas legislativas propostas que sugerem até mesmo muros transparentes e revista de mochilas. “São medidas populistas, um mais do mesmo requintado. Segue uma lógica do senso comum, com aparência de sensação de segurança, mas resultado nulo sobre o fenômeno”, critica Daniel Cara, pesquisador da USP e relator do documento apresentado em novembro pelo MEC.

Para o sociólogo César Callegari, ex-secretário de Educação de Taboão da Serra, SP, entre 2005 e 2009, município reconhecidamente com alto índice de criminalidade na Grande São Paulo, muitas vezes a prevenção baseada em segurança é, em si mesma, violenta. “Revistar a mochila de um aluno é de uma violência absurda contra a privacidade, como se todos fossem uma ameaça”, lembra. Além disso, diz, mais câmeras na escola é tudo o que desejam os autores dos crimes. “É uma compulsão por visibilidade, querem mais é ser filmados”, lembra Callegari. Para ele, que enfrentou o caso de um assassinato em sua gestão, é preciso cuidado com o que chama de “vendedores de parafernália tecnológica”.

Cesar Callegari, ex-secretário de Educação
de Taboão da Serra
Foto: arquivo pessoal

Os estudos recentes indicam que o perfil predominante dos autores dos ataques no Brasil é de jovens, estudantes ou ex-estudantes, masculinos, com características de isolamento social, valores opressores (racismo, misoginia e ideais nazistas). São jovens que demonstram ausência de perspectiva de futuro e buscam notoriedade, reconhecimento e valorização — e por isso frequentemente anunciam o que vão fazer em seus grupos na web.

No trabalho coordenado por Telma Vinha, ressalta-se que para todos os autores a escola foi palco de sofrimento. “Eles percebiam-se como alvos de bullying e tiveram experiências dolorosas, como humilhação, exclusão e injustiças. Tinham, portanto, um significado negativo da instituição escolar. Esse sofrimento, em geral, era desconhecido pelos profissionais da escola e, em alguns casos, pelos colegas”, diz o estudo. Por isso, os ataques representam a ponta de um iceberg muito maior — que, no fundo, levam à pergunta: que escola queremos ter? Que jovens desejamos formar? Para qual sociedade? 

“A política de segurança não é emancipatória, a educação precisa ser”, diz. Enfrentar o cenário passa por uma política educacional ampla de convivência escolar, com prioridade efetiva para o tema.


Escute nosso episódio de podcast:


Perigo das redes

Aqui entra em cena o fenômeno das redes sociais, que vem sendo estudado pela jornalista Januária Alves, autora de livros sobre o tema. Para Januária, é preciso educar as novas gerações para esse universo. Os jovens não buscam as redes sociais por acaso. É o espaço de se conectar com amigos, acompanhar o mundo e, principalmente, de sentir-se visível e de escapar ao julgamento do adulto. A questão é que este é um ambiente em que sobra interação, mas falta conexão, afetos verdadeiros e relações humanas. Os ideais de comportamento são os influenciadores. Pior: as redes fomentadas por algoritmos aproximam os iguais, formam grandes bolhas de pensamento único, criam o solo propício para a desinformação e para o discurso de ódio. 

Violência Escolar
Escola precisa ser espaço de confiança e escuta, orienta a pesquisadora Januária Alves
Foto: revista Qualé

Segundo ela, um dos pontos em comum nos estudos publicados sobre violência nas escolas é a necessidade de controle social dos novos grandes impérios de tecnologia. Quem pensaria, por exemplo, que nos diálogos marginais de plataformas de videogame como o Discord novos assassinos em série são cooptados, estimulados, admirados? Novos espaços como esses se multiplicam na mesma proporção em que a tecnologia avança e crescem gerações inteiras que passam mais tempo na tela do que na vida de carne e osso, com relações e vínculos reais. Se antes a chamada dark web era utilizada, o que requer conhecimentos mais profundos do funcionamento da rede, hoje subgrupos em redes sociais diversas são frequentados por jovens que se tornam vítimas fáceis de manipuladores.

O cyberbullying é uma das manifestações doentias desse ecossistema. “Há um pedido de socorro dessa nova geração, que não está sabendo lidar com esse desafio online. Existe uma agressão violenta, que não acaba, pois o que está publicado nas redes sociais fica. A vítima revive infinitamente a agressão e o trauma”, conta. Por isso, na visão de Januária, a escola precisa assumir que é o espaço privilegiado da convivência cotidiana, não mediada pela tecnologia, em que os estudantes podem conviver com o diferente e a aprender a lidar com as diferenças. “É preciso que seja um espaço de confiança e escuta”, diz.

Intencionalidade pedagógica

É aí que falta densidade ao trabalho realizado nas escolas. Assim como as políticas de segurança, multiplicaram-se pequenos projetos de rodas de conversa, atendimento psicológico e atenção psicossocial. Tudo é importante, mas insuficiente. “O que temos visto no campo da convivência são visões reducionistas”, diz Telma Vinha. 

Para a pesquisadora da Unicamp, é preciso que haja políticas de convivência permanentes, com espaços institucionalizados na escola. “Existem várias formas de escuta e para todas é preciso haver intencionalidade pedagógica”, lembra. “A escuta não pode ser utilitarista, no tempo do adulto, o adolescente é sensível para perceber quando realmente querem ouvi-lo e levá-lo a sério”, afirma. Da mesma forma, para ela, o foco não pode ser o indivíduo em quem a escola identifica problemas, mas todo o coletivo de alunos, e deve-se buscar não apenas o bem-estar dos jovens, mas formar cidadãos que participem da sociedade, sejam capazes de um olhar crítico, com perspectiva de valorização da convivência e da construção social.

Na visão de Callegari, a solução também passa por fortalecer o esgarçado tecido social em torno da escola, o que envolve a aproximação das famílias. “Alunos não podem ser vistos como uma categoria sociológica, são pessoas, precisamos promover a sua visibilidade, a autoria, a participação, o pertencimento”, pontua. O gestor lembra que os projetos para tornar Taboão da Serra uma cidade educadora, em que professores visitavam as famílias de seus alunos, proporcionou uma radical redução da violência.

Evidentemente, tudo isso requer políticas de longo prazo e muito investimento em formação de diretores e professores. Aqui começa outro impasse crônico da educação brasileira: como uma escola com profissionais sobrecarregados, com muitas turmas de alunos dos quais não conseguem guardar sequer o nome, será capaz de enfrentar esse desafio? 

Daniel Cara, relator de documento do MEC
Foto: arquivo pessoal

“Quisemos deixar isso claro no relatório”, lembra Daniel Cara. “Bom clima escolar depende de dignidade: é preciso garantir escolas bem estruturadas, profissionais com boas condições de trabalho, e isso tem um custo”, avalia.  Segundo Cara, o relatório do MEC deve agora subsidiar uma política nacional para o tema. Para ele, a questão da violência contra a escola agora está colocada de forma permanente. “A tendência é de estabilização do fenômeno, em um patamar muito alto. Podemos ter de 10 a 20 ataques no ano que vem”, arrisca. “Infelizmente, não cabe mais perguntar se, trata-se de quando”.



Revista Educação: referência há 28 anos em reportagens jornalísticas e artigos exclusivos para profissionais da educação básica



Leia também:

Padre Júlio Lancellotti: faltam humanidade e partilha nas escolas

Autor

Paulo de Camargo


Leia Edição 299

Leitura de livros_destaque

Leitura de livros é incentivada com passeios fora da escola

+ Mais Informações
Quase 1

Quase 1 milhão e meio em idade escolar fora da escola

+ Mais Informações
educação_José Pacheco

Entre a barbaridade e a fraternidade

+ Mais Informações
literatura_João Jonas Veiga Sobral

O poder humanizador da literatura 

+ Mais Informações

Mapa do Site