NOTÍCIA

Gestão

Inserir mais professores homens na educação infantil pode valorizar o salário?

Por Calvin Moore Jr*:  Em um mundo ideal, os defensores da educação infantil não precisariam de estratégias para construir respeito pela profissão. Não precisaríamos desenvolver argumentos sobre os motivos dos educadores pré-escolares merecem melhores salários e condições de trabalho – o país simplesmente aceitaria isso como […]

Publicado em 01/02/2023

por The Hechinger Report

professores-homens-educacao-infantil

Por Calvin Moore Jr*:  Em um mundo ideal, os defensores da educação infantil não precisariam de estratégias para construir respeito pela profissão. Não precisaríamos desenvolver argumentos sobre os motivos dos educadores pré-escolares merecem melhores salários e condições de trabalho – o país simplesmente aceitaria isso como fato e faria acontecer.

No entanto, a realidade é que devemos redobrar nossos esforços para convencer o país a criar melhores condições de trabalho para aqueles que atuam em cargos da educação infantil.

A pandemia tornou a situação mais aguda: os EUA têm cerca de 80.000 funcionários de creches a menos desde o início da pandemia, uma perda de 7,5%, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics (BLS).


Leia: Ao excluir professor homem, educação infantil limita convivência com diferentes modos de ser


Acreditamos que parte da solução para o dilema da força de trabalho é um salário mais alto. Uma maneira de promover salários mais altos é recrutar mais homens.

Salários tendem a aumentar depois que os homens entram em empregos dominados por mulheres

Em todo o país, apenas 1,2% dos professores da primeira infância e do jardim de infância são homens, de acordo com a MenTeach . Vemos esse fenômeno em nossos esforços para promover a credencial Child Development Associate, que agora é amplamente reconhecida na educação infantil e é baseada em um conjunto básico de padrões de competência. Esses padrões orientam os profissionais da primeira infância a se tornarem educadores qualificados de crianças pequenas.

O BLS diz que a segregação industrial e ocupacional (por meio da qual as mulheres estão super-representadas em certos empregos e indústrias e sub-representadas em outros) leva a salários mais baixos para as mulheres e contribui para a diferença salarial geral entre os sexos. 

Seus dados também mostram que “empregos como babás, empregadas domésticas e auxiliares de saúde em casa são em sua maioria ocupados por mulheres, e todas essas funções pagam salários abaixo da média”. Empregos dominados por mulheres como esses (“trabalhos de colarinho rosa”) têm menos probabilidade de incluir benefícios do que empregos predominantemente ocupados por homens.

Foto: Shutterstock

É preciso valorizar a contribuição feminina

Pesquisas acadêmicas também encontraram “evidências substanciais” de que a proporção de mulheres em uma ocupação afeta a remuneração porque nós, como sociedade, não valorizamos o trabalho feito por mulheres. 

A Fast Company afirmou que, embora “empregos dominados por mulheres mereçam melhores salários, independentemente da entrada dos homens, a participação dos homens nesses empregos pode aumentar o status e o valor econômico do trabalho”.

De fato, a pesquisa mostrou que os salários tendem a aumentar depois que os homens entram em empregos dominados por mulheres, possivelmente porque os empregadores valorizam mais o trabalho que os homens fazem ou aceitam mais facilmente as negociações dos homens por salários mais altos.


Escute nosso podcast:


Experiência pessoal e fatores que afastam o homem da educação infantil

Há 30 anos comecei minha própria jornada profissional como professora de pré-escola. Não era meu plano original, mas busquei a oportunidade com base na sugestão de um membro da família que trabalhava na área. Sua conexão fez com que a oportunidade parecesse mais plausível para mim, apesar de começar como auxiliar de professor, mal remunerado. Naquela época, eu estava cercada por mulheres fortes e talentosas que foram as primeiras educadoras. Acredito que isso me ajudou a persistir em um campo em que poucos homens entram e ficam.

A escola me inscreveu em um programa de credencial de Associado de Desenvolvimento Infantil, o que me levou a aprender tudo o que pude sobre como as crianças aprendem e crescem.

Mais tarde, em minha pesquisa de doutorado para Os fatores sociológicos que afetam a retenção de professores masculinos da primeira infância, revisei as entrevistas de saída de professores homens que deixaram o ensino. A maioria deles o fez para campos com salários mais altos. Outros estudos também indicaram que os homens não estão tão interessados ​​no setor de educação infantil devido à falta de status, salário e benefícios.

Assim, mais homens para a profissão pode criar uma dinâmica na qual os salários aumentam, ajudando a trazer mais homens para a profissão, o que aumenta ainda mais os salários e benefícios.

Professor homem na educação infantil pode aproximar os pais

Além da teoria de que recrutar mais homens para o setor aumentará os salários gerais e o status da profissão, há outros benefícios em uma força de trabalho tão diversificada. Em uma pesquisa com membros da Associação Nacional para a Educação de Crianças Pequenas, 97% responderam que é importante que as crianças conheçam homens carinhosos e amorosos e tenham modelos masculinos positivos.

Além disso, homens e mulheres devem compartilhar igualmente o cuidado de crianças pequenas. Também sabemos que a presença de professores do sexo masculino muitas vezes faz com que os pais se sintam mais bem-vindos e os incentiva a se envolverem mais. Quanto mais homens houver na creche, maior a probabilidade de atraí-los para reuniões de pais, conferências de professores e excursões.

Outra pequena forma de suprir a falta de homens na escola é reconhecer e elogiar os homens atualmente envolvidos na educação infantil . Estamos planejando convocar educadores do sexo masculino para discutir tópicos como retenção de professores do sexo masculino e iniciativas de paternidade na educação infantil. Estamos compartilhando as lições que aprendemos com aqueles em organizações que pensam da mesma forma, a fim de destacar a importância de trazer e manter os homens na educação infantil. Estamos fazendo nossa parte. Mas estamos apenas começando.

*Calvin Moore Jr. é CEO do Conselho de Reconhecimento Profissional, o qual credencia educadores da primeira infância em todo o mundo

Esta história sobre homens na educação infantil foi produzida pelo The Hechinger Report, uma organização de notícias independente sem fins lucrativos nos Estados unidos focada na desigualdade e inovação na educação.

Leia também:

Escolarização precoce afeta a imaginação, alerta Paulo Fochi 

Autor

The Hechinger Report


Leia Gestão

gestora-de-escola

Escolas Mais Admiradas pela gestão escolar

+ Mais Informações
tecnologia-digital-aprendizagem

Tecnologia digital impulsiona estilos de aprendizagem

+ Mais Informações
fim-licenciatura-ead

Fim do ensino a distância para licenciaturas?

+ Mais Informações
corte-9-bi-educacao-sp-upes

Tarcísio quer tirar R$9 bilhões da educação de SP

+ Mais Informações

Mapa do Site