COLUNISTAS:

Colunista

José Pacheco

Educador e escritor, ex-diretor da Escola da Ponte, em Vila das Aves (Portugal)

Darcy Ribeiro por José Pacheco: se resignar ou se indignar

Maricá, 1 de agosto de 2042

jose-pacheco-3 José Pacheco escreve para a revista Educação há mais de 10 anos (foto: arquivo pessoal)

Nos anos oitenta, quando acolhíamos crianças rejeitadas, não sabíamos que, na outra margem do Atlântico, Darcy Ribeiro tentava “tirar crianças carentes das ruas, oferecendo-lhes ‘pais sociais’”.

Quando atravessei o mar, compreendi que essa sincronicidade resultara de, também, termos adotado um princípio assumido por Darcy:

Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca”.

Europeu etnocêntrico que eu era até à travessia, não conhecia essa figura ímpar, o Darcy dos CIEPs (Centros Integrados de Educação Pública), que os considerava “uma revolução na educação pública do país”. Sê-lo-ia, se sucessivos desgovernos não tivessem desvirtuado o projeto.


Leia também

100 anos de Darcy Ribeiro, o arquiteto de utopias

Teberosky e Magda provaram que ‘letrar’ era mais do que alfabetizar


A maioria dos CIEPs tornou-se escola comum. E a clarividência do Darcy conduziu-o à conclusão de que a crise da escola era um projeto engendrado por pessoas, cujas ações iam na contramão da história.

Há 20, o Brasil começava a sair de um longo pesadelo. As sequelas da crise política, econômica, educacional e sanitária estavam à vista. A saúde pública passara de precária para trágica. A fome assolava milhares de famílias e as mais vulneráveis sobreviviam garimpando restos de comida em caminhões de lixo.

Darcy afirmara que o Brasil era uma sociedade com o seu nervo ético rompido. Mas, conscientes da gravidade da situação, educadores éticos delineavam novos rumos para a educação, adotando a proposta de Darcy. Uma nova geração de educadores surgia, uma rutura paradigmática se anunciava.

Fui ao lugar onde Darcy Ribeiro lançara o seu projeto de educação básica, ajudar a Maria Paula e os professores de Mendes a retomar o legado de um Mestre, que afirmava haver nos trópicos uma outra forma de se viver e de sentir a vida.

Esse modo de viver e de sentir a vida eram os contornos de uma nova educação sendo gestada no sul, para o mundo. Nas duas margens do Atlântico, uma incontível caminhada nos conduziria à humanização do ato de aprender e ensinar.

Depois, no Rio, subi o morro de Santa Teresa. Na sede da fundação, que levava o seu nome, reli mensagens do Mestre: “O Brasil, último país a acabar com a escravidão, tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso”.

A Adriana justificava a iniciativa da secretária de Educação:“Seis escolas foram selecionadas para um projeto-piloto, para melhorar a aprendizagem, com mais diálogo e envolvimento de estudantes, pais e escola” .

Darcy Ribeiro, dissera:

“A coisa mais importante para os brasileiros é inventar o Brasil que nós queremos”.

A maricaense Natália, mais do que dizer o que queria, dizia o que já se fazia:

“Em Maricá, estamos abrindo caminhos para a construção de ‘comunidades de aprendizagem’”, já com a percepção e a sensibilidade da compreensão do território, na cidade, como espaço formativo dos seres. Precisamos aprender a ler o mundo e percebermos o quanto nos constituímos, dialogicamente.

Na obra O Brasil Como Problema, o Mestre questionava: “Qual é a causa real de nosso atraso e pobreza? Quem implantou esse sistema perverso e pervertido?” 

Na casa que Niemeyer concebera para Darcy, começaria o desmonte desse perverso projeto. Secretarias de Educação, como a de Maricá, tomavam em suas mãos o projeto de um egrégio Mestre, que dissera ter falhado em tudo. Mas, celebrar Darcy deveria ser muito mais do que teorizar a sua obra, debatê-la, divulgá-la em teses, ou palestrar em congressos. Seria cumprir Darcy no chão das escolas.

Nos idos de 20, entre Maricá, Mendes e Brasília (passando por Mogi), a memória de Darcy foi celebrada… praticando Darcy.

Escute nosso episódio de podcast:

Por: José Pacheco | 28/10/2022


Leia mais

estudantes-não-pensar

Estudantes são treinados para não pensar?

+ Mais Informações
Estudo

Novamente os índices de insucesso escolar

+ Mais Informações
diretrizes-tecnologia

Como fazer a integração da tecnologia digital na sala de aula

+ Mais Informações
educação pública_Damaris Silva

Histórias da educação pública que inspiram e transformam

+ Mais Informações

Mapa do Site