ARTIGO

Olhar pedagógico

Efeito pandemia: aulas devem priorizar aprendizagem humanizada

O período médio sem aulas presenciais nas escolas brasileiras por conta da pandemia chegou a 279 dias, bem acima da média de outros países da América Latina, como Chile e Argentina, com 199 dias. Nesse cenário, 99,3% das instituições adotaram estratégias de aprendizagem no formato […]

Publicado em 01/02/2022

por Redação revista Educação

O período médio sem aulas presenciais nas escolas brasileiras por conta da pandemia chegou a 279 dias, bem acima da média de outros países da América Latina, como Chile e Argentina, com 199 dias. Nesse cenário, 99,3% das instituições adotaram estratégias de aprendizagem no formato remoto. As informações são do Inep a partir dos resultados obtidos no levantamento Resposta educacional à pandemia de Covid-10 no Brasil.

————–

Leia: O papel da educação no tempo da incerteza

————–

Sobre o momento atual – com o retorno das aulas presenciais -, o grande desafio dos educadores é lidar com os efeitos emocionais, sociais e econômicos do período pandêmico, além de estarem preparados para uma aprendizagem humanizada.

Nesse sentido, um dos coordenadores de cursos de licenciaturas do Senac EAD, Caio Augusto Carvalho Alves, ressalta a importância das diretrizes estabelecidas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

“As competências versam sobre autocuidado, empatia, cidadania, respeito ao próximo e projetos de vida. Esses serão conhecimentos essenciais para as crianças e jovens no período pós-pandemia”, diz Caio Augusto.

————–

Leia: 20% das crianças estão em níveis de risco e atenção

————–

Competências em destaque

Caio argumenta que a solução mais assertiva para os profissionais de educação no período de suspensão das aulas presenciais foram os cursos de formação continuada. “No momento em que muitos educadores se depararam com as mudanças drásticas da pandemia, os treinamentos voltados ao domínio de ferramentas tecnológicas contribuíram para a construção de saberes aplicados às adversidades encontradas.”

Foto: Envato Elements

Essa condição continuada deve permanecer, até porque o aperfeiçoamento constante é uma das premissas na carreira pedagógica. Contudo, o coordenador reforça a necessidade de trabalhar as competências socioemocionais a fim de oferecer o acolhimento necessário aos estudantes.

“São vários fatores a serem considerados, entretanto um dos mais relevantes é a carga emocional típica de uma pandemia, na qual milhares de pessoas faleceram. Será preciso ter atenção às manifestações de ansiedade, depressão, hiperatividade e apatia que muitos alunos podem expressar”, pontua.

Proximidade e atenção

Sobre o comportamento da turma no ambiente online, Caio Augusto relembra que a empatia é o principal aspecto a ser fortalecido e que o professor deve ser ativo, no sentido de despertar a interação.

“Durante as aulas remotas, por mais que os alunos apareçam somente por quadrados, é preciso saber como eles estão, o que estão sentindo e se estão aprendendo. Isso só se sabe perguntando, indo atrás da informação. O fato de mostrar preocupação já pode ser o começo de um diálogo fértil para desenvolver competências socioemocionais tanto no aluno, quanto no professor”, avalia.

Assista:

Autor

Redação revista Educação


Leia Olhar pedagógico

etnomatemática

Como vivenciar a matemática

+ Mais Informações
BNCC da computação

BNCC da Computação: estratégias e diretrizes para adaptar suas aulas

+ Mais Informações
informação

Como criar o hábito de estar bem informado

+ Mais Informações
filmes e escola

Filmes retratam a escola como incapaz de lidar com as singularidades

+ Mais Informações

Mapa do Site