Experiência tecnológica com uso de iPad para os desafios da escola do futuro

Colégio Motiva, da Paraíba, implementou amplo projeto de tecnologia educacional e já colhe excelentes resultados. E mais: saiba como fazer o diagnóstico de alinhamento pedagógico de sua escola

No início de 2000, em um pequeno prédio na cidade de Campina Grande, PB, nascia o sonho do que seria uma nova e promissora escola particular – ali estavam 96 estudantes matriculados. Duas décadas depois, o Colégio Motiva reúne 6,5 mil matrículas em suas cinco unidades, presentes também na capital, João Pessoa.

Ao rol de bons resultados que a instituição coleciona, uma iniciativa de inovação tem chamado a atenção de toda comunidade escolar, desde o início do ano: um robusto projeto de tecnologia em educação, utilizando o iPad para alunos do 5º e 9º anos do ensino fundamental, com todo o conjunto de programas educacionais integrados ao device.

Dentre elas, ferramentas de criatividade, acessibilidade, livros interativos, realidade aumentada e mais de 100 mil aplicativos do segmento.

“A experiência permitiu que educadores e estudantes interagissem com recursos educativos exclusivos, e que as propostas de desenhos de aprendizagem transcendessem o uso do dispositivo, produzindo impactos positivos – tanto no desenvolvimento na vida escolar quanto em sociedade”, comemora o diretor-geral, Carlos Barbosa.

iPad escola

Foto: Newsroom “Apple revela currículo “Criatividade para todos”, para alimentar a criatividade dos alunos”

Quebrando paradigmas

Do ponto de vista da aplicação, o diretor-geral do Colégio Motiva comenta que a proposta educacional disruptiva, com forte apelo digital, baseou-se em estudos detalhados sobre necessidades e metas. “Isso está sendo possível graças a um planejamento estratégico bem elaborado, associado a fatores como: segurança nos procedimentos, comunicação ágil com as famílias e equipe pedagógica, formação continuada dos docentes e um propósito bem definido”, enumera.

Outra questão que costuma ser colocada em pauta é a de que, teoricamente, haveria um distanciamento entre as ferramentas digitais das demandas anuais de uma unidade escolar, como os vestibulares e provas como o Enem. “Nossa metodologia foca em processos, mas também em resultados – hoje, temos como dizer que a tecnologia tem nos auxiliado muito em questões como: aulas, simulados e gestão dos dados”, complementa Barbosa.

Soluções personalizadas

Para um projeto eficaz, é importante que o gestor se afaste das promessas de soluções “mágicas” e automatizadas. “Ele precisa buscar caminhos que tragam formas de personalização para a sua instituição e não projetos fechados”, alerta o cofundador da Z26 Metaeducação, o professor Antônio Ferro.

Docente da área de física, o especialista defende que a busca pela inovação contínua deve sim ser uma constante – porém, com um olhar que vá além do equipamento, mas que impacte de maneira relevante na cultura escolar.

No caso exemplificado no início desse artigo, com base na utilização das possibilidades do iPad, Ferro elenca, ainda, benefícios colhidos em outras escolas, dos mais diversos perfis, como:

  • fidelização de estudantes;
  • elevação do engajamento com o corpo docente;
  • ampliação do uso de metodologias ativas e trabalho com projetos;
  • maior número de opções de práticas em sala de aula;
  • desenvolvimento com base em conteúdos relevantes;
  • e, como consequência, aumento da satisfação dos pais com a instituição.

O consultor em educação ressalta, também, as vantagens de usar uma avaliação analítica da realidade da escola, antes de propor alguma nova estrutura digital de operação nas rotinas diárias.

Esse olhar mais detalhado possibilita, inclusive, uma adequação realista sobre o investimento que será utilizado para o perfil da unidade escolar. “Existem soluções financeiras exclusivas para o iPad, que permitem que escolas de várias faixas de mensalidade consigam ter seus projetos, tendo como um dos pilares fundamentais a sustentabilidade econômica”, ressalta.

E uma das ferramentas para alcançar essa meta de forma assertiva, garante, é a partir de um Diagnóstico de Alinhamento Pedagógico.

Como fazer um Diagnóstico de Alinhamento Pedagógico gratuito?

Recurso que permite detectar quais os diferenciais indicados pela gestão escolar por meio da sua proposta pedagógica, o Diagnóstico de Alinhamento Pedagógico revela as demandas mais urgentes.

“Possibilita que o gestor perceba em quais pontos da escola existem distorções de prática ou entendimento da proposta original e, sobretudo, como os estudantes a percebem”, relata Ferro.

E se você chegou até esse ponto do artigo, saiba que a Z26 Metaeducação vai te oferecer, de forma gratuita, a possibilidade de realizar esse tipo de diagnóstico em sua instituição – uma análise que pode ser feita em unidades de qualquer perfil ou proporções.

Basta clicar no botão abaixo e preencher seus dados, para que a equipe de avaliação faça contato individualmente com cada gestor. Importante: Essa oportunidade é válida apenas para cadastros efetuados até o dia 31/8/2021.

Leia também

António Nóvoa: aprendizagem precisa considerar o sentir

Envie um comentário

Your email address will not be published.