Por que precisamos de uma nova pedagogia para o nosso futuro pós-covid

Por mais devastadora que tenha sido, pandemia apresenta uma oportunidade de reorientar o ensino para ser mais interdisciplinar, orientado para o aluno e voltado para a comunidade

Por Eric S. Singer*: No início do bloqueio, minha filha de 10 anos aprendeu a usar uma máquina de costura assistindo a vídeos no YouTube. Antes de sua escola começar a oferecer instrução virtual ao vivo em setembro, ela passava muito tempo no porão fazendo travesseiros, bolsas e outras peças de roupa. Ela deveria estar preenchendo planilhas e outras tarefas, mas optei por uma abordagem indireta porque vi como ela era motivada para aprender à sua própria maneira.

Leia: Como o legado de Pestalozzi, Froebel, Montessori e Paulo Freire influenciam hoje os educadores

No porão, longe dos pais e professores, ela descobriu quanto material precisava para produzir o que queria, como os diferentes materiais se encaixavam e quais ferramentas eram necessárias para criar o que ela imaginou. Ela era incrivelmente hábil em encontrar soluções alternativas para problemas. Quando ela quis prender um objeto em uma de suas roupas, mas não conseguia descobrir como costurá-lo, ela recorreu a uma pistola de cola quente, arame, um grampeador ou outros fechos. Ela agora sabe, por exemplo, muito mais sobre design e produção de roupas do que eu e está aplicando seu novo conhecimento em outras áreas do design.

nova pedagogia

Uma nova pedagogia que dialogue com as transformações da sociedade

Compreender a si mesmo, o outro e o mundo

Temos a tendência de infantilizar nossos filhos. Ao fazer isso, os colocamos em caixas ideológicas. A escola tornou-se um lugar onde eles vão para aprender as habilidades que consideramos importantes.

Mas muitas escolas limitam o que é possível aderindo a estruturas rígidas e desatualizadas, como disciplinas tradicionais e divisões de séries. Isso impede, portanto, que as crianças entendam como os sistemas funcionam, como as coisas se encaixam, como as pessoas de diferentes idades interagem e como as ideias são geradas e disseminadas. Agora, enquanto lutamos de uma só vez com uma pandemia global, profundas desigualdades estruturais, mudanças climáticas e o aumento do autoritarismo no país e no exterior, precisamos produzir cidadãos que entendam como tudo está interligado.

Leia: Metodologias ativas de aprendizagem: saiba o que são e como incluí-las em sua escola

Desde o início da pandemia, a educação estadunidense passou por uma convulsão sísmica. Pela primeira vez em quase 100 anos, muitos alunos estão aprendendo em ambientes diferentes da escola. Eles são, portanto, mais capazes de aplicar o conteúdo acadêmico aos ritmos e desafios de suas comunidades. Temos uma oportunidade de ouro de reorientar a educação nos EUA para as paixões de nossos alunos e as prioridades de nossas comunidades, mas a janela está se fechando rapidamente. As empresas de tecnologia estão circulando como abutres , vendendo seus remédios rápidos para sistemas escolares exasperados e, compreensivelmente, os debates sobre higiene e segurança das escolas são mais apaixonados do que aqueles sobre a pedagogia pós-covid.

Deve-se registrar que professores bem-intencionados moveram montanhas para cultivar o que de outra forma teriam ensinado em suas salas de aula. Mas essas habilidades e métodos de segregação de disciplinas ainda são aqueles de que nossos alunos precisam para dar sentido aos sistemas e fenômenos globais interdependentes que evoluem na velocidade da luz? Se determinarmos que não são, podemos traçar um futuro pedagógico que seja baseado em projetos, orientado para o aluno e para a comunidade?

Liberdade com interdisciplinaridade

Em seu livro Deschooling Society [Sociedade sem escolas, ed. Vozes] Ivan Illich observou: “A maior parte do aprendizado não é o resultado da instrução. É antes o resultado de uma participação desimpedida em um ambiente significativo”. Como educadores, devemos refletir sobre como são as configurações significativas em nosso atual ambiente problemático.

Leia: A comunidade como gestora

Em vez de exigir que os alunos olhem para os computadores por horas do dia para que possam completar “tarefas” compartimentadas, podemos perguntar a eles quais problemas eles gostariam de resolver em suas comunidades e, em seguida, orientar o ensino interdisciplinar para esses fins.

Nesse processo, podemos pressionar nossos alunos sobre as consequências morais, éticas e ambientais de seu trabalho.

Se permitirmos que a curiosidade dos alunos e a solução de problemas da comunidade conduzam o processo, podemos estimular o conhecimento sistêmico para que eles possam aplicar a outros problemas à medida que os encontrarem. Aliás, essa abordagem os ajudará a compreender melhor a causa e o efeito, como os assuntos tradicionais se relacionam, como os sistemas operam e como as pessoas interagem. Também os capacitará a acreditar que podem produzir conhecimento e seus produtos, em vez de consumir ambos. Sendo assim, se usarmos esse tempo com sabedoria, poderemos fertilizar o terreno para produzir pensadores e realizadores abrangentes de que precisamos tão desesperadamente agora.

Eric S. Singer é professor de ensino médio e universitário, com mestrado em educação e doutorado em história. Ele adaptou The Untold History of the United States, Volume 2: Young Readers Edition, 1945-1962.

Esta história sobre a reorientação da educação estadunidense foi produzida pelo The Hechinger Report , uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos dos EUA com foco na desigualdade e inovação na educação. 

Leia também:

Jurista fala sobre a importância da Constituição e em como inserir os jovens na discussão sobre liberdade

Educação brasileira avançou, mas desigualdade de aprendizagem ainda é latente

Envie um comentário

Your email address will not be published.