/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Formação docente

Professor precisa mais do que apenas motivação para continuar atuando na área

Paixão por ensinar é um dos fatores que motiva os professores brasileiros a atuar na área, porém muitos apresentam esgotamento mental

Publicado em 31/10/2023

por Redação revista Educação

A preocupação com a sociedade e a paixão por ensinar são fatores fundamentais que motivam os professores brasileiros a atuar na área, aponta estudo Educo Barômetro, realizado pela Fundação SM. Entre os resultados, 27% dos participantes revelam gosto frequente pela docência e 25% buscam com a profissão a melhoria da sociedade. 

Contudo, três a cada quatro docentes brasileiros afirmaram ter manifestado traços de esgotamento físico e mental. A metade apresentou sintomas compatíveis com ansiedade e depressão, sendo que 42% demonstraram falta de entusiasmo ou perda de interesse pelo que fazem. 

Leia também

Educadores entre a exaustão e o afastamento

Apagão docente: jovens se afastam da profissão


A pesquisa foi realizada este ano, entre 24 de abril e 17 de maio, e ouviu professores de mais três países: Espanha, Chile e México. No Brasil, foram realizadas 600 entrevistas presenciais com docentes da educação infantil, ensino fundamental e ensino médio das cinco regiões do país.

Esgotamento da profissão

A docência é uma das profissões brasileiras mais propensas a apresentar a síndrome de burnout, também conhecida como síndrome do esgotamento profissional. “É de se esperar que as pessoas que trabalham nas chamadas ‘profissões assistenciais’ ou em serviços públicos, como a docência, sejam mais afetadas por essa síndrome, já que estão sujeitas a um alto nível de esgotamento profissional”, comenta Érica de Carvalho, diretora da Fundação SM no Brasil.

Dentre os motivos que geraram esse estresse, os professores brasileiros destacaram: barreiras para o desenvolvimento profissional (insatisfação com o salário) e dificuldades na tarefa docente (manter a disciplina em sala de aula). Também foram mencionados o volume de trabalho administrativo, tempo escasso para preparação de aulas e a percepção de serem considerados como responsáveis pela aprendizagem dos estudantes.

Valorização da profissão docente

Os resultados obtidos no estudo sugerem que o corpo docente continua fortemente identificado com as dimensões mais vocacionais da profissão — tal como mostrou a etapa da pesquisa realizada em 2007. O ideal como gerador de mudanças sociais permanece. Esta última característica, aliás, apresenta-se como traço diferencial dos docentes brasileiros, em comparação com os professores espanhóis e chilenos.

Entre os entrevistados, 61% consideraram que os profissionais da docência são reconhecidos pelo bom desempenho em sua escola. No entanto, 67% não se sentem satisfeitos com suas condições de trabalho. 

Um dos aspectos positivos manifestados é o fato de que 64% dos professores considerarem que a formação acadêmica recebida os preparou para a docência. A maioria (65%), porém, considera que sua escola não se adapta às novas tendências da educação. Mesmo assim, cerca de 70% têm liberdade para usar materiais complementares próprios.

Clique aqui  para acessar o estudo completo.

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Redação revista Educação


Leia Formação docente

1 esfapege-divulgacao

Qualidade das escolas de Sobral influencia faculdades locais

+ Mais Informações
formação EAD

Fim de licenciaturas em EAD afasta alunos que dependem da modalidade

+ Mais Informações
formação de professores

Novas Diretrizes para formação de professores e seus impactos na...

+ Mais Informações
TEA

Características do TEA que todo professor precisa conhecer

+ Mais Informações

Mapa do Site