/* Altera a margem superior apenas nessa página */

COLUNISTAS

Colunista

Ricardo Tavares

Ricardo Tavares é diretor-geral da FTD Educação

Publicado em 23/01/2023

Os principais temas da jornada dos professores em 2023

Questões socioemocionais e inclusão serão os maiores desafios para professores, coordenadores e gestores

Diante dos desafios do início de um novo ano escolar (também entendido como mais uma jornada dos professores), imersos em um período de grandes mudanças sociais e políticas e suportando a bagagem física e emocional de um momento pós-pandêmico, se fosse possível estabelecer um canal direto com profissionais que atuam no universo educacional no Brasil, quais seriam os temas apontados por eles como os mais urgentes? E quais dúvidas e que tipo de informações gostariam de receber?

Para responder a estas e outras questões, uma pesquisa realizada entre os dias 31 de outubro e 7 de novembro de 2022, pela FTD Educação, ouviu centenas de educadores parceiros da empresa em todo o Brasil e apresenta resultados que devem ser analisados com atenção, pois são excelentes indicadores dos anseios e necessidades dos docentes.


Leia também

Formação continuada de professores assume contornos de um desafio global

Por uma educação humanizadora


 

No levantamento, foi pedido aos entrevistados que indicassem os três assuntos mais urgentes que deveriam estar na pauta de formação dos educadores, para levantarmos temas para a próxima edição digital da Jornada Pedagógica, evento oferecido gratuitamente a milhares de professores e que acontece em 26 de janeiro.

Com a palavra, os profissionais da educação

Para 89,5% dos entrevistados, o tema mais importante para 2023 são as ‘práticas pedagógicas’. Em seguida, com 77,3% e 75,5% das indicações, vêm os temas ‘socioemocional com foco nos professores’ e ‘socioemocional com foco nos estudantes’, respectivamente. Com 64,7% das indicações, o assunto ‘inclusão’ aparece na quarta posição. Já o tópico ‘tecnologia e inovação’ está em quinto lugar, com 59,4% das menções. A pesquisa ouviu 335 respondentes, entre diretores (33,7%), coordenadores (51,3%), professores (10,1%) e outros profissionais da educação (4,8%), de todas as regiões do Brasil. 

Dentro do tópico mais pedido, ‘práticas pedagógicas’, o aspecto mais citado pelos participantes foi o dos métodos a serem aplicados em sala de aula, na prática. Outros pontos ligados às práticas pedagógicas, como inovação, formação docente, metodologias ativas, atividades lúdicas, dinâmicas e gamificação, também apareceram no levantamento.  

Nos depoimentos colhidos, apareceram expressões que mostram quais as prioridades desse conceito para a aplicação em sala de aula. São frases do tipo:

“Como trabalhar conteúdo”; “Quais práticas facilitam a jornada do professor”; “Como aprimorar conhecimentos na teoria, sem fugir da prática”; entre outras.

 

Olhar para todos

Nos temas ligados às questões socioemocionais, há uma divisão bem clara em dois grandes grupos do mesmo segmento: um para as demandas dos professores e outro para as dos estudantes. Nesse quesito a prioridade é a questão da saúde emocional, seguida por tópicos como motivação, apoio, competências socioemocionais e autoconhecimento, para docentes; e inteligência emocional, relações interpessoais, família e trabalho em grupo, para os alunos.

Nas frases coletadas, apareceram verdadeiros apelos diante de situações delicadas vivenciadas pelos educadores, por exemplo:

“Queremos orientações sobre como lidar com os problemas emocionais em sala de aula”; “Quando solicitar auxílio de um profissional de saúde?”; “Quais são as abordagens práticas para a promoção da saúde mental dos estudantes”?

Acolhimento também na jornada dos professores

Na temática da inclusão, dentre as solicitações, estão a adequação, tanto de currículo quanto de estrutura escolar; capacitação docente; e integração entre os alunos. Durante a escuta, foram colhidos pedidos da seguinte natureza:

“Como incluir de forma verdadeira?”; “Como oferecer atividades para estudantes com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) e transtorno do espectro autista (TEA)”​; “O currículo pode ser uma barreira para a inclusão?”.

 

Do metaverso ao maker

No âmbito da tecnologia e inovação, o quinto tema mais citado, o maior interesse está nas novidades e nas metodologias mais modernas, com 28,3%. Também foram mencionados aspectos como ensino híbrido, metaverso, robótica e cultura maker.  

O resultado da pesquisa e as frases ditas pelos educadores no levantamento oferecem um amplo recorte para escolas, gestores e empresas educacionais estarem atentas e serem empáticas. Os números e informações mostram, de forma direta, o que pensa e o que necessitam essas pessoas, além de revelar algo mais: as preocupações e dificuldades que estão enfrentando em um período sensível, de retomada das atividades e rotinas.

Diante de tantos desafios há de se falar de recomposição de aprendizagem, de práticas pedagógicas mediadas por tecnologia digital, de diversificação de estratégias metodológicas, de inclusão e acessibilidade para todos. Essa escuta nos permite traçar um roteiro da nossa jornada em 2023.

Leia também:

Magda Soares nos deixou órfãos de seu saber | coluna José Pacheco


Leia mais

inteligência artificial na educação

Ética e privacidade dos dados da inteligência artificial na educação

+ Mais Informações
cultura da paz

Língua inglesa e técnica japonesa como meio para a cultura de paz

+ Mais Informações
orientador educacional

A ressignificação do orientador educacional

+ Mais Informações
ignorância

O culto à ignorância e ao mercantilismo dos dados

+ Mais Informações

Mapa do Site