NOTÍCIA

Políticas Públicas

Jovens pela justiça climática

Como as juventudes da Amazônia estão se organizando para enfrentar o aquecimento global e promover a justiça climática? Como engajam outros atores sociais, como governos, organizações da sociedade civil, escolas, universidades, empresas e mídia em suas ações? Que barreiras encontram nessa articulação? E como inovam […]

Publicado em 26/11/2022

por Redação revista Educação

Como as juventudes da Amazônia estão se organizando para enfrentar o aquecimento global e promover a justiça climática? Como engajam outros atores sociais, como governos, organizações da sociedade civil, escolas, universidades, empresas e mídia em suas ações? Que barreiras encontram nessa articulação? E como inovam para superá-las?

Essas indagações são o eixo do Mapeamento juventudes e justiça climática – jovens transformadores pelo clima, realizado pela prestigiada entidade Ashoka por meio de oficinas e entrevistas com 45 pessoas, entre jovens transformadores, empreendedores sociais e líderes de organizações que trabalham com juventudes da Amazônia Legal.

Leia: Mudanças climáticas: ensinar para as crianças sem despertar medo

“Um modelo que vê a natureza como um recurso a ser usado para alimentar o crescimento sem limites não resulta apenas no esgotamento e no empobrecimento de algumas localidades exploradas ou em ambientes profundamente modificados. Na atual escala de consumo e desperdício, as crises já não são mais específicas, de um setor ou região. Estamos lidando com uma crise estrutural, que vai perdurar por muito tempo e mudar — queiramos ou não — o modo como vivemos. Uma das tarefas mais importantes nesse processo será ajudar as pes­soas a identificar o papel que podem desempenhar, sem deixar ninguém de fora das soluções. Devemos centrar atenções especialmente naqueles que serão mais rapidamente atingidos pelos impactos das mudanças climáticas, assim como os que têm mais responsabilidade ou poder de decisão sobre o que precisa mudar. A inação nos custaria muito caro”, alerta um trecho do prefácio.
justiça climática
Mapeamento juventudes e justiça climática – jovens transformadores pelo clima, realizado pela entidade Ashoka

O documento investigou quais são os estímulos que têm engajado os jovens em favor da justiça climática e as barreiras que os dificultam de chegar a tal feito. Entre os apontamentos, o material indica que é comum escolas e outras estruturas sociais de governos (locais, esta­duais e nacionais) não acreditarem que as juventudes possam fazer a diferença, além da desconexão do ensino médio com a educação ambiental e ações transformadoras das juventudes. Em relação à universidade, notou-se um modelo de ensino pouco participativo. Contudo, também aponta princípios norteadores positivos de escolas e instituições de ensino superior.

Clique aqui e acesse o mapeamento completo.

Escute nosso episódio de podcast:

Autor

Redação revista Educação


Leia Políticas Públicas

censo-2022

Censo 2022: 11,4 milhões de pessoas não sabem ler e escrever

+ Mais Informações
licenciaturas

Licenciaturas a um passo de uma nova atualização curricular

+ Mais Informações
reprovação escolar

Quanto mais é reprovado, menos o estudante aprende

+ Mais Informações
bullying

Podcast | Bullying e cyberbullying: o papel da escola, família e Estado...

+ Mais Informações

Mapa do Site