Na orientação educacional

Um aluno incomodado com as correções de provas de dois professores pede auxílio ao orientador educacional:
– Por favor, gostaria de falar sobre duas correções de provas das quais discordo. Posso?
– Entre, sente-se, por favor. Você já conversou com os professores a respeito dos seus incômodos?
– Conversei sim. Ambos disseram que eu me equivoquei na elaboração das respostas e que não poderiam avaliar como certas as respostas. Eu creio que eles estejam “ pegando no pé” desnecessariamente. Sinto-me perseguido.
– Como chegou a essa conclusão?
– Porque as respostas não estavam completamente erradas e foram dadas como erradas. Parece até que eles combinaram.
Leia também: Gerúndio: empurrando com a barriga
– Entendi. Vamos analisar a situação para entender se sua conclusão sobre a disposição dos professores faz algum sentido. Mas antes, responda-me, o que espera de mim?
– Quero que converse com os professores para que eles reavaliem as minhas respostas.
– Faremos o seguinte: observaremos suas respostas e, depois, orientarei você a voltar a conversar com os professores. Falarei com eles também sobre suas impressões para que sejam esclarecidas essas percepções que tem sobre a forma como eles o veem, Tudo bem?
– Tudo.
– Quais foram as respostas que apresentaram problemas semelhantes?
– Eu respondi em uma questão de Literatura que Machado de Assis, em Dom Casmurro, era mais realista e José de Alencar,em Iracema, era mais romântico.
– Entendi. E o professor deve ter comentado que você não poderia dizer isso porque estaria afirmando que José de Alencar em Iracema era,de alguma forma, realista e que Machado de Assis,em Dom Casmurro, era um pouco romântico, não é?
– Isso mesmo! O professor já veio aqui contar o que houve?
– Não, ele não veio. Concluí lendo sua resposta.
– Como assim? Eu disse que Machado de Assis era realista e José de Alencar era romântico.
– Talvez, se escrevesse, exatamente assim, como acabou de dizer, o professor provavelmente teria avaliado de outra forma.
– Como assim?
– Por que você acrescentou um “mais” em cada resposta que elaborou? Por que disse “mais realista” e “mais romântico”? Quis dizer que um é mais realista e mais romântico do que o outro? E explicou essas distinções?
– Não, não fiz isso.
– Se eu disser que você deve estudar mais, estou afirmando que você não estuda?
– Não, está dizendo que estudo pouco.
– Ou insuficiente, não?
– Sim.

orientação educacional

Foto: Shutterstock


– Qual a diferença entre um escritor romântico e um mais romântico?
– No mais romântico há características mais acentua­das do Romantismo
– Como no Ultrarromantismo?
– Ah, sim. Saquei.
– Qual o problema da outra correção?
– Nada, não. Já entendi o que respondi na prova de Geografia sobre os tipos de vegetações.
– Perfeito. Espero que você esteja melhor e que entenda que os professores estão lhe ajudando a ser mais preciso em suas respostas. Sugiro que converse com eles. São os especialistas e vão explicar melhor a você essas questões e tirarão as dúvidas sobre as impressões que têm.
– Vou falar sim.
– Procure não pensar o pior sempre, alivia a ansiedade. Às vezes, calma e delicadeza nesta vida ajudam mais e muito.
– Obrigado.
*João Jonas Veiga Sobral é professor de Língua Portuguesa e orientador educacional

Leia também:

No corredor

O exemplo de Sobral na relação diretor, coordenador e professor

 

Envie um comentário

Your email address will not be published.