/* Altera a margem superior apenas nessa página */

COLUNISTAS

Colunista

José Pacheco

Educador e escritor, ex-diretor da Escola da Ponte, em Vila das Aves (Portugal)

Publicado em 16/02/2019

Cidadanias

Teremos nós, educadores, contribuído para a emergência desta crise moral e ética?

Logo à entrada para o congresso, escutei os pedidos de sempre:

— Pode dar-me a sua “apresentação”? Qual é o Power Point que o senhor vai usar?

— Eu não uso Power Point.

— Mas todos os palestrantes usam. E o que é que o senhor vai dizer?

— Não sei. Ainda ninguém me fez perguntas.

O técnico voltou-me as costas e foi instalar o Power Point de outro palestrante. Dei início à “palestra” como faço, há mais de quarenta anos:

— O que querem saber?

Sucedeu um silêncio de mil professores.

Sei que passaram por cursos de ouvir respostas a perguntas que jamais fizeram. Sei que dão aulas feitas de respostas a perguntas que os seus alunos não fazem. Compreendo que tenham deixado de perguntar.
Para suscitar o debate, lancei uma pergunta:

— Este congresso tem por tema “educação para a cidadania”. Nesta faculdade acontece “educação para a cidadania” ou “educação na cidadania”?

A primeira pessoa a interpelar-me foi o palestrante que me sucederia no palco. Fê-lo sob a forma de provocação:

— Por que é que você não faz como toda a gente? Quer ser original, é isso?

Respirei fundo, contei até dez, ignorei o sarcasmo e expliquei que houve tempo em que eu dei aula e fiz palestra “como toda a gente”:

— Colega, se você se sente confortável lendo um discurso, ou um Power Point, nada tenho contra isso. Mas, escutou a minha pergunta? Quer responder?

Não respondeu. Disse que ensinava cidadania em duas aulas por semana. E, elevando o tom de voz, acrescentou:

— Fique sabendo que, nesta faculdade, somos todos iguais, que todos têm os mesmos direitos!

Serenamente, perguntei:

— O colega subiu para este auditório no elevador dos professores ou no elevador dos alunos? E quando precisa satisfazer necessidades elementares, vai ao banheiro dos professores ou ao banheiro dos alunos?

Levantou-se. Dirigiu-me um olhar fulminante. Gritou que era Ph.D. E foi embora.

Ainda há quem creia que se pode aprender civismo em aulas de educação cívica, em uma, ou duas horas por semana. Mas sabemos que uma aula não informa, uma aula conforma. Sabemos que uma aula não forma, ela deforma, contribui para a produção de seres que se apequenam, porque a vida sem viver parece ser mais segura.

A sociedade brasileira está doente; afetada pelo medo, infestada de intolerância, manifestando tendências autoritárias. Uma corrupção endêmica e sindrômica pontifica onde reina a ignorância. E qual será a nossa quota-parte de responsabilidade? Também teremos (nós, educadores) contribuído para a emergência desta crise moral e ética?

O meu amigo Vasco diz-nos que a ação do educador deve pautar-se na ética profissional vista como o compromisso de o homem respeitar os seus semelhantes, no trato da profissão que exerce. Educar é, essencialmente, uma atividade ética, com impacto social, com efeitos indeléveis na vida das pessoas.
Venho insistindo em que é urgente que os educadores assumam um compromisso ético (social e político) com a educação. Que não tentem educar para a cidadania, mas na cidadania, no exercício de uma liberdade responsável.

*José Pacheco Educador e escritor, ex-diretor da Escola da Ponte, em  Vila das Aves (Portugal)

Leia também:

Missivas: Tavira, agosto de 2039


Leia mais

formação de professores

Novas Diretrizes para formação de professores e seus impactos na...

+ Mais Informações
filhos

Chega de adulação e descaso com os filhos

+ Mais Informações
educação emancipadora

Por uma educação emancipadora

+ Mais Informações
juventude

Brasil enaltece juventude, mas a abandona à própria sorte

+ Mais Informações

Mapa do Site