/* Altera a margem superior apenas nessa página */

NOTÍCIA

Formação docente

O que é hipérbole

Publicado em 10/07/2011

por Redacao

hipérbole

A expressão “O mundo na palma da mão” é sinônimo de “sucesso”: excesso amplifica o sentido do que se quer dizer (Foto: Pixabay)

No capítulo XV do romance Helena, de Machado de Assis, encontra-se o seguinte passo: “Quando esta carta te chegar às mãos, estarei morto, morto de saudades de minha tia e de ti”. Evidentemente, “estarei morto, morto de saudades” é um predicado não pertinente, porque, de fato, o personagem não estará morto, mas com muitas saudades.
A hipérbole (do grego hyperbolé, que significa “ação de lançar por cima ou além”; depois, “ação de ultrapassar ou passar por cima”; daí, “excesso”, “amplificação crescente”) é o tropo em que há um aumento da intensidade semântica. Ao dizer de maneira mais forte alguma coisa, chama-se a atenção para aquilo que está sendo exposto. Quando se afirma que alguém tem um coração de pedra, o que se pretende é destacar o grau de insensibilidade dessa pessoa. A hipérbole é o tropo em que se estabelece uma compatibilidade predicativa, ao perceber a superlatividade da expressão. Na hipérbole, diz-se mais para significar menos, mas, por isso mesmo, enfatiza-se o que está sendo expresso.
Usa-se a hipérbole tanto na linguagem quotidiana (estou morto de sede, estava tão cansado que desmaiei) quanto nos gêneros artísticos. Em Os Lusíadas, de Camões encontram-se passagens como: “Sigamos estas deusas e vejamos/ Se fantásticas são, se verdadeiras./ Isto dito, veloces mais que gamos,/ Se lançam a correr pelas ribeiras” (IX, 70, 1-4); “Os olhos tinha prontos e direitos/ O Catual na história bem distinta; Mil vezes perguntava e mil ouvia/ As gostosas batalhas que ali via” (VIII, 43, 1-4).
Variedade
Os usos da hipérbole são variados. Em Vieira, por exemplo, menciona-se a hipérbole para mostrar a denotação da verdade religiosa, pois se explica que o que é exagero retórico em outros campos discursivos não o é no domínio do discurso religioso:
“Não só os poetas, mas ainda os profetas, quando querem descrever a tempestade mais horrível, dizem que a braveza e fúria dos ventos já levantam as ondas ao céu, já as precipitam ao inferno: Ascendunt usque ad caelos, et descendunt usque ad abyssos. – E isto, que nas tempestades do mar é hipérbole, na tempestade do inferno não chega a dizer tudo o que verdadeiramente é, porque os trovões e os raios daquela tempestade de blasfêmias, injúrias e maldições não só sobem e se levantam desde o inferno até o céu, senão sobre o céu do céu até o mesmo Deus (quarta parte do Discurso quarto de As cinco pedras da funda de Davi).”
Os narradores machadianos sempre apresentam uma imagem de comedimento e de elegância de linguagem. Os exageros de expressão são incompatíveis com sua dicção. Por isso, eles explicam o uso de hipérboles e desculpam-se por elas:
“Meses depois fui para o seminário de S. José. Se eu pudesse contar as lágrimas que chorei na véspera e na manhã, somaria mais do que todas as vertidas desde Adão e Eva. Há nisto alguma exageração; mas é bom ser enfático, uma ou outra vez, para compensar este escrúpulo de exatidão que me aflige. Entretanto, se eu me ativer só à lembrança da sensação, não fico longe da verdade; aos quinze anos, tudo é infinito.” (Dom Casmuro, cap. L).
“A notícia de que ela vivia alegre, quando eu chorava todas as noites, produziu-me aquele efeito, acompanhado de um bater de coração, tão violento, que ainda agora cuido de ouvi-lo. Há alguma exageração nisto; mas o discurso humano é assim mesmo, um composto de partes excessivas e partes diminutas, que se compensam, ajustando-se. Por outro lado, se entendermos que a audiência aqui não é das orelhas, senão da memória, chegaremos à exata verdade. A minha memória ouve ainda agora as pancadas do coração naquele instante. Não esqueças que era a emoção do primeiro amor.” (Dom Casmurro, cap. LXII).
Dimensões
A hipérbole pode ter dimensões variadas. Pode ir de uma locução até um texto inteiro. Machado criou uma personagem hiperbólica em Dom Casmurro: José Dias, o homem que amava os superlativos: “Era um modo de dar feição monumental às ideias; não as havendo, servia a prolongar as frases” (cap. IV). O narrador critica esse estilo de José Dias:
“Enxuguei os olhos, posto que de todas as palavras de José Dias uma só me ficasse no coração; foi aquele gravíssimo. Vi depois que ele só queria dizer grave, mas o uso do superlativo faz a boca longa e, por amor do período, José Dias fez crescer a minha tristeza. Se achares neste livro algum caso da mesma família, avisa-me, leitor, para que o emende na segunda edição; nada há mais feio do que dar pernas longuíssimas a ideias brevíssimas” (cap. LXVII).
A hipérbole não é uma figura característica apenas da linguagem verbal. Constroem-se amplificações de sentido também na linguagem visual. A Clínica do Tempo, sediada em Lisboa, numa propaganda de uma técnica de “lipoaspiração” não invasiva mostra uma pessoa torcendo a pele da barriga, como se torce roupa, só que em lugar de água pinga gordura.

Autor

Redacao


Leia Formação docente

formação EAD

Fim de licenciaturas em EAD afasta alunos que dependem da modalidade

+ Mais Informações
formação de professores

Novas Diretrizes para formação de professores e seus impactos na...

+ Mais Informações
TEA

Características do TEA que todo professor precisa conhecer

+ Mais Informações
combate ao racismo

Quais os caminhos para enfrentar o racismo nas escolas?

+ Mais Informações

Mapa do Site